Saiba tudo sobre o profissional Técnico em Edificações
Cursos Técnicos

Saiba tudo sobre o profissional Técnico em Edificações

08/11/2021 • 3 min de leitura

Os profissionais multifuncionais estão cada dia mais em alta e o Técnico em Edificações é um deles. Presente em todas as fases de uma obra, da fundação ao acabamento, esse profissional, em geral, precisa ter um perfil organizado, detalhista, de fácil trabalho em equipe e é claro, com certa aptidão para a matemática. Segundo o Mapa do Trabalho Industrial 2017-2020, elaborado pelo SENAI, o setor está no topo da lista das 13 áreas com maior demanda de trabalho nos próximos anos. Segundo o estudo, será necessário a qualificação de mais de três milhões de profissionais para ocuparem o mercado de trabalho na área. Mas então, o que faz um Técnico em Edificações? O Técnico em Edificações é responsável por gerir e acompanhar todo o processo de uma obra. Isso quer dizer que esse profissional vai garantir que a execução da obra saia exatamente como o projeto elaborado. O Técnico em Edificações: Calcula orçamentos Estabelece prazos e cronogramas Negocia, orienta, especifica, solicita, recebe e testa materiais Coordena o andamento da construção de acordo com as normas de saúde e segurança do trabalho Faz levantamento fotográfico Desenvolve, implementa, revisa e controla documentos: manuais, políticas, fluxogramas e documentos técnicos Entre outras funções que variam de obra para obra. Sempre garantindo o sucesso da equipe e das atividades necessárias para que o processo siga sem erros ou atrasos. Ainda, o Técnico em Edificações pode ser o responsável, ou seja, assinar projetos estruturais, hidrossanitários e elétricos de edificações com, no máximo, 80m². Onde trabalha o Técnico em Edificações O Técnico em Edificações é um profissional amplamente procurado pelo mercado de trabalho, portanto, tem ótimas oportunidades de emprego. Pode atuar tanto em empresas privadas quanto em órgãos públicos. Sua atuação vai do escritório ao canteiro de obras, podendo fazer parte de equipes em escritórios de engenharia ou arquitetura e também em construtoras. Ainda, pode trabalhar em fábricas de pré-moldados, indústrias de materiais de construção, empresas de reforma e laboratórios de ensaios de materiais para controle de qualidade. Como se tornar um Técnico em Edificações Para se tornar um profissional Técnico em Edificações não é necessário graduação e sim curso técnico, mas isso não quer dizer que o processo é simples. Isso porque, a grade curricular do curso costuma ser bastante exigente. Normalmente, são dois anos de curso, e a carga horária é dividida entre aulas teóricas e práticas.  Ao se formar, o profissional deve buscar o Conselho Regional de Engenharia e Arquitetura (CREA) da sua região e se filiar, para exercer a profissão em todo o território nacional. Salário do Técnico em Edificações De acordo com uma pesquisa realizada pelo site salario.com.br, juntamente com dados oficiais do Novo CAGED (Cadastro Geral de Empregados e Desempregados), eSocial – sistema informatizado da Administração Pública do Governo Federal – e Empregador Web – plataforma desenvolvida pelo Ministério do Trabalho e Emprego também do Governo Federal -, o salário do Técnico em Edificações, no Brasil, é de, em média, R$ 2.759,15, para trabalhar 43 horas semanais.  A faixa salarial fica entre R$ 2.250,41 e R$ 5.875,32. Grade Curricular do curso Técnico em Edificações do SENAI Comunicação e Informática Introdução a Construção de Edifícios Leitura e Interpretação de Projetos Qualidade, Saúde, Meio Ambiente e Segurança Desenho Técnico de Edificações Fundamentos de Mecânica dos Solos Fundamentos de Topografia Gestão de Pessoas Processos Construtivos Materiais e Ensaios Tecnológicos Pré-projeto I Projeto Arquitetônico Projeto Estrutural Projetos de Instalações Elétricas Projetos de Instalações Hidrossanitárias Documentação Técnica e Legalização de Projetos Pré-projeto II Projeto Executivo Orçamento de Obra Planejamento e Gestão da Produção Projeto de Pesquisa e Inovação Como escolher o melhor curso? O curso Técnico em Edificações do SENAI é um dos mais reconhecidos no país. O SENAI foi apontado pela ONU como uma das principais instituições educacionais do hemisfério sul. Além disso, as possibilidades de conseguir um emprego logo que você terminar o curso são grandes, pois os alunos do SENAI são preferência em contratação nas indústrias. Além disso, 8 em cada 10 ex-alunos de cursos técnicos do SENAI estão empregados. Para iniciar o curso Técnico em Edificações do SENAI, é necessário estar cursando a partir do 2º ano ou já ter concluído o Ensino Médio. Quer receber um conteúdo gratuito sobre o Curso Técnico em Edificações? Clique aqui!

Como a manufatura enxuta pode ajudar a sua empresa a se manter no mercado?
Mercado de trabalho

Como a manufatura enxuta pode ajudar a sua empresa a se manter no mercado?

04/11/2021 • 3 min de leitura

De maneira geral, o objetivo das empresas tem como base gerar lucro a partir da redução de custos e o aumento contínuo da qualidade de suas entregas, seja um produto ou serviço.  Usando os princípios da manufatura enxuta, a sua empresa pode colocar  esse objetivo em prática de maneira eficiente.  Seu negócio precisa estar voltado para o futuro, pois o mercado está mudando e acompanhando as novas tendências, é preciso ter visão de longo prazo. O fator equipe também possui um peso relevante, além de competente, o time precisa concordar com a visão do negócio e estar disposto a desenvolver novas habilidades ou competências, para isso, a cultura da manufatura enxuta pode ajudar a gerar os resultados que a sua empresa busca para se manter no mercado no cenário atual. De forma resumida, a manufatura enxuta, também conhecida como Lean Manufacturing, é uma estratégia focada na eliminação de desperdícios e melhoria dos processos produtivos. Para isso, faz uso de  ferramentas práticas e teóricas para facilitar o acompanhamento e mensurar os resultados da empresa. Ou seja, é um compromisso cultural da organização, para a melhoria contínua e para a otimização do fluxo de informações e materiais. A cultura da manufatura enxuta, ou cultura lean Se a palavra cultura significa literalmente “parte do que somos”, a cultura lean em um cenário ideal, precisa estar presente em todos os elos que fazem parte da organização. Se você acaba de conhecer o termo, não se assuste. Dificilmente uma empresa nasce com esse aspecto, a boa notícia é que todos nós podemos inserir atividades práticas diárias, que vão lapidando o comportamento das pessoas em direção à cultura da manufatura enxuta. Liderança engajada na proposta A liderança atua como um espelho do todo, os líderes fazem parte ativa com foco total na melhoria contínua dos processos. O resultado final é de suma importância, mas antes de tudo, quais os gargalos em cada etapa? É preciso prática e as respostas podem não ser fáceis de encontrar, elas podem estar presentes em diversas áreas: funções de RH, logística, marketing, desenvolvimento de produtos, produção, administrativo, entre outras.  Portanto, a liderança deve mostrar respeito e humildade a todas as áreas. Você pode não ter pleno conhecimento de tudo, é normal, e quem melhor do que o colaborador que atua ativamente naquela área, para mostrar as oportunidades ou dificuldades que a empresa poderia focar? Observar atentamente para entender os mais diversos porquês. Processo de produção  Lembre-se que os gargalos podem estar presentes em mais de uma área da sua empresa. Mas um ponto em comum entre diversos casos em que a manufatura enxuta foi  a solução, é a área da produção. Além do fator pessoal, onde os colaboradores podem estar “perdendo tempo hábil” em deslocamento, ou usando a ferramenta backup, para um ajuste que seria muito mais eficiente com o instrumento correto, podemos observar outras perspectivas:  Dimensionamento de equipe; Espaço de armazenagem; Projeto de planta; Manuseio de mercadorias; Políticas e procedimentos; até gestão de layout.  Tudo isso pode impactar na eficácia e eficiência do processo produtivo. Que por coincidência, é onde geralmente os consultores especialistas em manufatura enxuta do SENAI/SC encontram as oportunidades de melhoria em grande parte dos casos. A manufatura enxuta e a indústria 4.0 A Indústria 4.0 está vindo com tudo, inclusive, anunciando uma revolução tecnológica na forma de manufaturar, desenvolvendo novos postos de trabalho ou modificando os tradicionais, desde o chão de fábrica até a gestão.  A manufatura enxuta, por sua vez, possui “mais tempo de existência” (foi desenvolvida pela Toyota no Japão, em 1950), e vem ajudando as empresas a trilhar o caminho da melhoria contínua, sobretudo, alinhada com grande parte dos objetivos da indústria 4.0.  Entre esses objetivos,  destacamos alguns que possuem protagonismo na manufatura enxuta: Aumento da produtividade; Ganho em eficiência; Redução dos custos; Ciência de dados; Operações integradas. Manufatura enxuta no seu negócio A sua equipe precisa se desdobrar em esforços contínuos para entender o que é o pensamento enxuto. Uma boa forma de começar é por meio de duas características fundamentais: engajamento e alinhamento aos objetivos da empresa.  Portanto, vale a reflexão sobre como você e a sua empresa distinguem a melhoria contínua. De antemão, é importante pensar em como irão absorver os princípios da manufatura enxuta para descobrir os desperdícios e gargalos, criando valor para seus clientes.   Conte com o time de consultores do SENAI/SC que possui expertise para implantação do processo de manufatura enxuta em empresas de diversos segmentos, tamanhos e faturamento para alavancar o seu negócio, desenvolver a cultura de melhoria contínua e garantir a permanência e a maturação da sua empresa no mercado atual.   Conheça a Consultoria SENAI/SC 

Hackathon do Conhecimento: tudo o que você precisa saber sobre essa maratona
Ensino Médio

Hackathon do Conhecimento: tudo o que você precisa saber sobre essa maratona

28/10/2021 • 3 min de leitura

O Hackathon do Conhecimento Escola S acredita nos benefícios do trabalho em grupo e aposta na inovação. Estudantes do ensino médio de diversas escolas já estão desenvolvendo as atividades.  Você já ouviu falar sobre o Hackathon do Conhecimento da Escola S? Esse é um projeto que veio para desafiar os estudantes do ensino médio e é destinado a adolescentes com mais de 13 anos matriculados em escolas catarinenses. Se você já ouviu falar sobre isso, então deve saber que a edição deste ano já está em andamento. Mas se quiser saber ainda mais sobre o assunto e entender como este grande desafio funciona, agora é a hora! De onde vem o termo hackathon? Para começar, é preciso entender o que significa o termo hackathon. Derivado da palavra “hack” e muito utilizado na área de tecnologia, essa expressão está usualmente associada a crimes de invasão cibernética. Para a surpresa de muitos, “hackear algo” vai muito além disso! De acordo com sites especializados em tecnologia, o hack também está ligado ao desenvolvimento de sistemas que ainda não existem e que ofereçam soluções úteis à sociedade. Dessa forma, um hackathon pode ser caracterizado como uma maratona de programação em que novas ideias são discutidas para o desenvolvimento de projetos inovadores. Como acontece o Hackathon do Conhecimento? O Hackathon do Conhecimento será realizado no dia 20 de novembro, das 14h às 20h, e trará um desafio aos estudantes para resolverem um problema que envolva a tríade: SOCIAL, AMBIENTAL e DIGITAL.  Durante o evento, os quesitos de viabilidade, criatividade e resolução de problemas serão avaliados e a equipe que fizer mais pontos será premiada. Segundo o regulamento, cada equipe pode ser formada por até 5 estudantes e um professor orientador. Os membros devem trabalhar conjuntamente no desenvolvimento das atividades. Além disso, nessa edição, devido à pandemia de covid-19, o encontro será realizado de forma online, valorizando o critério digital do desafio. Período de imersão O Hackathon do Conhecimento vai ocorrer oficialmente apenas em novembro, mas uma etapa preliminar já está em andamento. Nas quatro semanas que antecedem o evento, os estudantes participam de uma etapa de imersão, na qual também são contabilizados pontos cumulativos à programação. Em cada semana, um conjunto de atividades é liberado e deve ser desenvolvido de forma conjunta. No total, são nove atividades que podem totalizar até 27 pontos e que serão somadas à pontuação final. Acompanhe o andamento das atividades pelo site do Hackathon do Conhecimento! Alunos e Professores destacam a participação no Hackathon do Conhecimento “Eu decidi participar do Hackathon por ser uma atividade diferente da minha rotina habitual, mas que pode contribuir com muito conhecimento. Além disso, as atividades estão sendo bem dinâmicas e espero que possamos dar o nosso melhor, independente do resultado.” – Aluno Antônio Vitor, da Escola S de Itajaí “A participação no Hackathon é uma excelente oportunidade de estimular o lado criativo dos alunos, a cada semana com um desafio novo, despertando o melhor em cada aluno! Participar de um desafio como esse é enriquecedor, fortalece os valores que já trabalhamos em nossa escola com os alunos, como autonomia, responsabilidade e cooperação!” – Professor Roger Luiz Mota, da Escola S de Brusque “Eu achei muito legal a ideia do Hackathon, as tarefas são muito diferentes e divertidas. Estou muito animada e ansiosa para os próximos desafios. Espero que possamos aproveitar e aprender ao máximo. O prêmio também é muito motivante (hehe), além de todo o conhecimento!” – Aluna Maria Laura, da Escola S de Brusque “O Hackathon está sendo uma oportunidade de integração entre os participantes da equipe. A vantagem é que estimula a busca pelo aprendizado em todas as áreas do conhecimento. Percebo minha equipe muita engajada e esse é o processo que mostra o verdadeiro objetivo e resultado do Hackathon.” – Professor Tafarel Cassaniga, da Escola S de Itajaí A premiação Se você está curioso (a) para descobrir qual será a grande premiação para os campeões, saiba que além dos alunos, os professores e as escolas vencedoras também saem ganhando! Confira: 1º lugar Kit aluno (cada aluno receberá um): 1 celular Samsung Galaxy S20; 1 Kindle 10ª geração com luz. Kit professor: R$ 5.000,00 em cartão de débito (sem direito a saque); 1 Kindle 10ª geração com luz. Kit Escola:  2 aparelhos Kindle 10ª geração com luz para a biblioteca. 2º lugar Kit aluno (cada aluno receberá um): 1 Kindle 10ª geração com luz. Kit professor: 1 Kindle 10ª geração com luz. Kit Escola:  2 aparelhos Kindle 10ª geração com luz para a biblioteca; 3º lugar Kit aluno (cada aluno receberá um): 1 Kindle 10ª geração com luz. Kit professor: 1 Kindle 10ª geração com luz. Kit Escola:  2 aparelhos Kindle 10ª geração com luz para a biblioteca. Vivencie o Hackathon do Conhecimento de perto Neste ano, as inscrições para o Hackathon do Conhecimento já encerraram. Contudo, nada impede que você esteja mais próximo dessa gincana que estimula a criatividade, a superação de desafios e o trabalho em equipe nas próximas edições. A Escola S está com matrículas abertas e, pelo site, você pode conferir os diferenciais e metodologias utilizados no ensino. Encontre a unidade da Escola S mais próxima da sua casa e garanta a matrícula de 2022!

5 áreas profissionais que exigem conhecimento em Excel
Curta Duração

5 áreas profissionais que exigem conhecimento em Excel

15/10/2021 • 3 min de leitura

Diferentes profissões, das mais conservadoras às tecnológicas, possuem uma habilidade que as aproxima: o conhecimento em Excel. O Microsoft Excel é uma das ferramentas mais acessíveis e utilizadas entre as diversas áreas de atuação existentes no mercado hoje. Isso porque, com ele, é possível manipular dados e gerar relatórios com informações estratégicas essenciais para as tomadas de decisões. A aplicabilidade do software é um dos seus grandes diferenciais, fornecendo o gerenciamento de dados através de planilhas e gráficos básicos, intermediários ou avançados. Tudo vai depender da área de atuação e grau de automação dos processos envolvidos. Contudo, com o avanço tecnológico em crescente expansão, uma coisa é certa: profissionais devidamente qualificados com conhecimento em Excel estão mais aptos a controlar e usar os dados a seu favor. Ou seja, o mercado está a procura desses profissionais. Diante desse cenário, vamos conhecer 5 profissões que estão em alta e o conhecimento em Excel é mais do que um diferencial, é uma exigência.  Tecnologia da Informação O profissional de TI é uma das grandes apostas para as profissões do futuro. Ele é responsável pela produção, transmissão, armazenamento e monitoramento de informações provenientes da computação, garantindo a segurança do banco de dados da empresa. Dados estes, fundamentais para definir estratégias e solucionar problemas. Além disso, a Tecnologia da Informação também compreende o desenvolvimento de softwares e hardwares. Entre as áreas de atuação de TI, podemos citar: programação, segurança da informação, desenvolvedor, administração de banco de dados, qualidade de software, cientista de dados e suporte técnico. Alguns exemplos de como o Excel pode auxiliar esse profissional: Auditorias. Pesquisas de satisfação. Relatórios de erros. Estudos de negócios. Gerenciamento de dados. Administração Presente em praticamente todas as organizações, os administradores ou auxiliares administrativos são responsáveis pelo gerenciamento de negócios, recursos ou pessoas de uma empresa. Para tanto, lidam diariamente com planilhas no Excel. Dentre as informações gerenciadas através da ferramenta, estão: Controle de rotinas administrativas. Orçamentos. Análise de vendas. Levantamento financeiro. Etc. Marketing Digital Especialistas em marketing digital trabalham para comunicar marcas no ambiente online de forma a ampliar a visibilidade das empresas. Assim, fazem uso de estratégias de inbound marketing, como SEO, marketing de conteúdo, gestão de redes sociais, newsletters, etc. Formados em comunicação social – Jornalismo, Publicidade e Propaganda, Relações Públicas ou Marketing, esses profissionais fazem uso do Excel para: Monitorar e controlar leads. Avaliar o tráfego dos sites. Planejar o cronograma de conteúdos. Analisar métricas de vendas, taxas de conversão, etc. Avaliar a concorrência. Chief Financial Office (CFO) O profissional de CFO nada mais é do que o diretor financeiro. Ou seja, sua atuação está diretamente ligada a tomadas de decisões baseadas em números e, por isso, o Excel não poderia deixar de fazer parte de sua rotina.  A ferramenta é utilizada para controlar, monitorar e avaliar: Fluxo de caixa: entradas e saídas. Margens de lucro e preços de venda. Análise de mercado e dos concorrentes. Entre outros. Recursos Humanos Responsável pela gestão de pessoas do ambiente corporativo, o profissional de RH atua na contratação de novos colaboradores, treinamentos e ações de engajamento da equipe. Essa é uma das áreas com forte investimento no controle de dados a partir de ferramentas tecnológicas, como é o caso da metodologia People Analytics. Ela funciona, basicamente, através da coleta e análise de dados (Big Data) quanto ao comportamento dos funcionários, com foco na promoção do aumento da produtividade e melhores resultados. O Excel é utilizado pela área em atividades como: People Analytics. Controle de ponto, horas-extras ou banco de horas. Pesquisas de satisfação. Controle de treinamentos e capacitações.   Se você chegou até aqui, provavelmente tem interesse em atuar em alguma dessas áreas, ou ainda, sabe o quanto aprofundar seus conhecimentos em Excel é importante para a sua profissão, independentemente de qual seja. Para tanto, você pode contar com o SENAI.  Referência mundial em qualidade de ensino, no SENAI/SC você encontra diferentes ofertas de cursos em Excel, como básico, intermediário e avançado. E o melhor, disponíveis em formato de curta duração, ou seja, em pouco tempo você estará mais qualificado, elevando seu nível de competitividade com relação ao mercado.

Mulheres na tecnologia: crescimento contínuo da área abre mais oportunidades
Cursos Técnicos

Mulheres na tecnologia: crescimento contínuo da área abre mais oportunidades

06/10/2021 • 4 min de leitura

Elas podem e devem estar onde quiserem, inclusive na tecnologia! Mas quando se trata dessa área, não é novidade que ela ainda é predominantemente ocupada por profissionais do sexo masculino. Todavia, com o mercado em plena ascensão, não há lugar para estereótipos: as oportunidades e possibilidades existem para todos. A perspectiva da carreira no segmento é promissora e garante boas oportunidades de remuneração. Além disso, o setor oferece flexibilidade e crescimento profissional a curto prazo.  Nesse post, você vai entender como o SENAI SC incentiva o protagonismo feminino na tecnologia e contribui para suprir a necessidade de mão de obra do mercado, bem como conhecer histórias reais de mulheres que atuam na área e ainda saber quais os setores da indústria com maior número de oportunidades. Vamos lá? As demandas do mercado de trabalho favorecem o ingresso de mulheres na tecnologia O avanço da tecnologia pode ser notado pela alta demanda do número de vagas ofertadas nas principais plataformas de emprego. Nesse sentido, a rede social profissional, Linkedin, divulgou um estudo feito com os profissionais que entraram no mercado de trabalho até o segundo semestre de 2021. O levantamento apontou que a tecnologia lidera com o maior número de vagas preenchidas por recém-formados. Além disso, foram destacadas na pesquisa as áreas da indústria que mais disponibilizaram vagas de emprego na área no primeiro semestre deste ano. São elas:  software e serviços de TI, bens de consumo, manufatura, mídia e comunicações, serviços corporativos, finanças, varejo, educação, assistência médica, energia e mineração.  Os dados ainda mostram que Santa Catarina está entre as principais regiões do país que se destacam por concentrar uma alta quantidade de processos seletivos na plataforma. Não é à toa que a capital do estado, Florianópolis, (também chamada de Ilha do Silício) é considerada referência nacional em inovação, sendo destino para muitos profissionais em busca de novos desafios nessa área.  Representatividade das mulheres na tecnologia  A tecnologia também é delas! Uma pesquisa divulgada pela Associação Catarinense de Tecnologia (ACATE Tech Report 2020), mostra que a presença feminina na tecnologia ainda é baixa, porém tem avançado. 36,2% é o número de colaboradoras de empresas de tecnologia no Brasil, o que representa um crescimento de 60% nos últimos cinco anos. De acordo com a ACATE, a falta de mão de obra qualificada é uma das principais preocupações das empresas de tecnologia no estado. Por meio de uma pesquisa de mapeamento, estima-se que em 2022 serão abertas 5.364 mil vagas, e 6.687 mil em 2023.  A busca por qualificação profissional revela que elas têm buscado espaço. O gráfico abaixo demonstra o número crescente de mulheres ingressantes nos cursos de tecnologia do SENAI Santa Catarina. O aumento, nos últimos três anos, foi de mais de 1.400%.    O SENAI/SC fortalece e incentiva o protagonismo feminino O SENAI, juntamente com organizações parceiras, promove ações que estimulam mulheres a desempenharem o papel de protagonistas na tecnologia. “Temos parceiros como a Technovation Girls Brasil e a ONG Inspiring Girls que realizam programas fantásticos voltados às mulheres. Além dos projetos Avanti no seu Futuro e o Codificando o Futuro, nos quais incentivam alunos de escolas públicas a buscarem qualificação no curso técnico em desenvolvimento de sistemas com bolsas de estudo 100% gratuitas. Cerca de 35% dos participantes são meninas”, destaca João Clayton Aires, supervisor dos Cursos Técnicos e Aprendizagem Industrial/ SENAI Florianópolis.  O gerente executivo SESI SENAI IEL da regional sudeste, Luciano Mattiazzi, ressalta a importância do SENAI na qualificação de mão de obra para suprir a necessidade da demanda do mercado. “Somos referência em educação tecnológica no estado, desenvolvemos competências para a atuação em diversas áreas industriais, e temos investido esforços e recursos para a melhoria das nossas instalações, bem como a ampliação da oferta de formação de desenvolvedores, analistas de bancos de dados, redes, segurança da informação, reparadores de informática, etc, com metodologias e ações que acontecem desde do ensino básico, na Escola S, até os cursos de pós-graduação da Rede de Ensino Superior SENAI/SC ”, explica. Luciano ainda evidencia habilidades que podem contribuir para as mulheres se destacarem na carreira. “São inúmeras oportunidades para jovens e pessoas que desejam pivotar suas carreiras, em especial para as mulheres que mesmo sendo a minoria na área são reconhecidas pelas suas habilidades de comunicação, criatividade, inovação, atenção aos detalhes, assim como o bom gerenciamento de tempo”, frisa. Histórias reais Julia Amaral, estudante do curso técnico em desenvolvimento de sistemas do SENAI/SC, faz parte do percentual de mulheres atuantes nos projetos mencionados acima. “A área ainda é bastante masculina. Quando entrei no curso tive bastante receio do preconceito, mas logo me senti acolhida. Consegui um estágio nas primeiras semanas e, como a grade curricular do curso é bem voltada ao mercado de trabalho, foi possível entender a área rapidamente ”, diz Júlia.  Já para Lara Leão, o grande desafio foi a transição de carreira. A professora de francês trocou a sala de aula pelo mundo da tecnologia. “O principal motivo foi a crescente demanda do mercado e a crescente procura, claro, por profissionais qualificados. Além de, com certeza, a oportunidade de sair de um emprego inferior, e por fim a busca melhor qualificação”, conta Lara, também estudante do curso em desenvolvimento de sistemas no SENAI/SC.   Mulheres na tecnologia: conheça 10 cursos para ingressar na área  Veja a lista com 10 cursos voltados à tecnologia da informação (hardware e software) que o SENAI/SC oferece. Certamente, um deles irá lhe incentivar a ingressar em uma carreira na tecnologia! Confira:  1- Ensino Médio Integrado Técnico em Desenvolvimento de Sistemas  2 – Técnico em Rede de Computadores  3 – Superior em Análise e Desenvolvimento de Sistemas 4 – Operador de Computador  5 – Desenvolvimento de aplicativos para Smartphones  6 – Programação para Android  7 – Cientista de Dados – Big Data  8 – MBA em Empreendedorismo de Startups  9 – Pós em Segurança Digital na Indústria Avançada  10 – Pós em User Experience Design  Quer conhecer mais opções? Então vem que no nosso site tem mais! 

Ciência de Dados e Inteligência Artificial: conheça as vantagens
Mercado de trabalho

Ciência de Dados e Inteligência Artificial: conheça as vantagens

23/09/2021 • 3 min de leitura

  O homem, ao longo de sua história, sempre procurou uma maneira de compreender o comportamento humano. Empresas sempre buscaram entender o universo de seus clientes, e até mesmo governos, rastrearam as necessidades de suas nações. É a partir desse cenário, que te convido a conhecer um pouco mais sobre o advento da ciência de dados e da inteligência artificial, apresentando quais são os impactos no cotidiano de toda a população. Com o avanço da tecnologia, agora é possível transformar dados  em informações relevantes, de maneira ágil e eficiente, resultando em conhecimento e poder de decisão com base em fatos concretos. 50% da população mundial já tem conexão com a internet. Agora tente imaginar quantos dados estão sendo armazenados, de todas essas pessoas que utilizam diariamente seus dispositivos móveis.  Mas calma aí, vamos entender um pouco mais todo o contexto? Vale a pena conferir! O que é Ciência de Dados? A Ciência de dados, ou data science, em inglês, é uma área que existe há 30 anos, porém, apenas nos últimos anos ela vem ganhando fama e garantindo um lugar no mercado. Como peculiaridade, a ciência de dados é jovem, ela surgiu dos campos de análise estatística e mineração de dados (data mining). O Data Science Journal estreou em 2002, publicado pelo Conselho Internacional para Ciências: Comitê de Dados para Ciências e Tecnologia. Em 2008, a definição de cientista de dados manifestou-se, e a área emergiu rapidamente. O que resultou em uma carência de cientistas de dados desde então, embora mais e mais faculdades e universidades tenham começado a oferecer graduação em ciência de dados. Desta forma, podemos definir a Ciência de Dados como uma área responsável pela captura de informações utilizando tecnologias, modelos e metodologias. Além disso, se nos tempos ultrapassados, uma empresa tolerava decisões de forma mais intuitiva, fazer isso atualmente, em um cenário globalizado e de alta competitividade, é, na prática, uma atividade que pode prejudicar todo o fluxo de uma indústria. Agora que te apresentei um pouco mais sobre o conceito, que tal conhecer um pouco mais sobre Inteligência Artificial e qual sua importância dentro deste contexto? O que é Inteligência Artificial? A Inteligência Artificial é uma área que simula a inteligência e o comportamento humano. O termo ‘Inteligência Artificial’ surgiu em 1955, dito por John McCarthy, professor de matemática do Dartmouth College, onde ele buscava dizer que todos os aspectos da aprendizagem ou qualquer outra característica de aprendizagem poderiam ser descritos e simulados por uma máquina. A ciência da computação define a IA como um dos principais e mais importantes avanços tecnológicos para o cotidiano, pois com ela é possível conectar diversos ambientes em uma única experiência. Ela consegue auxiliar, indicar as necessidades, nos ajudar a tomar decisões e lembrar de tarefas importantes. O algoritmo tornou-se então um ferramenta fundamental para geração de ações que antes não eram realizadas por máquinas. Um exemplo de inovação, onde é utilizado essa metodologia, são os carros inteligentes, que atuam sem a necessidade de um motorista fisicamente. Dessa forma, é possível detectar a melhor alternativa para diversas situações como velocidade, frenagem, climatização, origem e destino apenas com Inteligência Artificial. Além disso, é importante ressaltar que não deve-se confundir Inteligência Artificial com a intenção de fazer com que uma máquina assuma a posição humana. O intuito é que ela seja capaz de variáveis, interpretar e resolver problemas. 4 vantagens da Inteligência Artificial –  Maior produtividade: Economia de tempo nas tomadas de decisões –  Foco total no usuário: Individualização de situações –  Armazenamento: Banco de dados seguro –  Análise complexas de dados: Automatização de processos Ciência de Dados e Inteligência Artificial: mudanças rápidas Acompanhar as mudanças da tecnologia é um dos grandes desafios das profissões do futuro. Será valorizado aquele profissional capaz de interpretar dados para utilização correta, trazendo consigo resultados nas reduções de custos e aumento da produtividade. Cientista de dados é apenas uma das profissões em alta no mercado de trabalho. Portanto, a dica é, invista na educação e na atualização de seus conhecimentos, conheça os cursos oferecidos em nosso site, com nível de excelência no MEC e docentes que possuem experiência no mercado, tudo isso você encontra aqui! Como você está caminhando para essa nova realidade? Compartilhe o conteúdo e conte para nós!  Até a próxima.

Desenvolvedor júnior: você sabe o que é preciso para iniciar na profissão?
Curta Duração

Desenvolvedor júnior: você sabe o que é preciso para iniciar na profissão?

16/09/2021 • 5 min de leitura

Não é novidade para ninguém: o setor de tecnologia cresceu substancialmente nos últimos anos.  Uma das poucas áreas em que sobram vagas e faltam profissionais, a área de Tecnologia da Informação ainda deve gerar mais de 400 mil novos empregos até 2024, segundo o Relatório Setorial de TIC 2019, da Associação Brasileira das Empresas de Tecnologia da Informação e Comunicação (Brasscom). Esse crescimento foi ainda mais impulsionado durante a pandemia do coronavírus. Isso porque lojas que antes vendiam apenas de forma presencial, tiveram que se adaptar às novas formas de consumo, criando lojas virtuais, os chamados e-commerces. Instituições de ensino que ainda não possuíam a modalidade de ensino à distância, também tiveram que se adequar. E não para por aí. Essa rápida evolução tecnológica que modifica os hábitos tradicionais, também chamada de transformação digital, afetou os mais diversos setores, que, de uma forma ou de outra, tiveram que evoluir as suas tecnologias a fim de atingirem seus públicos – que, durante muito tempo, estiveram em isolamento social. Mesmo que aos poucos, o mundo vá voltando a sua normalidade e as pessoas voltem a sair de suas casas, esses novos hábitos de consumo não regressarão. Isso porque, a facilidade e a economia que o mundo digital traz para os clientes, usuários e para as próprias empresas, é fascinante. Quem faz parte dessa inovação Para que seja possível criar novos softwares, sites ou apps ou até mesmo melhorar os já existentes para que funcionem da forma esperada, é necessário o conhecimento de diversos profissionais, em especial o chamado de desenvolvedor. Esse profissional é o responsável por participar da concepção do projeto, fazer testes constantes e desenvolver ou otimizar novas funcionalidades. Ou seja, o desenvolvedor é parte do pilar fundamental para o avanço e desenvolvimento de novas tecnologias. Um bom exemplo disso, é a inteligência artificial. Sem os profissionais desenvolvedores, essa tecnologia não existiria. Eles são os responsáveis por pensar, planejar, conceber, testar e melhorar constantemente esse tipo de tecnologia. Afinal, o que faz um desenvolvedor? Conforme já dito, o desenvolvedor é o profissional responsável por criar e melhorar sites, softwares e aplicativos por meio de uma linguagem própria, chamada de linguagem de programação. Dando instruções específicas para o computador por meio dessa linguagem, o desenvolvedor elabora e implementa desde a parte visível do site ou sistema, por exemplo, – aquela em que o usuário interage, chamada de front-end – quanto a parte que não é visível – os códigos do servidor -, conhecida como back-end. O desenvolvedor que trabalha com essas duas vertentes, tanto o front-end quanto o back-end, é conhecido como desenvolvedor full stack. Hoje, existe também o desenvolvedor mobile, responsável por conceber, elaborar e implementar aplicativos de celular. Mercado de trabalho para desenvolvedores Diferente do que se vê nas mais diversas áreas do mercado de trabalho, o setor de tecnologia tem muitas vagas abertas e bastante dificuldade de contratar profissionais, principalmente desenvolvedores juniores. Ou seja, por incrível que pareça, a demanda é muito mais alta do que a quantidade de profissionais capacitados anualmente para os cargos. Isso quer dizer que é uma das profissões mais promissoras para os próximos anos. Um estudo feito pela GeenHunter, uma plataforma de recrutamento para desenvolvedores, indicou que a faixa salarial para esses profissionais (juniores, plenos e seniores) em 2021 é de 4  – 14 mil reais. Uma das melhores na área de Tecnologia da Informação. Outra característica bastante relevante sobre a profissão é a possibilidade de trabalhar remotamente de qualquer lugar do mundo e fazer o seu próprio horário. Sim! Na área de tecnologia, essa já é uma realidade. O profissional trabalha com entregas e prazos e, portanto, pode escolher qual o melhor horário e lugar para trabalhar, desde que entregue o que foi acordado no dia em que foi acordado. Outra particularidade é que não é necessário um curso de graduação. No Brasil, existem cursos menos extensos que formam desenvolvedores. É importante lembrar que apenas a alta demanda e a falta de profissionais não é suficiente para você ter uma carreira de sucesso e ser bem remunerado na área: é preciso ir além. Por isso, separamos algumas dicas para você ter mais facilidade em iniciar na profissão. Como se tornar um desenvolvedor júnior? Confira algumas dicas 1 – Busque conhecer o universo da programação Primeiro de tudo, você tem que estar por dentro da área de tecnologia, principalmente no setor de desenvolvimento e programação. Pesquise sobre a área, converse com outros profissionais, escute podcasts sobre o assunto… Tanto para ter certeza de que você se identifica com esse estilo de profissão, quanto para conhecer e decidir qual enfoque você pretende dar (se quer ser front-end, back-end, full stack ou mobile).  Você precisa descobrir se vai gostar mesmo de programar. É uma profissão que exige dedicação de tempo e muita concentração, por isso, fazer só pela demanda e pelo salário não é uma opção. 2 – Desenvolva o seu raciocínio lógico Das habilidades mais importantes de um desenvolvedor, o raciocínio lógico é a principal delas. Isso porque, o profissional lida diariamente com problemas e equações que precisam ser resolvidas por meio da linguagem da programação. 3 – Tenha a visão do todo Mesmo que você decida se especializar em front-end, back-end, full stack, mobile ou em uma linguagem de programação específica, ter a visão do todo é essencial. Isso fará de você um profissional versátil. Não precisa conhecer a fundo todas as vertentes, mas ter uma noção de todas elas é um excelente caminho. 4 – Mantenha-se atualizado A tecnologia está em constante desenvolvimento e evolução, e os profissionais desenvolvedores também. Por isso, não vai dar para parar no tempo. Tanto antes de iniciar quanto quando você já estiver inserido no setor, precisa sempre se manter atualizado sobre a área. Acompanhar as novas tecnologias, testá-las, buscar a troca de experiências com outros profissionais são atitudes imprescindíveis para se manter evoluindo na área de tecnologia. 5 – Busque a fluência em inglês Por se tratar de uma profissão que possibilita que você trabalhe de qualquer lugar do mundo para qualquer lugar do mundo, é desejável que você desenvolva o seu inglês. Isso porque, ganhar em dólar é muito atrativo e o trabalho remoto em empresas estrangeiras já é uma realidade para muitos desenvolvedores brasileiros. 6 – Capacite-se! Não existe uma receita para alguém se tornar um bom desenvolvedor júnior. É necessário se capacitar. Por isso, buscar um bom curso é a solução. E não precisam ser cursos longos, como já citamos anteriormente. Instituições como o SENAI, identificaram a dificuldade das empresas em contratar desenvolvedores juniores e lançaram cursos excelentes que não só formam esses profissionais mas também preparam-os e os inserem no mercado de trabalho. O DEVInHouse, curso do SENAI, em um período de 9 meses, forma um DEV Junior através de aulas voltadas para as necessidades do mercado e para a experiência prática através de situações reais trazidas por empresas. No curso, o aluno utilizará ferramentas e métodos padrões no mercado de TI, desenvolverá projetos reais, vai vivenciar a cultura da profissão, terá mentorias de desenvolvedores seniores e, claro, tudo isso, tanto na teoria quanto, na prática com a excelência de ensino de costume do SENAI. E o melhor: o aluno tem grandes chances de finalizar o curso já empregado. Tanto porque o SENAI tem um índice de empregabilidade fantástico – 8 em cada 10 alunos dos Cursos Técnicos estão empregados – quanto pela própria estrutura do curso. São 30 vagas de DEVJr disponibilizadas pelas empresas, exclusivamente para os alunos do curso DEVInHouse.

O que faz um Cientista de Dados?
Pós-graduação

O que faz um Cientista de Dados?

08/09/2021 • 3 min de leitura

Um Cientista de Dados trabalha com uma grande quantidade de dados de diferentes tipos, como textos, imagens, vídeos, etc. Assim, as principais funções do cientista de dados são coletar, gerenciar e transformar dados em modelos utilizáveis para retirar apenas as informações relevantes. Ao passo que com essa interpretação é possível fazer a comunicação entre os dados, a qual produz conteúdo de valor para novos produtos. Nesse processo, o profissional dessa nova função faz a junção de Big Data, um grande conjunto de dados que necessita para a sua compreensão, recursos de Inteligência Artificial (IA) e Business Intelligence (BI) para a aplicação estratégica dos conteúdos coletados e filtrados, além de habilidades com programação, estatística e análise de texto. A interpretação dos dados é utilizada na produção e correção de estratégias de empresas e organizações tanto nas áreas Administrativas, Econômicas e de Marketing, entre outras, para atingir e guiar decisões para os mais acertados resultados.   Como se tornar um Cientista de dados? A Ciência de dados, Data Science, consiste na limpeza, preparação e análise de dados para ter insights para corrigir e desenvolver soluções, uma necessidade latente das empresas pela rápida concorrência e grande demanda de informações a serem processadas para tomadas de decisões estratégicas. Bem como, as habilidades para se tornar um profissional dessa área definem-se pelas funções envolvidas na montagem de um sistema de ciência de dados como construção de algoritmos, estruturação de dados, instalação de equipamentos de coleta de dados, análise e estatística, desenvolvimento de sistemas e construção de painéis de controle. Além disso, as equipes de trabalho são formadas em interdisciplinaridade, sendo compostas por estatísticos, matemáticos, os cientistas de dados propriamente e programadores frontend e backend. Todos atuando em conjunto para diminuir a latência entre informações captadas do mundo real e seus impactos nos sistemas. O profissional utiliza meios como computação em nuvem, gerenciamento de informações massivas utilizando softwares como o Apache Hadoop;  no BI e também na IA onde inferências estatísticas e conhecimentos em linguagens como Python e SQL são pertinentes. Desta forma, a área de trabalho de ciência de dados, mesmo sendo nova, é uma demanda em alta para inúmeros setores e profissionais graduados em Administração, Ciências da Computação, Engenharia da Computação e Sistemas da Informação ou mesmo técnicos podem se atualizar nela através de uma pós-graduação em cientista de dados.   Outras funções na área de Ciência de Dados Nesse sentido, cientista de dados com suas expertises e que engloba várias funções, inclusive as listadas abaixo, da Ciências de Dados, existem outras profissões nessa área, como: Engenharia de dados, que extrai os dados, transforma e organiza em pacotes para uma leitura mais tipificada; Engenharia de Machine Learning: torna modelos escaláveis para funcionamento em outras máquinas em sua total funcionalidade, através de arquitetura de dados para otimizar os algoritmos;  Analista de dados: cria relatórios com a transcrição dos dados para os tomadores de decisão das empresas. Portanto, na hora de escolher um curso de pós-graduação em cientista de dados para ser esse profissional altamente requisitado, fique atento! Conte com uma instituição de ensino renomada, com nível de excelência no MEC e docentes que possuem experiência no mercado.  Tudo isso você encontra no SENAI!     Enfim, gostou desse texto? Deixe seu comentário, dúvidas ou sugestões abaixo! Aproveite para compartilhar com outras pessoas que também possam ter interesse. Para mais conteúdos, acesse o nosso blog. Até a próxima! 😉    

Como fazer um currículo perfeito em 6 passos
Mercado de trabalho

Como fazer um currículo perfeito em 6 passos

31/08/2021 • 5 min de leitura

Se você está procurando um novo emprego ou a primeira oportunidade de trabalho, com certeza, precisará atualizar o seu currículo ou fazer um novo. E, nessa hora, podem surgir muitas dúvidas… O que colocar e o que deixar de fora? Devo listar todas as minhas experiências? Qual foto utilizar?  As perguntas são muitas e podem confundir os candidatos. E, embora suas habilidades tenham um peso importante no processo seletivo, um currículo mal elaborado pode ser eliminado logo na primeira fase.  Além disso, outra dúvida bastante comum é não saber como equilibrar as informações e organizar o currículo de uma forma que elas fiquem visualmente atrativas. Por isso, neste conteúdo, além de encontrar as dicas mais básicas para fazer um bom currículo, você também verá um passo a passo para montá-lo no Canva. Vamos lá? 5 dicas de ouro para montar o currículo perfeito 1 – Vá direto ao ponto Um currículo muito longo dificilmente é lido até o final pelo recrutador. Desse modo, seja sucinto, resuma as informações e deixe para detalhar suas experiências durante a entrevista.  Nas suas qualificações, insira o nome da instituição, o curso que você fez e o período de duração, considerando o ano (e mês, quando necessário) de início e de término.  Já nas experiências, além do nome da empresa ou organização que você trabalhou, informe o período e descreva, de forma resumida, as principais atividades que você desempenhou em cada função. 2 – Evite os erros ortográficos e gramaticais  Um dos fatores decisivos para o seu currículo ser aprovado nas seleções prévias feitas pelos profissionais de recursos humanos é a ortografia correta. Afinal, de nada adianta você ter muitas experiências e qualificações se houverem erros de português (seja de ortografia ou digitação). Esse é um fator que fará o seu currículo ser desclassificado logo na primeira etapa de um processo seletivo. Nessas horas, vale a pena pedir ajuda para amigos e familiares que tenham alguma experiência com textos para dar aquela revisada. 3 – Área de atuação Outro detalhe que você precisa ter em mente sobre o seu currículo é a área e a empresa para as quais você está se inscrevendo. Para profissões e cargos mais voltados para a criatividade e comunicação, você pode apostar em cores mais vivas e detalhes. Já em setores mais tradicionais, como engenharia e advocacia, tons mais sóbrios e versões mais ‘cleans’ são mais recomendados. Sempre vale dar aquela visitada no site e nas redes sociais da empresa para entender melhor a forma como ela se comunica. Através disso, dá para ter um parâmetro do que os recrutadores esperam ver. 4 – Personalização Quando estamos em busca de uma oportunidade de trabalho, uma coisa bastante comum é criarmos um currículo padrão e aplicá-lo em todas as vagas disponíveis. Embora isso economize um certo tempo para o candidato, não é a prática mais adequada.  O ideal é analisar cada vaga individualmente e averiguar se o seu currículo está, de fato, correspondente aos requisitos apontados pela empresa. Além disso, é sempre bom mudar o nome do cargo que aparece logo após o seu nome para corresponder exatamente à função anunciada pela empresa. 5 – Foto no currículo? Sim ou não? Não são todas as vagas que exigem foto no currículo. Caso não seja solicitada pela empresa, fica a seu critério inserir a foto ou não. Mas se for colocar, siga essas dicas básicas: – Pose: esqueça aquela pose ou aquela selfie que bombou no seu Instagram. Procure uma foto que mostre bem o seu rosto e enquadrada da cintura para cima.  – Roupas: formal ou mais casual, isso irá depender do cargo pretendido e da empresa, mas, de modo geral, evite estampas muito chamativas. Lembre-se que o foco da foto é o seu rosto! Portanto, é ele que deve se destacar na imagem. – Acessórios: o bom senso é essencial. Jamais utilize uma foto em que você esteja com óculos de sol ou usando adereços chamativos. – Maquiagem: o equilíbrio é a regra fundamental, assim como nos demais itens. Caso utilize maquiagem, opte por tons mais leves e naturais. – Fundo: dê preferência a uma parede branca ou qualquer fundo neutro. É importante que ele não chame mais atenção do que você. Então, o que o meu currículo precisa ter? Depois do seu nome e das informações básicas como telefone (com DDD), e-mail e endereço, você deverá listar suas experiências profissionais (se tiver), suas qualificações, cursos e formações complementares, além dos idiomas que você domina. Não é obrigatório colocar CPF, RG, data de nascimento e estado civil, a não ser que a empresa solicite esses dados na descrição da vaga.   Monte o seu currículo em 6 passos no Canva Depois de seguir as dicas acima, que são mais básicas, porém fundamentais, o próximo passo é encontrar uma maneira de fazer o seu currículo chamar a atenção dentre os demais. É hora de colocar a mão na massa (ou no teclado rs)! 1. Escolha uma plataforma Para currículos mais simples e básicos você pode usar o Word e/ou o Google Docs, que é gratuito, basta você ter uma conta no Google. Também é possível utilizar outro programa de texto de sua preferência.  Nesse exemplo, vamos lhe mostrar como fazer um currículo no Canva. O site é gratuito e oferece diversos templates de currículos prontos, — separados, inclusive, por área de atuação—, que você pode editar e apenas inserir suas informações. Embora exista a versão paga do programa, na versão gratuita já é possível encontrar o necessário para montar um currículo perfeito. Ah! E as dicas foram pensadas para o Canva, mas também podem ser aplicadas em outras plataformas. 2. Selecione as informações Por exemplo, se você estiver se candidatando a uma vaga de desenvolvedor de sistemas, não faz sentido colocar aquele curso de cabeleireiro que você fez em 2002 entre as suas qualificações, não é mesmo? Caso você considere relevante, pode citar as experiências e qualificações não relacionadas à vaga como uma “informação adicional”, durante um momento mais descontraído da entrevista, por exemplo. Isso também vale para aquelas habilidades comportamentais que não estão relacionadas ao cargo que você pretende ocupar. Além de selecionar apenas as experiências profissionais que estão relacionadas a vaga que você está concorrendo, é importante também ficar atento ao tamanho do currículo. Por isso, resuma as informações sempre que possível. É essencial concentrar todas as informações em, no máximo, duas páginas. 3. Formatação Na dúvida, pesquise por modelos prontos e siga aquele que julgar mais adequado ao que você precisa. Para isso, basta ir até o seu buscador (que provavelmente é o Google) e digitar, por exemplo: modelo de currículo para [insira a sua profissão aqui]. Quanto às fontes, prefira sempre Arial ou Times New Roman na cor preta e no tamanho 11. Além do cuidado com a seleção das fontes e o seu tamanho, também é importante equilibrar o espaçamento entre as linhas, tomando cuidado para que ele não falte nem seja excessivo.  Outra dica é: utilize bullet points e linhas para separar e organizar informações. Símbolos como emojis e demais elementos não são uma ideia, nesse caso. ❌🤚 4. Qualificação Inclua sempre o nome da instituição de ensino, além do ano de início e conclusão do curso. Para cursos complementares e com menor tempo de duração, basta informar somente o título do curso e o nome da instituição onde ele foi realizado. 5. Experiência profissional Ao selecionar as experiências que irão para o seu currículo, a regra é a mesma que a utilizada na qualificação. Insira somente aquelas que fazem sentido com a vaga para a qual você está se aplicando. A ordem cronológica das suas experiências é outro ponto importante. Ela deve ser inversa, ou seja, mostrando primeiro a mais recente e, por último, a mais antiga. Isso é essencial para facilitar a visualização por parte do recrutador. 6. Formato do arquivo “Tudo pronto! Agora é só enviar o meu currículo…” Calma aí!  Outro erro bastante comum é o formato utilizado para enviar o currículo. Exporte-o (ou salve) sempre no formato PDF e evite mandar o arquivo original. A impressão de currículos em papel é cada vez menos utilizada, mas se for imprimir, lembre-se de gerar um PDF do arquivo também. Isso evita que a formatação original seja comprometida, o que dá uma aparência de desleixo para o seu CV. Espero que essas dicas lhe ajudem a montar um currículo excelente e que você obtenha muito sucesso na sua busca por emprego. Ficou com alguma dúvida? Tem alguma outra dica que não foi citada aqui? Deixe aqui nos comentários! 😉 O diferencial que seu currículo precisa está aqui! As empresas estão procurando profissionais cada vez mais qualificados para suas equipes. E se você quer ganhar destaque entre os concorrentes e ter uma qualificação profissional amplamente reconhecida no mercado de trabalho, você sempre pode contar com os cursos do SENAI.  Desde a educação técnica até a pós-graduação, cursos nas modalidades presencial, semipresencial e 100% EaD. Venha aprender com quem mais entende da indústria!  

Bacharelado ou Tecnólogo em Engenharia de Automação? Que tipo de formação escolher?
Graduação

Bacharelado ou Tecnólogo em Engenharia de Automação? Que tipo de formação escolher?

27/08/2021 • 4 min de leitura

Desde 2018, a população com Ensino Superior no mercado de trabalho vem aumentando. De acordo com informações do Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (Ipea), são mais de 19 milhões de trabalhadores com Ensino Superior completo ocupando vagas nas empresas.  Nesse sentido, a Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios Contínua (PNAD Contínua), coletada e divulgada pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) ainda demonstrou que o número de trabalhadores sem nenhuma instrução ou com grau de instrução incompleto recuou e que trabalhadores com Ensino Superior completo ultrapassam 50% na força de trabalho das empresas.  Sabendo da importância destes números, a população brasileira vem buscando cada vez mais instrução e um diploma de curso superior. Como já foi abordado aqui no blog, no Brasil, existem 3 tipos diferentes de graduação. Nesta publicação, você vai entender um pouco mais sobre  duas modalidades: bacharelado e tecnólogo. Falaremos de modo geral sobre as duas modalidades, bem como sobre as principais diferenças e semelhanças encontradas nos cursos relacionados à Engenharia de Automação. Vamos lá? Bacharelado e tecnólogo: principais diferenças e semelhanças Ambas as modalidades estão disponíveis de forma presencial e a distância, são reconhecidas pelo MEC e podem ser cursadas em Faculdades, Universidades, Institutos Superiores de Tecnologia e Centros Universitários. Além disso, também possibilitam o ingresso em uma Pós-Graduação.  As principais diferenças entre o bacharelado e o tecnólogo são o tempo de duração e o foco profissional. O bacharelado tem o tempo de duração médio de 4 a 5 anos e possui maior foco no conhecimento teórico, ampla visão da área profissional e disciplinas que permitem exercer diversas funções dentro da área escolhida. Como resultado, não é preciso definir de imediato um departamento específico ou qual especialização deseja fazer na sequência. Em síntese, é uma boa opção para quem tem mais tempo para decidir qual departamento quer trabalhar e qual área de conhecimento gostaria de seguir, além de oferecer uma boa base sólida para construção de carreira. Algumas profissões que exigem diploma de bacharel – Engenheiro; – Médico; – Advogado; – Administrador público. Do contrário, o tecnólogo ou curso superior de tecnologia (CST), foca nas necessidades do mercado de trabalho. É um tipo de formação específica para quem tem ideia de qual área ou departamento profissional deseja seguir e tem menos tempo.  Essa modalidade de  formação superior é ideal para entrar ou seguir no mercado de trabalho e também é indicada para quem já trabalha em um cargo de nível médio e pretende fazer um curso superior para então, assumir novas responsabilidades e conquistar um aumento de salário.  O tecnólogo tem duração média de 2 a 3 anos e, nele, você irá encontrar cursos mais específicos, com maior desdobramento de áreas e conteúdo.  Cursos superiores de tecnologia relacionados à engenharia – Tecnólogo em Automação Industrial; – Curso Superior de Tecnologia em Mecatrônica Industrial; – Tecnólogo em Engenharia de Controle e Automação. Como resultado, os cursos superiores de tecnologia são cada vez mais procurados e, segundo pesquisa da FGV, mais de 90% dos tecnólogos estão empregados e mais de 80% trabalham na sua área de formação. Ainda assim, existem diferenças e particularidades maiores quando falamos sobre cursos de engenharia. Engenharia de Automação: quais são as áreas de atuação?  Bacharelado O Conselho Federal de Engenharia, Arquitetura e Agronomia (CONFEA) e suas esferas estaduais (CREAs), definem e limitam algumas funções para cada tipo de modalidade de formação. Um bacharel em Engenharia de Automação Industrial, em suma, tem a função de desenvolver e criar projetos a partir de necessidades definidas, conceitos, experiências, conhecimento científico e tecnologias disponíveis. Tecnólogo Por outro lado, o Tecnólogo implementa, adapta e mantém o funcionamento deste projeto ou produto final. Da mesma forma que o bacharel, este pode realizar desenhos técnicos, selecionar fornecedores e funcionários, além de realizar a supervisão e fiscalização da manutenção industrial, porém não tem autorização para realizar a assinatura de projetos. Onde os profissionais da engenharia de automação podem trabalhar? Tanto o bacharel quanto o tecnólogo em Engenharia de Automação podem trabalhar em:  – Indústrias que utilizam processos automatizados; – Centros de pesquisa;  – Empresas de automação industrial; – Empresas de desenvolvimento de projetos; – Assistências técnicas. Quais são as principais atividades que os profissionais da engenharia de automação podem realizar? – Proporcionar a melhoria dos sistemas de produção com aplicação de tecnologias; – Operar estes sistemas; – Desenvolver componentes e equipamentos; – Acompanhar o desempenho destes equipamentos; – Supervisionar a manutenção industrial; – Prestar consultoria. Engenharia de Controle e Automação, Mecatrônica Industrial e Automação Industrial: onde cursar? Além da graduação, existem cursos de pós-graduação que complementam a formação e contribuem no desenvolvimento de novas habilidades e competências desejadas e valorizadas pelas empresas. Na Faculdade SENAI, você pode escolher sua formação e participar como protagonista do seu próprio aprendizado. Três mantras regem os cursos de Engenharia oferecidos:  – Mão na massa;  – Aprendizagem baseada em projetos;  – Projects all the time. O foco da Faculdade SENAI é desenvolver projetos na prática, ao mesmo tempo levando em conta as necessidades da comunidade e indústria local. É o estudante que pesquisa e desenvolve suas ideias com o apoio de professores especialistas que agem como facilitadores nesse processo.  Venha aprender com quem mais entende da indústria! Com o mecanismo de projetos integradores, o aluno cresce como profissional, mesmo dentro da faculdade. A Faculdade SENAI forma Engenheiros para a vida. Nos cursos de Engenharia de Controle e Automação, Mecatrônica Industrial e Automação Industrial, o aluno conta com infraestrutura de ponta e laboratórios avançados. Dessa forma, as aulas de robótica, acionamento eletromagnético, sistemas supervisórios, instalações elétricas, entre outras, são realizadas com equipamentos e sistemas totalmente inovadores. Todas as aulas no estilo #HandsOnNaVeia. Quer se preparar para o mercado de trabalho e aprender com quem mais entende de indústria? Conheça os cursos de graduação e pós-graduação da Faculdade SENAI.