Compartilhe Compartilhar no Facebook Compartilhar no Twitter Compartilhar no Linkedin
Metodologias ativas: mais protagonismo e autonomia para os estudantes

Metodologias ativas: mais protagonismo e autonomia para os estudantes

Inovação
Metodologias ativas: mais protagonismo e autonomia para os estudantes

1 mês atrás 4 min de leitura

As metodologias ativas fazem parte do contexto de instituições educacionais que estão atentas às mudanças na educação. Os métodos tradicionais, nos quais o conhecimento é transmitido unicamente pelo professor, já não fazem mais sentido em uma sociedade superconectada e cada vez mais desafiadora para os jovens.

Se você quer entender mais sobre os principais conceitos e práticas das metodologias que estão transformando o ambiente educacional, acompanhe este artigo!

O que são metodologias ativas?

A metodologia ativa é um processo amplo e envolve diferentes práticas em sala de aula, visando desenvolver a autonomia e protagonismo do estudante em sua trajetória educativa. Nesse contexto, os alunos passam a ter um papel ativo no processo de ensino-aprendizagem, enquanto os professores atuam como mentores constantes e atentos aos caminhos que os jovens escolhem trilhar.

Hoje, os estudantes precisam ser preparados para enfrentar as diversas situações da vida, adquirindo, desde cedo, competências e habilidades sociais, pessoais e tecnológicas. A escola tradicional, muitas vezes, não permite isso: ela ensina e avalia a todos igualmente, exigindo resultados padronizados e ignorando a era da informação em que vivemos.

Na metodologia ativa, os alunos deixam de apenas receber o conteúdo passivamente, em aulas expositivas, e começam a fazer parte da construção do conhecimento.

Para aprender a cozinhar, por exemplo, não basta receber a receita – é preciso fazer, botar a mão na massa e experimentar – e é essa a proposta dessas práticas pedagógicas.

Características das metodologias ativas

  •  Aprendizado a partir de situações e problemas reais;
  •  Estudante como protagonista de seu processo de aprendizagem;
  •  Professor como guia/orientador;
  •  Ambiente físico das salas de aula é mais aberto, integrando lazer e estudo.

Técnicas de metodologias ativas

  • – Projetos práticos e hands-on;
  • – Debates e discussões em grupo;
  • – Estudos de caso;
  • – Pesquisas de campo e trabalhos investigativos;
  • – Jogos e brincadeiras;
  • – Uso de tecnologia, como programação e robótica.

5 exemplos de metodologias ativas

A seguir, destacamos exemplos de abordagens, práticas e movimentos baseados no conceito de metodologias ativas:

1. STEAM

STEAM é um acrônimo em inglês para ciência, tecnologia, engenharia, artes e matemática. A proposta dessa abordagem é integrar os conhecimentos de todas essas áreas, de forma a preparar os estudantes para os desafios da vida e do futuro.

A abordagem STEAM é considerada integrada e baseada em projetos, uma vez que a construção de protótipos, solução de problema e outras criações com o uso de programação e robótica, por exemplo, fazem parte da aprendizagem. A adoção da STEAM nas escolas desperta proatividade, inovação, empatia, criatividade e desenvolve conhecimentos, habilidades e atitudes para que os alunos formem-se como verdadeiros cidadãos.

Todo esse contexto deriva da aprendizagem maker. Entenda a seguir.

2. Aprendizagem Maker

Alunos aprendendo com a mão na massa - aprendizagem maker sesi senai - metodologias ativas

O movimento Maker desafia as pessoas a criarem objetos, ferramentas e soluções para problemas reais do cotidiano com as próprias mãos. Na educação, ele entende os estudantes como seres pensantes e criativos, que devem ser preparados para agir com autonomia, em atividades individuais e coletivas, e ter a preocupação e o compromisso de mudar a realidade em que estão inseridos.

Além de reconhecer e explorar o potencial de um mundo organizado em rede, a perspectiva Maker responde às necessidades de um futuro em plena transformação, tanto do ponto de vista das relações pessoais como coletivas.

Na Escola S, a rede educacional do SESI SENAI, os estudantes têm acesso ao Espaço Maker, um ambiente com equipamentos que vão dos mais simples aos mais sofisticados – como arduinos, raspberry pi, drones, impressoras 3D e placas eletrônicas.

3. Aprendizagem baseada em problemas

Aprendizagem baseada em problemas, ou ABP, é uma abordagem em que o estudante aprende através da resolução de situações e conflitos. Aqui, a proposta é construir conhecimento utilizando de recursos como debates e discussões em grupo, o que estimula o trabalho em equipe e a promoção da interdisciplinaridade.

4. Ensino híbrido

Ensino híbrido nas metodologias ativas, crianças estudando pelo computador

O ensino híbrido, ou blended learning, é um modelo de educação no qual o estudante aprende parte por meio do ensino online, controlando seu ritmo de estudo, tempo e lugar, e parte em um espaço físico, com supervisão de um professor, por exemplo.

A Escola S, inclusive, utiliza essa metodologia e alia as atividades presenciais e virtuais, a partir de tecnologias educacionais como Google for Education, Meet, Geekie One e até WhatsApp e Telegram. Essa abordagem fez enorme diferença no enfrentamento da pandemia do coronavírus e na promoção de aulas de qualidade, mesmo durante a crise sanitária.

5. Gamificação

A gamificação é uma abordagem onde os jogos e as aulas preparadas com linguagem de jogos surgem e engajam ainda mais os estudantes. Desafios, competições e recompensas já fazem parte, na maioria das vezes, do dia a dia desses alunos, e trazer isso para a sala de aula permite estimular ainda mais o aprendizado.

Viu só como as metodologias ativas ajudam a desenvolver competências importantes e pensamento crítico nos estudantes? O intuito é deixá-los cada vez mais preparados para o futuro e para a vida, proporcionando práticas pedagógicas que os ajudem a enfrentar situações complexas com naturalidade.

Vantagens das metodologias ativas

Aplicar as práticas das metodologias ativas em sala de aula traz muitos benefícios, tanto para os estudantes, quanto para os professores. Confira:

  • – Protagonismo e autonomia: nessa proposta, o processo de ensino-aprendizagem é pautado no estudante, e é ele o responsável pela construção do conhecimento.
  • – Mais engajamento e motivação: as aulas são dinâmicas e divertidas, fazendo com que os jovens sejam muito mais participativos.
  • – Desenvolvimento soft skills: com essas práticas, não só as competências cognitivas (como memória, atenção, habilidades motoras) são desenvolvidas, como também as socioemocionais, a exemplo da cooperação, flexibilidade e liderança.
  • – Mais confiança e segurança: a partir desses modelos, o estudante prepara-se não apenas para o vestibular, mas também para o mercado de trabalho, enfrentando situações adversas da vida com mais facilidade.

Gostou? Se você quer ver como as metodologias ativas estão transformando os estudantes na prática, que tal conhecer a Escola S? Lá, nossos alunos são preparados para o futuro e para vida, em uma escola superconectada e com propostas pedagógicas singulares.

 Conheça a Escola S