Metodologias ativas: mais protagonismo e autonomia para os estudantes
Ensino Básico

Metodologias ativas: mais protagonismo e autonomia para os estudantes

4 meses atrás • 4 min de leitura

As metodologias ativas fazem parte do contexto de instituições educacionais que estão atentas às mudanças na educação. Os métodos tradicionais, nos quais o conhecimento é transmitido unicamente pelo professor, já não fazem mais sentido em uma sociedade superconectada e cada vez mais desafiadora para os jovens. Se você quer entender mais sobre os principais conceitos e práticas das metodologias que estão transformando o ambiente educacional, acompanhe este artigo! O que são metodologias ativas? A metodologia ativa é um processo amplo e envolve diferentes práticas em sala de aula, visando desenvolver a autonomia e protagonismo do estudante em sua trajetória educativa. Nesse contexto, os alunos passam a ter um papel ativo no processo de ensino-aprendizagem, enquanto os professores atuam como mentores constantes e atentos aos caminhos que os jovens escolhem trilhar. Hoje, os estudantes precisam ser preparados para enfrentar as diversas situações da vida, adquirindo, desde cedo, competências e habilidades sociais, pessoais e tecnológicas. A escola tradicional, muitas vezes, não permite isso: ela ensina e avalia a todos igualmente, exigindo resultados padronizados e ignorando a era da informação em que vivemos. Na metodologia ativa, os alunos deixam de apenas receber o conteúdo passivamente, em aulas expositivas, e começam a fazer parte da construção do conhecimento. Para aprender a cozinhar, por exemplo, não basta receber a receita - é preciso fazer, botar a mão na massa e experimentar - e é essa a proposta dessas práticas pedagógicas. Características das metodologias ativas  Aprendizado a partir de situações e problemas reais;  Estudante como protagonista de seu processo de aprendizagem;  Professor como guia/orientador;  Ambiente físico das salas de aula é mais aberto, integrando lazer e estudo. Técnicas de metodologias ativas - Projetos práticos e hands-on; - Debates e discussões em grupo; - Estudos de caso; - Pesquisas de campo e trabalhos investigativos; - Jogos e brincadeiras; - Uso de tecnologia, como programação e robótica. 5 exemplos de metodologias ativas A seguir, destacamos exemplos de abordagens, práticas e movimentos baseados no conceito de metodologias ativas: 1. STEAM STEAM é um acrônimo em inglês para ciência, tecnologia, engenharia, artes e matemática. A proposta dessa abordagem é integrar os conhecimentos de todas essas áreas, de forma a preparar os estudantes para os desafios da vida e do futuro. A abordagem STEAM é considerada integrada e baseada em projetos, uma vez que a construção de protótipos, solução de problema e outras criações com o uso de programação e robótica, por exemplo, fazem parte da aprendizagem. A adoção da STEAM nas escolas desperta proatividade, inovação, empatia, criatividade e desenvolve conhecimentos, habilidades e atitudes para que os alunos formem-se como verdadeiros cidadãos. Todo esse contexto deriva da aprendizagem maker. Entenda a seguir. 2. Aprendizagem Maker O movimento Maker desafia as pessoas a criarem objetos, ferramentas e soluções para problemas reais do cotidiano com as próprias mãos. Na educação, ele entende os estudantes como seres pensantes e criativos, que devem ser preparados para agir com autonomia, em atividades individuais e coletivas, e ter a preocupação e o compromisso de mudar a realidade em que estão inseridos. Além de reconhecer e explorar o potencial de um mundo organizado em rede, a perspectiva Maker responde às necessidades de um futuro em plena transformação, tanto do ponto de vista das relações pessoais como coletivas. Na Escola S, a rede educacional do SESI SENAI, os estudantes têm acesso ao Espaço Maker, um ambiente com equipamentos que vão dos mais simples aos mais sofisticados - como arduinos, raspberry pi, drones, impressoras 3D e placas eletrônicas. 3. Aprendizagem baseada em problemas Aprendizagem baseada em problemas, ou ABP, é uma abordagem em que o estudante aprende através da resolução de situações e conflitos. Aqui, a proposta é construir conhecimento utilizando de recursos como debates e discussões em grupo, o que estimula o trabalho em equipe e a promoção da interdisciplinaridade. 4. Ensino híbrido O ensino híbrido, ou blended learning, é um modelo de educação no qual o estudante aprende parte por meio do ensino online, controlando seu ritmo de estudo, tempo e lugar, e parte em um espaço físico, com supervisão de um professor, por exemplo. A Escola S, inclusive, utiliza essa metodologia e alia as atividades presenciais e virtuais, a partir de tecnologias educacionais como Google for Education, Meet, Geekie One e até WhatsApp e Telegram. Essa abordagem fez enorme diferença no enfrentamento da pandemia do coronavírus e na promoção de aulas de qualidade, mesmo durante a crise sanitária. 5. Gamificação A gamificação é uma abordagem onde os jogos e as aulas preparadas com linguagem de jogos surgem e engajam ainda mais os estudantes. Desafios, competições e recompensas já fazem parte, na maioria das vezes, do dia a dia desses alunos, e trazer isso para a sala de aula permite estimular ainda mais o aprendizado. Viu só como as metodologias ativas ajudam a desenvolver competências importantes e pensamento crítico nos estudantes? O intuito é deixá-los cada vez mais preparados para o futuro e para a vida, proporcionando práticas pedagógicas que os ajudem a enfrentar situações complexas com naturalidade. Vantagens das metodologias ativas Aplicar as práticas das metodologias ativas em sala de aula traz muitos benefícios, tanto para os estudantes, quanto para os professores. Confira: - Protagonismo e autonomia: nessa proposta, o processo de ensino-aprendizagem é pautado no estudante, e é ele o responsável pela construção do conhecimento. - Mais engajamento e motivação: as aulas são dinâmicas e divertidas, fazendo com que os jovens sejam muito mais participativos. - Desenvolvimento soft skills: com essas práticas, não só as competências cognitivas (como memória, atenção, habilidades motoras) são desenvolvidas, como também as socioemocionais, a exemplo da cooperação, flexibilidade e liderança. - Mais confiança e segurança: a partir desses modelos, o estudante prepara-se não apenas para o vestibular, mas também para o mercado de trabalho, enfrentando situações adversas da vida com mais facilidade. Gostou? Se você quer ver como as metodologias ativas estão transformando os estudantes na prática, que tal conhecer a Escola S? Lá, nossos alunos são preparados para o futuro e para vida, em uma escola superconectada e com propostas pedagógicas singulares.  Conheça a Escola S 

SESI SENAI oferece apoio psicossocial aos estudantes do Ensino Médio
Ensino Médio

SESI SENAI oferece apoio psicossocial aos estudantes do Ensino Médio

5 meses atrás • 3 min de leitura

Em tempos de pandemia, os estudantes do terceiro ano do Ensino Médio também precisam se preocupar com provas, vestibulares e ENEM. Pensando nisso, o SENAI Lages lançou um novo projeto direcionado aos jovens, visando oferecer apoio psicossocial individualizado.  Por meio de ligações telefônicas quinzenais, a área de psicologia da instituição entra em contato com os estudantes, e procura compreender como está sendo a rotina deles neste período de quarentena. Para lançar o projeto, a unidade realizou uma live e contou com a participação da psicóloga Danielle Sobotca, da orientadora do Ensino Médio Maira Ribas e do professor Edenir Espíndula.  A seguir, você confere as principais informações do evento e entende como funciona o projeto. Desafios do ensino à distância para os estudantes Para os alunos do terceiro ano do Ensino Médio, a pandemia chegou como um balde de água fria. A psicóloga Danielle Sobotca comenta: "Vocês iniciaram esse ano com planos, com objetivos e ideias de como seria o tão esperado terceirão e, de repente, chegou o coronavírus". A ansiedade, o medo e as frustrações já seriam comuns nessa época da vida dos jovens e, com a crise atual, podem acabar sendo potencializadas. Além do estresse gerado por conta das provas de universidades e das decisões a serem tomadas com relação à carreira, os estudantes também relatam as dificuldades de focar nos estudos em casa e nos conflitos que acabam surgindo com a família. Por tudo isso, o SESI SENAI organizou um encontro online para conversar sobre todas essas emoções de forma descontraída, e entender um pouco mais sobre como é possível lidar com elas. Entenda a seguir! Como lidar com as emoções no período de quarentena? O primeiro passo, de acordo com a profissional Danielle, é entender se a sua ansiedade está acima do normal.  E como saber se a situação está fora do controle? Bem, quando isso está atrapalhando a sua vida de alguma forma, explica a psicóloga. Ela diz: "Será que você está dormindo demais, ou de menos? Está comendo muito... ou pouco? Está com dificuldades nas relações em casa?" - esses pontos podem ser sinais de que os sentimentos estão interferindo e é hora de refletir. Quando você se der conta dessas emoções, siga alguns conselhos para lidar com elas: Tenha paciência com você: é completamente normal estar ansioso nesse momento. Permita-se sentir suas emoções!Filtre as informações: devido aos estudos, você precisa estar em contato com novas informações a todo momento. Mas procure focar também em conteúdos positivos, pois o excesso de notícias ruins tende a tirar o seu controle, e é aí que vem a ansiedade. Mantenha uma rotina: dessa forma, você retoma a sensação de controle. Acorde nos mesmos horários, estude, pare para fazer refeições e tenha momentos de lazer. Ademais, o professor Edenir comenta: "Em todos os momentos da vida nós precisamos de resiliência… Mas agora, precisamos dela mais do que nunca!". E ele complementa:  "Vocês são capazes, vocês são feras, vocês arrebentam com tudo. Eu conheço cada um de vocês, e eu sei da capacidade que existe em vocês." Os profissionais também ressaltam os aprendizados que podemos tirar de toda a situação. Para eles, as crises são uma oportunidade de desenvolvimento, e essa também tem vantagens, como:  Consciência social: estamos conversando a todo momento sobre como nossas ações impactam na vida do outro e no quanto as ações do outro vão impactar em nossa vida. Agora, mais do que nunca, é preciso pensar no bem-estar comum.  Valorização da ciência: com a busca pela vacina contra o coronavírus e os tratamentos, estamos entendendo a importância dos estudos científicos, da comunidade médica e de outros inúmeros profissionais.Controle emocional: com a pausa, temos a oportunidade de olhar mais para nós mesmos, parar para entender as nossas relações e a nossa vida. Assim, fica mais leve enfrentar a quarentena e focar nos estudos para os vestibulares. Juntos, mesmo a distância, poderemos criar uma rede de apoio entre as famílias e a escola. Sobre o projeto de apoio psicossocial O projeto de apoio psicossocial aos estudantes do Ensino Médio do SESI SENAI Lages começou em maio e, inicialmente, destina-se a cerca de 50 alunos do terceiro ano.  Nas ligações, a psicóloga procura entender se eles estão conseguindo se adaptar à nova rotina, e se estão vivenciando alguma dificuldade, como ansiedade, angústia e problemas de alimentação ou sono. A partir dessas informações, são elaboradas ações de apoio aos jovens, como o envio de materiais para leitura, tarefas envolvendo mudanças de comportamento e reflexões sobre o problema enfrentado por eles. O contato é feito quinzenalmente com grande parte dos estudantes, mas, em alguns casos pontuais, a conversa é realizada semanalmente. Embora o projeto não possa abranger a todos nesse começo, ele é fundamental para fortalecer a rede de apoio dos estudantes.  Para finalizar, fica aqui o recado aos estudantes: nosso canal está aberto e à disposição de vocês, assim como os profissionais de psicologia e os orientadores educacionais, caso sintam necessidade. Seguimos todos juntos, mesmo a distância. Bons estudos e cuidem da saúde física e mental!

Conheça 3 tipos de graduação no Brasil e seus benefícios
Graduação

Conheça 3 tipos de graduação no Brasil e seus benefícios

7 meses atrás • 3 min de leitura

Você conhece os tipos de graduação no Brasil e as oportunidades que ela pode trazer em tempos de crise? Diante da pandemia, a economia brasileira vem sofrendo ainda mais com a recessão. De acordo com as previsões do Fundo Monetário Internacional (FMI), nosso cenário econômico deve sofrer uma queda de 5,3% em 2020, o que certamente afetará o mercado de trabalho de forma negativa. Mas será que existem oportunidades a serem exploradas neste cenário? O que os profissionais podem fazer para continuar no mercado diante de tantas transformações? A seguir,  apresentamos os tipos de graduação existentes no Brasil e exploramos a sua estreita relação com a empregabilidade em tempos de crise. Acompanhe: Modalidades Para se obter um diploma de curso superior no Brasil, você pode optar entre 3 modalidades: o bacharelado, a licenciatura ou o tecnólogo. Dependendo do seu estágio de conhecimento e objetivos de carreira, cada uma exerce uma função e conta com um determinado tempo de duração. Sendo assim, é importante atentar-se ao tipo de graduação antes de escolher o seu curso, pois assim ele será condizente com o desenvolvimento da sua carreira. Entenda a seguir:  Bacharelado Se você ainda não conhece o mercado de trabalho na área escolhida ou está em dúvidas sobre o que fazer, o bacharelado pode ser a sua opção. Isso porque em um curso desse tipo, é possível aprender sobre a futura profissão de forma ampla, conhecendo todos os percursos pelos quais você poderá atuar. Depois, ainda existe a alternativa de se especializar em um assunto específico, por meio da pós-graduação. Aqui, os cursos têm duração aproximada de 4 a 6 anos. Licenciatura A licenciatura é para quem deseja ministrar aulas dentro da área de formação. Durante o curso, você terá carga horária considerável com matérias de cunho pedagógico. Em sua maioria, esse tipo de graduação dura de 3 a 4 anos. Tecnólogo Se você já fez um curso técnico ou tem experiência dentro da área de atuação escolhida, o curso tecnólogo pode ser a sua alternativa. Embora muita gente confunda o tecnólogo com o técnico, as duas titulações têm diferenças. No tecnólogo, o estudante precisa ter concluído o Ensino Médio e fazer o vestibular - assim como nas demais graduações, pois ele é, propriamente, um curso superior. Neste tipo de graduação, o conhecimento é mais aprofundado, mas também focado na profissão que você escolheu. Por isso, a duração costuma ser mais curta que o bacharelado e a licenciatura, ficando entre 2 e 3 anos. A graduação e a empregabilidade De acordo com uma pesquisa do Instituto SEMESP¹, existe uma relação muito próxima entre a educação e a empregabilidade. Isso quer dizer que, quanto maior o nível de escolaridade do trabalhador, menor é a chance dele ser afetado em tempos de crise no mercado, como agora na pandemia. Entenda a seguir: Demanda por mão de obra qualificada Com a crescente transformação da indústria e suas tecnologias, é preciso que existam profissionais com qualificação adequada para o exercício das funções. E, quanto maior a complexidade dos trabalhos, maior é a capacitação exigida e, por consequência, maior é a dificuldade de encontrar pessoas qualificadas.  Na graduação, o estudante consegue obter um conhecimento aprofundado e com base científica. É nela que o acadêmico obtém habilitação para gerir e desenvolver projetos complexos e, assim, atender às demandas desse tipo no mercado. Salários podem triplicar para quem tem ensino superior Além disso, os graduados têm a possibilidade de ingressar em profissões que exigem maior qualificação e aperfeiçoamento e, portanto, maiores salários. Segundo pesquisa divulgada pelo IBGE em 2018, a renda de quem concluiu o ensino superior é praticamente o triplo daqueles que têm apenas o ensino médio². O piso salarial de engenheiros em Santa Catarina, por exemplo, é de 8,50 salários mínimos para 8h de dedicação diária, conforme a Lei 4.950-A/66 de 22 de abril de 1966. E aí, conseguiu ter uma visão geral sobre as graduações no Brasil? Neste momento de crise, é essencial procurar se reinventar e obter uma capacitação que atenda às exigências que o mercado propõe. E a Faculdade SENAI pode te ajudar com isso! Saiba como: CONHEÇA A FACULDADE SENAI

Aulas online fortalecem a educação inclusiva no ensino de jovens e adultos
Educação de Jovens e Adultos

Aulas online fortalecem a educação inclusiva no ensino de jovens e adultos

7 meses atrás • 4 min de leitura

No SESI, a educação inclusiva é um processo livre de preconceitos, onde as diferenças são reconhecidas e valorizadas, estimulando a participação de todos e ampliando a visão de mundo de crianças, jovens e adultos.  Durante a pandemia, nossas aulas foram adaptadas para o ensino não-presencial, utilizando recursos tecnológicos e novas metodologias. E, mesmo com desafios, nossos estudantes e professores estão mais engajados do que nunca. Nos últimos dias, eles participaram, inclusive, de atividades da educação continuada a distância. Nelas, aprimoram comportamentos preventivos, de autocuidado e saúde neste momento tão delicado. A seguir, entenda como o curso "Transição para a vida ativa" aconteceu no SESI São José e quais foram seus resultados para a nossa comunidade interna e externa. Educação inclusiva e continuada: curso "Transição para a vida ativa" O curso Transição para a Vida Ativa é direcionado para jovens e adultos com deficiência, e tem por objetivo desenvolver habilidades e competências para a vida diária independente, autônoma e consciente. Nele, os professores buscam desenvolver a percepção de responsabilidade dos alunos, também com foco para o mercado de trabalho. O conteúdo ajuda a preparar os estudantes com deficiência intelectual para uma transição da escola para a vida em sociedade ou atuação profissional.  Na unidade curricular "Qualidade de Vida", as professoras Ana Paula Saldanha de Matos e Lisandra Martins dos Santos elaboraram uma aula tendo o pentáculo do bem-estar como base. Foto: SESI São José As turmas do SESI São José realizaram atividades físicas, meditação, massagem em dupla, sugeriram filmes, aprenderam a fazer chamada de vídeo no WhatsApp com mais de duas pessoas e compartilharam receitas feitas em família. Segundo as docentes, a qualidade de vida é fundamental no contexto de inclusão dos jovens e adultos. Desafios da educação inclusiva a distância Devido à pandemia, a aula aconteceu por chamada de vídeo no WhatsApp, e este canal foi cuidadosamente preparado e testado pelas docentes. De acordo com a Profa. Ana, "a experiência online é desafiadora, é algo novo, porque alguns estudantes não têm um domínio completo das ferramentas tecnológicas". O ensino a distância pode ser um desafio para todos, mas as professoras conseguiram ver uma participação ativa das turmas e de seus familiares. É a primeira vez que elas aplicam o módulo "Qualidade de Vida", e, embora inédito, ele está sendo online. Foto: SESI São José Os relatos são positivos, e tudo isso se deve, segundo elas, ao apoio que os pais e responsáveis dão aos estudantes e à vontade de aprender que eles demonstram: "Neste modelo a distância, as famílias puderam conhecer de perto o nosso trabalho. Estamos abertas às críticas e sugestões que apontem caminhos para o nosso aprimoramento profissional, a fim de alcançar nosso objetivo, que é contribuir para o desenvolvimento pessoal, social e profissional dos nossos estudantes", ressalta Lisandra. A pedagoga Ana ainda relata: "A gente nota que eles sentem muita falta desse contato presencial, da troca tanto conosco quanto com os colegas. Para eles, a atividade no SESI é muito mais do que educacional, é um espaço de convívio social onde eles têm vínculos muito fortes". Dessa forma, as aulas online estão sendo um meio de amenizar essa situação, ainda mais com atividades que estimulam novos hábitos para uma melhor qualidade de vida.  Hábitos saudáveis para uma melhor qualidade de vida A partir deste ano, a atividade física passou a fazer parte da rotina escolar, conta a Profa. Lisandra. Antes do isolamento, os estudantes já realizavam caminhadas, séries de alongamento e de circuito funcional. Eventualmente, também eram propostas massagens em dupla e aulas de relaxamento. Dessa forma, eles já estavam habituados às práticas e já se conheciam, o que facilitou a condução das aulas pelo meio digital. O módulo ainda se encontrou com as necessidades desse momento crítico na saúde, pois envolveu os estudantes em um olhar de autocuidado e comportamento preventivo. Além disso, as vivências propostas estavam ao alcance deles, como ingestão de água, banho de sol, alimentação saudável e exercício físico.  Na autoavaliação, os estudantes relataram os novos hábitos para quais foram despertados, como meditar, ajudar mais nas tarefas de casa,  observar e cuidar da postura, dormir melhor e rir mais. Para a Profa. Ana, o mais valioso disso tudo é a vontade de aprender que os jovens demonstram: "Existe um desejo muito grande por parte deles, de envolvimento no processo de aprendizagem online, nessa troca constante". E a Profa. Lisandra completa: "Para a maioria deles, o uso da tecnologia é atrativo. Foi encantador o envolvimento dos estudantes e somos gratas às famílias que os apoiaram, tornando possível o desenvolvimento do curso. É gratificante poder contribuir para a aquisição de hábitos saudáveis e trazer informações úteis para que cuidem do seu bem mais precioso - a vida!" Entenda mais sobre a educação inclusiva no SESI  A educação inclusiva é um processo educativo onde todas as crianças são educadas sob um mesmo contexto escolar. No SESI Santa Catarina, ela é entendida também como um processo social para as pessoas portadoras de necessidades especiais e de distúrbios de aprendizagem. Embora a educação inclusiva seja um direito fundamental garantido por lei, a realidade tem se mostrado diferente: de acordo com um levantamento de 2019 da Campanha Nacional pelo Direito à Educação divulgado pelo Jornal da USP, apenas 40,4% das crianças portadoras de necessidades especiais de 4 a 17 anos tinham atendimento especializado em 2018.  Com uma estrutura física adequada, suporte tecnológico compatível com o processo de comunicação e equipe altamente qualificada, nossos cursos contam com metodologia e recursos adequados para atender aos vários tipos de deficiência, seja ela visual, auditiva, motora ou intelectual. E, mesmo com a pandemia do novo coronavírus, nossas aulas continuam acontecendo com êxito, proporcionando o convívio social e o aprendizado contínuo para os nossos estudantes. Quer conhecer nossas escolas de educação inclusiva? Então, acesse o site: [ESCOLAS DE EDUCAÇÃO INCLUSIVA] 

Pensa em estudar engenharia na Europa? O SESI te ajuda!
Ensino Médio

Pensa em estudar engenharia na Europa? O SESI te ajuda!

7 meses atrás • 3 min de leitura

Você sabia que a Faculdade de Ciências e Tecnologia (FCT) da Universidade Nova de Lisboa tem parceria firmada com o SESI? O intuito é facilitar o seu acesso aos cursos dessa renomada instituição europeia. Com a cooperação, os nossos estudantes e egressos podem entrar na FCT com a nota do ENEM e uma carta de recomendação, sem a necessidade de provas adicionais. Quer entender melhor sobre essa oportunidade única? Então acompanhe a matéria a seguir. Benefícios de estudar na FCT A Faculdade de Ciências e Tecnologia faz parte da Universidade Nova de Lisboa e tem total alinhamento com as premissas da rede SESI SENAI, como por exemplo a alta taxa de empregabilidade de seus cursos. Com um ambiente propício para o bom relacionamento entre estudantes e professores, metodologias que propiciam grande atividade de investigação e um perfil curricular com competências complementares voltadas para o mercado de trabalho, a FCT consegue ter uma média de empregabilidade superior à nacional. A faculdade também conta com o selo da A3ES, a Agência de Avaliação e Acreditação do Ensino Superior. Os cursos de engenharia têm ainda a Marca de Qualidade EUR-ACE® e o reconhecimento da Ordem dos Engenheiros e da ENAEE (European Network for Accreditation of Engineering Education). Além disso, a produção científica da FCT é 35% mais alta que a média mundial, o que proporciona alianças com universidades conceituadas da Europa e dos EUA, como MIT, CMU e Universidade do Texas. Tudo isso torna a escola uma das três maiores de Portugal, com 8.000 estudantes, distribuídos em cursos de licenciatura, mestrado e doutorado. De brinde, a estrutura do campus promove acessibilidade e não te deixa com saudades do litoral catarinense, pois fica bem próxima da praia. Engenharia e mestrado em apenas 5 anos: é possível? Em Portugal, o Ensino Superior é dividido em ciclos: licenciatura (correspondente aos cursos de graduação do Brasil), mestrado ou pós-graduação e doutoramento. A Faculdade de Tecnologia e Ciências da UNL propõe não só cursos de licenciatura, mas também de mestrados integrados. Neles, o estudante pode obter o grau de licenciado em 3 anos e, com mais 2 anos de dedicação, conseguir o grau de mestre. Entenda na imagem a seguir: [caption id="attachment_444" align="aligncenter" width="300"] Foto: Reprodução / FCT[/caption] As opções de cursos de licenciatura em 3 anos são: - Biologia Celular e Molecular - Bioquímica - Conservação-Restauro - Engenharia Geológica - Matemática - Matemática Aplicada à Gestão do Risco - Química Aplicada E para o mestrado integrado em 5 anos, você pode escolher entre as seguintes opções: - Engenharia do Ambiente - Engenharia Biomédica - Engenharia Civil - Engenharia Electrotécnica e de Computadores - Engenharia Física - Engenharia e Gestão Industrial - Engenharia Informática - Engenharia de Materiais - Engenharia Mecânica - Engenharia de Micro e Nanotecnologias - Engenharia Química e Bioquímica Quer entender os detalhes de cada curso? Acesse o site da FCT aqui! Videoconferências para conhecer a FCT e tirar suas dúvidas Para ajudar os estudantes e egressos que desejam entender o passo a passo de como efetuar o ingresso na FCT, a universidade fará uma Feira Virtual. Ela acontecerá nos dias 4 e 5 de Junho e tem o intuito de apresentar os cursos de licenciatura e mestrado integrado para os potenciais estudantes e seus familiares. A videoconferência será online e gratuita, e contará com a participação de docentes, coordenadores, alunos e investigadores da escola portuguesa. Para garantir o seu acesso, efetue sua inscrição aqui. Gostou? Mostre para seus amigos, coloque na agenda e participe! Em caso de dúvidas ou sugestões, fique à vontade para comentar aqui embaixo.

3 lives para atualizar alunos e professores que estão em casa
Ensino Básico

3 lives para atualizar alunos e professores que estão em casa

7 meses atrás • 3 min de leitura

Durante o período de isolamento, as lives ganharam cada vez mais espaço na web e, inclusive, ajudaram a construir um contato mais humanizado entre as pessoas. Dessa forma, elas se tornaram também ótimos canais de comunicação entre alunos e professores, uma vez que conseguem promover maior interatividade e acontecem em tempo real. Aqui na rede SESI SENAI, nossos docentes e estudantes também se mobilizaram para apresentar e participar de diversas transmissões ao vivo voltadas para a educação, seja pelo Youtube Live, Facebook ou Instagram. Quer descobrir mais detalhes desses eventos online? Então continue lendo o texto a seguir: Live 1: "Evoluindo - As Várias Perspectivas do Coronavírus" A série de conteúdos "Evoluindo" é uma iniciativa do Ensino Médio do SESI SENAI, e tem como objetivo ajudar a alavancar os conhecimentos dos estudantes sobre assuntos da atualidade. Nela, os professores promovem ações para discutir e analisar os temas em voga e relacioná-los às várias áreas do conhecimento (Biologia, Química, Física, Estatística e outros), gerando a interdisciplinaridade característica de nosso ensino. Na Live "As Várias Perspectivas do Coronavírus", seis docentes do SESI Criciúma debateram sobre a pandemia e cada um deu sua contribuição para o tema, incentivando os alunos a relacionar as informações e, assim, compreender melhor o momento em que estamos vivendo. Um dos participantes fez questão de parabenizar todos os professores ao final da live. Ele ressaltou a informação passada por diversas áreas, como "as taxas e índices com a Diana, a parte biológica de como o vírus nos afeta com o Heitor, a parte química e os testes com o Tiago, toda a questão tecnológica e de inovação com o Filipe, a parte física da transmissão com a Gabi e também a da Aline, falando de como isso pode cair nos próximos vestibulares", comenta. Live 2: "Revisão de temas para o ENEM" Os professores do SESI SENAI de Lages também entraram na onda das lives e deram um aulão ao vivo para o ENEM 2020. Com muito entusiasmo, eles explicaram que essa foi a forma de manter a aproximação com os alunos e levar saúde para todos. Quem começa a apresentação é o professor Ozzy, de Química, que dá dicas e macetes para resolver questões sobre o sódio, tema recorrente na mídia. Em seguida, a professora Deise revisa temas importantes da Matemática, como razão e proporção, geometria, estatística e probabilidade. Logo depois, o professor Alex, de História, é quem segue a aula. Ele destaca como o ENEM está sofrendo mudanças e deixando as questões de Humanas cada vez mais interdisciplinares. Ainda, o professor Elton de Geografia, a professora Luana de Português e o professor Edenir de Sociologia e Filosofia continuam as orientações para a prova nacional e finalizam a aula online. Os docentes ressaltam a importância da utilização efetiva das plataformas de educação a distância. Para eles, é essencial que o estudante faça as atividades, assista às videoaulas, tire dúvidas e estude os materiais disponíveis. Assim, com a colaboração de todos, será possível fazer a diferença no ensino não-presencial e levar qualidade para a sua casa. Live 3: "NR's e Boas Práticas de SST na pandemia" Na primeira live dos diálogos setoriais do SESI SENAI de São Bento do Sul, os profissionais de Saúde e Segurança do Trabalho da instituição debateram sobre o momento instável em que vivemos e a relação da área com a pandemia. Eles falaram a respeito das boas práticas que devem ser priorizadas no cenário pós-crise e também discutiram acerca das Normas Regulamentadoras (NR's) em tempos de Covid-19. Os especialistas que participaram da transmissão ao vivo foram Evaristo Miguel Blaskovski, engenheiro de segurança do trabalho, e José Almir de Lima, técnico em segurança do trabalho. Ao todo, foram mais de 40 pessoas simultâneas na live, e a gravação já está disponível para visualização por este link. Gostou? Para ficar por dentro de todas as lives que estão acontecendo na rede SESI SENAI, siga nossas páginas nas redes sociais e inscreva-se em nosso canal do Youtube!

Copa Brasil de Matemática Manga High: alunos SESI SENAI são destaque
Ensino Médio

Copa Brasil de Matemática Manga High: alunos SESI SENAI são destaque

8 meses atrás • 2 min de leitura

Você conhece a Copa Brasil de Matemática promovida pela Manga High? No início deste mês, mais de 2,2 mil estudantes da rede SESI SENAI participaram da 6a edição da competição. Os estudantes dos ensinos médio e fundamental competiram, entre os dias 4 e 8 de maio, de forma 100% online. E nossos alunos tiveram várias vitórias! Quer saber mais? Acompanhe a matéria a seguir: Manga High e a aprendizagem baseada em games A Manga High é uma plataforma educacional de origem britânica, com ambiente de aprendizagem colaborativa e conteúdos em formato de quizzes e games inovadores. Com eles, os alunos conseguem dinamizar os estudos e engajar-se no domínio da matemática e do coding. Todos os desafios da Manga High são alinhados à Base Nacional Comum Curricular (BNCC), e conseguem harmonizar a pedagogia com o aprendizado lúdico. Neste momento de pandemia, a plataforma tem papel ainda maior: incentivar e motivar os jovens a continuar estudando e se divertindo em casa, por meio da gamificação. E foi essa a iniciativa da 6a. Copa Brasil de Matemática Manga High, o torneio online disputado por alunos das redes de escolas públicas e particulares.  Desafios matemáticos e o Ensino SESI SENAI A competição também premiou os alunos e escolas que conseguiram alcançar as melhores pontuações. A escola SESI SENAI de Joinville, por exemplo, conquistou o terceiro melhor lugar do país, e a de Concórdia, a sétima colocação e o maior número de medalhas de ouro e geral. Além disso, a escola SESI SENAI de Florianópolis teve seus três primeiros estudantes como recordistas de pontos da competição entre as unidades da rede. Para o diretor de tecnologia e educação da FIESC, Fabrizio Machado Pereira, "São números realmente impressionantes e que mostram um grande engajamento e comprometimento dos nossos estudantes, orientados por nossos docentes de matemática. No total, tivemos quase dez mil horas de atividades de matemática realizadas e conquistamos 270 medalhas”. Registramos aqui os nossos sinceros parabéns a todos os docentes da rede SESI SENAI pela dedicação e resultados impressionantes. O trabalho de vocês é essencial para preparar os jovens ao mercado de trabalho e garantir que o momento de estudo seja descomplicado, divertido e alinhado ao currículo escolar.  Bônus: Atividades de matemática Você sabia que a matemática é, inclusive, uma das áreas trabalhadas na abordagem STEAM, trabalhada nas escolas do SESI e do SENAI? A sigla, que vem do acrônimo em inglês para as palavras Science, Technology, Engineering, Art-Design e Mathematics, significa Ciência, Tecnologia, Engenharia, Artes e Matemática, e é baseada em projetos que integram todas essas áreas de conhecimento.  O objetivo da metodologia STEAM é formar nossos alunos com uma bagagem integrada de conhecimentos, desenvolvendo valores em conjunto com o conteúdo e preparando-os para os desafios do futuro do trabalho. Com o uso do ensino STEAM, os estudantes são capazes de experimentar e vivenciar o pensamento crítico e científico de forma reflexiva, seja por meio de games, como os do Manga High, ou projetos interdisciplinares. E as atividades de matemática que prepararam nossos alunos para a Copa Brasil já estão disponíveis para os estudantes! Nos games da Mangahigh temos jogos focados na Aritmética, Álgebra, Geometria, Estatística e Probabilidade, além de situações-problema para você resolver. Conheça mais desafios na Revista Você Maker: CLIQUE AQUI PARA ACESSAR A REVISTA

Docente do SESI SENAI apresenta trabalho na EDUCON 2020
Ensino Básico

Docente do SESI SENAI apresenta trabalho na EDUCON 2020

8 meses atrás • 2 min de leitura

A edição de 2020 da EDUCON, a Conferência Global de Educação em Engenharia da IEEE, aconteceu entre os últimos dias 28 e 30 de abril. O congresso é organizado pelo Instituto Politécnico do Porto, pela Universidade do Porto e também pela Universidade de Coimbra. Ele estava programado para acontecer  presencialmente na cidade de Porto, em Portugal, mas acabou acontecendo de forma virtual, devido à pandemia do novo coronavírus. A temática deste ano foi "Educação em engenharia para o futuro em um mundo multicultural e inteligente".  Nossa instituição foi representada no evento pela professora Isabela Nardi da Silva, de Criciúma, que leciona Games e Animações no contraturno do SESI SENAI, e Web Design nos clubes do Ensino Médio. A docente apresentou o trabalho intitulado "Collaborative virtual community to share class plans for STEAM education" (Comunidade virtual colaborativa para compartilhamento de planos de aula para educação STEAM), que também tem como autores a Dra. Simone Bilessimo (UFSC) e o Dr. Juarez Bento da Silva (UFSC). De acordo com a Supervisora Educacional Gabrielli Felipe, o artigo desenvolvido por Isabela está alinhado às perspectivas do novo Ensino Médio e do Contraturno SESI SENAI, uma vez que nossas escolas também trabalham com a metodologia STEAM (Ciência, Tecnologia, Engenharia, Artes e Matemática), uma forma de aprendizagem integrada e baseada em projetos. Foto: Isabela Nardi da Silva O objetivo do estudo apresentado pela docente foi demonstrar o processo de construção da Labs4STEAM, uma plataforma educacional gratuita desenvolvida por ela em sua dissertação. Lá, os professores poderiam postar, baixar e comentar planos de aula entre eles, como forma de compartilhamento de experiências. Sobre a conferência, ela afirma: "Estive em contato com profissionais da educação do mundo todo. Desta forma, tive a oportunidade de compartilhar experiências e aprender com colegas de outros países". Incrível, não acha? Nossos sinceros parabéns e agradecimentos para a Isabela, que por meio de seu trabalho, contribuiu não só para a educação do Brasil, mas também do mundo. E se você, assim como nós, acredita que as novas tecnologias alinhadas à educação preparam nossos alunos para um mundo cada vez mais disruptivo, a rede de ensino SESI SENAI é o lugar perfeito para conhecer. Com diversos espaços de Educação Maker espalhados por Santa Catarina, nossos estudantes têm acesso a equipamentos como Arduino, Raspberry Pi, placas eletrônicas, impressoras 3D e drones. CONHEÇA A EDUCAÇÃO SESI SENAI

Respiradores pulmonares são entregues à rede de saúde pelo SENAI/SC
Cursos Técnicos

Respiradores pulmonares são entregues à rede de saúde pelo SENAI/SC

8 meses atrás • 1 min de leitura

Na última semana, o SENAI Santa Catarina consertou e entregou os primeiros respiradores para a rede de saúde do estado. O projeto, que acontece nos laboratórios do Instituto SENAI de Inovação, conta com o apoio de diversas indústrias e está sendo feito em parceria com a Associação Catarinense de Medicina (ACM). O objetivo é garantir a manutenção dos ventiladores pulmonares e, por consequência, ajudar a salvar vidas.  Os equipamentos são fundamentais para o tratamento dos casos mais graves de pacientes com coronavírus, e cada um deles tem papel fundamental na recuperação das pessoas em UTI. Carlos Sakuramoto, Gerente de Inovação e Tecnologia da General Motors, conta que a empresa está colaborando com a força-tarefa de forma incansável. A GM disponibilizou funcionários, voluntários, equipamentos, 5 plantas e uma coordenação geral no Brasil inteiro. Junto dela, também estão apoiando a iniciativa as empresas Arcelor Mittal Brasil, Fiat, Ford Motor, Volkswagen, Scania e Whirlpool.  Veja a seguir como estes esforços conjuntos estão formando uma #RedeDoBem: O Diretor de Unidade Hospitalar, Evandro Godoy, reforça que foram estas organizações as responsáveis pela devolução dos ventiladores pulmonares recuperados para a linha de frente. Para ele, a importância desta iniciativa da FIESC e ACM é enorme, pois vem auxiliando hospitais públicos e particulares na luta contra o coronavírus. Cada respirador que fica pronto, ajuda a salvar vidas. Faça também a sua parte: evite aglomerações, use máscaras e higienize as mãos com frequência. Mesmo a distância, seguimos juntos!

Espaço maker: 5 fatos que você precisa saber
Ensino Básico

Espaço maker: 5 fatos que você precisa saber

8 meses atrás • 3 min de leitura

Você já assistiu algum vídeo de "Do It Yourself (DIY)" ou "Faça Você Mesmo" no Youtube? Estes conteúdos são famosos na internet e derivam do Movimento Maker, uma iniciativa que fomenta a solução de problemas e execução de ideias com as próprias mãos. Na escola, este conceito se aplica no espaço maker, ambiente colaborativo, de construção e compartilhamento de ideias, onde o aluno aprende fazendo e é protagonista do processo de aprendizagem.  Ao contrário do que se pensa, estes espaços não são dentro da sala de aula: eles precisam ter configurações diferentes para possibilitar a experimentação e a autoexpressão dos alunos, e ter ferramentas que os permitam colocar a mão na massa. Entenda mais sobre esses lugares que estão inovando no campo da educação: 1. Os espaços maker não possuem uma estrutura convencional Sabe aquele esquema de sala de aula, com mesas individuais alinhadas, quadro negro e espaço delimitado? Pois então: o ambiente maker não é nada disso. Nestes espaços inovadores, não há uma estrutura a ser seguida. Normalmente, eles precisam ter equipamentos de baixa e alta tecnologia, para assim permitirem a experimentação e execução das ideias. As ferramentas disponíveis vão das mais simples até as mais trabalhadas, como placas eletrônicas, impressoras 3D, cortadora laser, ferro de solda, serras, furadeiras e equipamentos de robótica. 2. O ambiente maker é um habitat de inovação Com um espaço diferenciado, a inovação se torna mais propícia a acontecer. Além de recursos que permitem os makers a pôr a mão na massa, os ambientes também precisam permitir a colaboração, integrando as pessoas em um ecossistema inovador, estimulando a troca de ideias e habilidades, e desenvolvendo assim projetos que solucionam problemas reais. 3. Existem + de 900 ambientes maker mapeados pelo mundo De acordo com a Make Community, comunidade onde os makers se comunicam, existem mais de 900 espaços maker no diretório mundial da plataforma. Nesta comunidade, é possível divulgar projetos que estão ocorrendo ao redor do mundo, além de trocar ideias e divulgar notícias ou eventos. Curiosidade: só em Santa Catarina, a proposta maker está em 12 espaços do SESI, fomentando a cultura e a educação inovadora nos jovens catarinenses. 4. O primeiro espaço maker de SC foi criado pelo SESI em Blumenau Lançado em 2017, o primeiro espaço maker de Santa Catarina fica em Blumenau e foi criado pelo SESI no Complexo Esportivo Bernardo Werner. Tem área total de 1,2 mil metros e conta com recursos como Arduinos, Raspberry Pi, impressoras 3D e drones. O tema do espaço é "Aprenda fazendo - Crie um mundo com tuas próprias mãos", e lá o aluno aprende conceitos de comunicação, matemática, ciências e robótica para resolver problemas sociais de sua comunidade. As crianças e os jovens do Espaço Maker do SESI dão seu próprio significado ao seus aprendizados, pesquisando, trabalhando em equipe e socializando o conhecimento. Lá, os estudantes desenvolvem competências essenciais para o futuro do trabalho. 5. No espaço maker do SESI você pode criar um mundo com as próprias mãos Você sabia que é possível fazer soluções para problemas sociais com as suas próprias mãos? Nos espaços maker, os professores são facilitadores e você é o agente de mudança, é quem coloca a mão na massa, transforma a teoria em prática e cria protótipos junto com a equipe. O ambiente é ideal para pesquisar, aprender e buscar essas soluções inteligentes e, assim, melhorar o mundo em que vivemos.  Conheça os Espaços Maker do SESI de Santa Catarina e as oficinas de contraturno que também trabalham com a educação maker. Faça parte desse movimento inovador e desenvolva competências imprescindíveis para o seu futuro no mundo do trabalho! EDUCAÇÃO MAKER NO SESI