Curso de Eletricista: saiba qual o melhor e descubra tudo sobre a profissão
Cursos Rápidos

Curso de Eletricista: saiba qual o melhor e descubra tudo sobre a profissão

19/08/2022 • 3 min de leitura

O curso para se tornar um profissional responsável por instalações elétricas é bastante procurado há vários anos. Mas você sabia que não existe apenas um tipo de curso para seguir nessa profissão? Se você deseja se tornar um eletricista profissional e quer saber tudo sobre o curso, as melhores instituições, a profissão, o salário e o mercado de trabalho, está no lugar certo. Muitas pessoas ainda têm dúvidas sobre a profissão de eletricista. Principalmente dúvidas relacionadas à formação necessária, ao salário médio e as possíveis áreas de atuação. Então, vamos lá! O que faz um eletricista? Eletricista é o profissional responsável por executar instalações, reparos, vistorias e manutenções de sistemas elétricos, tanto residenciais e prediais quanto industriais.  Mas não para por aí, o profissional que trabalha de forma autônoma também desempenha as partes administrativa e comercial da profissão, além da parte técnica, portanto, precisa estar capacitado para isso em um bom curso de eletricista. Por isso, é tão importante uma qualificação profissional de excelência. Algumas das atividades cotidianas desse profissional são: Conserto de equipamentos elétricos; Análise e interpretação de desenhos técnicos de fiação e instalações; Elaboração de orçamentos e manutenção de maquinário elétrico industrial; Elaboração e execução de pequenos projetos elétricos; Instalação e reparação de peças, componentes e equipamentos eletrônicos; Manutenção preventiva, preditiva e corretiva; Vistoria de instalações; Reparos em redes de distribuição de energia. Leia também ++ Eletrotécnica ou eletromecânica: qual curso técnico escolher? Possibilidades de atuação para um eletricista Um eletricista pode trabalhar como autônomo em serviços para residências, em empresas de manutenção, em indústrias, na construção civil ou ainda prestar concurso público. Hoje, basicamente, a profissão se divide em três grandes áreas de trabalho: eletricistas residenciais, eletricistas prediais e eletricistas industriais. Dentro desses três campos, o profissional ainda pode executar diferentes tipos de serviços. Há ainda algumas especializações mais específicas, como o eletricista de automóveis ou o eletricista naval, especialista em instalações e reparos de circuitos e equipamentos elétricos em empreendimentos navais e offshore. O que faz um eletricista residencial? O profissional eletricista residencial trabalha realizando as atividades cotidianas citadas acima em residências (casas ou apartamentos). Costumam ser serviços bastante procurados, principalmente, para profissionais autônomos Eletricista predial O eletricista predial, além de precisar ter pleno conhecimento sobre instalações elétricas, da elaboração a execução e manutenção, também deve ter entendimentos das estruturas e, é claro, das normas vigentes. A complexidade de uma instalação elétrica predial é bem maior do que uma residencial. Além das construções e edificações, esses profissionais também podem trabalhar em empresas de telefonia, que é uma área que demanda bastante mão-de-obra qualificada de eletricistas e está em constante expansão.  Eletricista industrial Já o eletricista industrial, deve ter o conhecimento técnico, principalmente, para realizar manutenções preditivas, corretivas e preventivas, reparando instalações elétricas e máquinas industriais. Portanto, o conhecimento técnico que o eletricista industrial precisa ter, é mais amplo. Abrange motores elétricos, máquinas de solda, pontes rolantes, fresas, tornos e prensas. Características de um bom eletricista Em um mercado bastante competitivo, se destacam os bons profissionais. Um bom eletricista deve: Ser organizado e ágil Ter o raciocínio lógico bem desenvolvido pois precisará fazer cálculos de maneira eficiente Se comunicar bem pois lida diretamente com o público e precisa saber explicar seus serviços e sanar todas as dúvidas dos clientes; Saber elaborar e apresentar orçamentos justos e bem fundamentados; Conhecimento sobre a legislação e normas da área elétrica; Entender sobre os equipamentos de segurança individual (EPI) e procedimentos de segurança, pois é uma área que apresenta riscos; Saber lidar com diferentes equipamentos inerentes a profissão. Como se tornar um eletricista Para se tornar um eletricista, você pode fazer um curso técnico, profissionalizante ou graduação em engenharia elétrica. Leia também ++ EJA Profissionalizante: saiba tudo sobre a modalidade Melhor instituição para fazer um curso de eletricista Uma instituição renomada e tradicional na oferta de cursos para eletricista, é o SENAI. 7 em cada 10 alunos formados pelo SENAI, estão empregados. O SENAI oferta desde o Curso Técnico em Eletrotécnica, quanto diversos Cursos Rápidos na área: eletricista instalador predial, eletricista industrial, eletricista naval, eletricista de automóveis, eletricista instalador automotivo, eletricista residencial básico. Os Cursos Rápidos são destinados a quem precisa desenvolver uma habilidade em específico, para complementar um conhecimento ou ainda para desenvolver uma nova competência. Para conferir todos os cursos que o SENAI oferta nessa área, clique aqui. Grade curricular do Curso Técnico em Eletrotécnica O Curso Técnico em Eletrotécnica tem duração de dois anos e conta com as seguintes disciplinas: 1º semestre: Comunicação Oral e Escrita Eletricidade Leitura e Interpretação de Desenho  Qualidade, Saúde, Meio Ambiente e Segurança no Trabalho (QSMS) 2º semestre: Instalações Elétricas Prediais Projetos Elétricos Prediais Segurança em Eletricidade 3º semestre: Acionamento de Dispositivos Elétricos Automatizado Instalações Elétricas Industriais Projetos Elétricos Industriais 4º semestre: Eficiência Energética Gestão da Manutenção Instalações de Sistemas Elétricos de Potência (SEP) Manutenção Elétrica Predial e Industrial Manutenções e Operações de Sistemas Elétricos de Potência (SEP) Projetos de Sistemas Elétricos de Potência Licença para eletricistas Para atuar na área, é necessário que o profissional obtenha a Carteira de Aptidão Profissional. Para isso, é necessário a realização de testes que comprovem o conhecimento na área. Os procedimentos variam de região para região. Quanto ganha um eletricista? Segundo pesquisas de sites que acompanham os salários de diferentes profissões no Brasil, a média salarial para a profissão de eletricista é R$2.095,33. O teto salarial pode chegar a R$3.988,31.

O que é metodologia STEAM e por que você precisa conhecer
Educação Básica

O que é metodologia STEAM e por que você precisa conhecer

11/08/2022 • 4 min de leitura

  O termo STEAM surgiu nos Estados Unidos na década de 90 e significa Science, Technology, Engineering, Arts, Mathematics, ou seja, é uma metodologia que tem como objetivo fomentar a integração das áreas de Tecnologia, Engenharia, Artes e Matemática. O que caracteriza a educação STEAM? Partindo desse viés de integração, a metodologia é baseada em projetos. Essa metodologia tem o professor como um mediador e  o aluno como  protagonista.   Por meio da articulação e interdisciplinaridade das quatro áreas do conhecimento (tecnologia, engenharia, artes e matemática) há  grandes  benefícios para a resolução de problemas. Isso porque se almeja o desenvolvimento do aluno não somente para o mercado de trabalho, mas também para o exercício da cidadania, para o desenvolvimento das competências socioemocionais e tudo mais que possa propiciar maior compreensão das atividades cotidianas. Leia também ++ EJA Profissionalizante: saiba tudo sobre a modalidade Proposta da metodologia STEAM A metodologia STEAM tem como proposta uma aprendizagem mais ativa, participativa, que desperte o interesse dos estudantes para as áreas do conhecimento desenvolvidas. Por se tratar de uma educação mais inovadora, ela almeja ampliar as habilidades dos estudantes, para que desenvolvam competências que permitam a resolução de questionamentos e adversidades de maneira criativa. Por fim, também se pretende a interdisciplinaridade, ou seja, o encontro de conteúdos de áreas de conhecimento distintas para que seja possível desenvolver o pensamento crítico e também para preparar o estudante para um mercado de trabalho cada vez mais tecnológico e desafiador. Em resumo, tornar os alunos mais pensantes e questionadores para que busquem por meio da inovação transformar os ambientes onde vivem, é um dos principais desafios e propósitos da educação baseada na metodologia STEAM. Metodologia STEAM na prática Como visto anteriormente, a metodologia STEAM busca utilizar ferramentas para que os alunos sejam ativos no dia a dia escolar. Uma das formas de estabelecer isso é fazer com que os estudantes mergulhem nas metodologias ativas, assim, eles se tornam os próprios produtores de conhecimento. Afinal, o que são metodologias ativas? As metodologias ativas são um processo amplo e envolvem diferentes práticas em sala de aula, visando desenvolver a autonomia e protagonismo do estudante em sua trajetória educativa. Nesse contexto, os alunos passam a ter um papel ativo no processo de ensino-aprendizagem, enquanto os professores atuam como mentores constantes e atentos aos caminhos que os jovens escolhem trilhar. Tomando isso como base, as metodologias ativas têm papel fundamental no desenvolvimento do sujeito, e essas são uma das principais ferramentas da aplicação do STEAM, já que envolve a capacidade de absorção e ressignificação de conteúdos de maneira autônoma e participativa, na qual o aluno é protagonista de seu fazer discente, seja na ampliação ou na produção de saberes. Parte-se dessa metodologia, já que se compreende que a produção do conhecimento requer não somente a leitura, a escrita e a escuta, mas também se faz por meio de discussões, da prática e do ensino/aplicação dos saberes. Que são feitas a partir de sala de aula invertida, ensino híbrido, ensino pautado em projetos, resolução de problemas, estudo de caso, gamificação e outras. Como são as aulas com a metodologia STEAM? A proposta que a Educação STEAM traz é o rompimento do ensino tradicional, aquele que era pautado em aulas puramente expositivas, tendo no professor a figura de detentor do saber. Em contrapartida a isso, pretende-se trazer para a sala de aula situações- problema que estão relacionadas ao dia a dia do estudante a fim de proporcionar ao educando maior consciência e protagonismo. Essa proposta permite que os conceitos se tornem mais perceptíveis e de melhor compreensão, fazendo com que o estudante identifique a aplicabilidade do que está estudando. Tendo em vista que essa proposta vem ao encontro das diretrizes da Base Nacional Comum Curricular (BNCC), a metodologia visa desenvolver o protagonismo do estudante para a busca do conhecimento e assim desenvolver as competências e habilidades, bem como o senso crítico. Uma forma de ensino alinhada diretamente com essa metodologia é a cultura maker, também conhecida como “faça você mesmo”, em que o estudante não espera apenas receber conhecimentos prontos vindos do professor, ele desenvolve autonomia para buscar a informação e o professor assume a função de mediador nesse processo. O desenvolvimento do protagonismo traz consigo outras habilidades como o pensamento lógico e científico, a criatividade, a curiosidade e o trabalho coletivo. Como em uma peça de teatro em que o protagonista tem o papel de maior destaque, aqui os alunos são pessoas mais conscientes, pois sabem de seu papel agentivo, que visa não somente estar na sociedade, mas compô-la, mobilizando impactos positivos, empreendendo, provocando alterações na sociedade a fim de construir um futuro mais harmônico e sustentável. O conjunto disso tudo, faz com que o estudante amplie sua visão em relação ao meio em que está inserido e o torne um cidadão participativo e preocupado com a coletividade, bem como, preparado para as mudanças e desafios do futuro. Leia também ++ Ensino Médio Integrado da Escola S forma as primeiras turmas no novo modelo de educaçãoEJA Profissionalizante: saiba tudo sobre a modalidade Como o ensino com metodologia STEAM prepara o estudante para o futuro? Ao analisarmos as diferentes gerações da nossa sociedade identificamos que os indivíduos pertencentes às gerações mais novas são conhecidos como nativos digitais, pois já nasceram inseridos no meio tecnológico com acesso a internet, telefonia móvel e digital. Diante disso, as escolas têm o desafio de aliar esse acesso de forma fácil com o ensino de forma efetiva. Os estudantes têm muitas ferramentas tecnológicas disponíveis para acessar e a função da escola é conduzir o uso para a produção e busca de conhecimento de forma assertiva. Como um dos vieses da metodologia STEAM é a tecnologia, isso permite que o estudante se mantenha conectado e que utilize as ferramentas disponíveis de forma consciente para o desenvolvimento e ampliação dos conhecimentos. Com o avanço da tecnologia também em relação ao mercado de trabalho, é possível perceber a redução do trabalho braçal e repetitivo pela substituição da automação. Nesse contexto, o estudante que estiver preparado para essas profissões e com anseio de inserir-se naquelas que ainda nem existem terá mais chances de êxito, já que assim se tem mais produtividade  e reduz os custos operacionais. Pensando em todo esse contexto, a Escola S possui a metodologia STEAM como estratégia para desenvolver um ensino de qualidade e voltado para as demandas do futuro. Para saber mais acesse o site oficial e as redes sociais e conheça esse novo jeito de ensinar e aprender. Autoria Francieli Delazeri  – Licenciada e Bacharel em Ciências Biológicas, Mestre em Ciências Ambientais, Professora de Biologia e Biohackeria. Juliete Ilha Partichelli – Licencianda em Letras português e espanhol, Mestre em Estudos Linguísticos, Professora de Língua Portuguesa, Mídias digitais, Design Thinking e Empreendedorismo.

EJA Profissionalizante: saiba tudo sobre a modalidade
Educação de Jovens e Adultos

EJA Profissionalizante: saiba tudo sobre a modalidade

02/08/2022 • 3 min de leitura

  De acordo com o último levantamento realizado pelo IBGE, em 2019, ainda existem cerca de 11 milhões de pessoas analfabetas no Brasil.  Também conhecida como supletivo, a EJA (Educação de Jovens e Adultos), além de melhorar o índice de analfabetismo nacional, tem possibilitado o acesso ao estudo para jovens e adultos que não puderam frequentar a escola em idade regular. Dando assim, a oportunidade para essas pessoas conseguirem melhores empregos e, consecutivamente, uma maior qualidade de vida para si mesmas e suas famílias. Você sabia que a Escola S, do SESI SENAI, também oferece Educação para Jovens e Adultos? Isso mesmo! E diferente da EJA pública, a nossa EJA é profissionalizante. Ou seja, ao concluírem seus estudos, os alunos também recebem uma certificação profissional, tornando-se mais qualificados para atender às demandas das indústrias e empresas em sua região. Quer entender o que é essa modalidade e saber como funciona a Educação de Jovens e Adultos da Escola S? Reunimos todas as informações sobre o tema no texto abaixo.  Boa leitura! O que é EJA? O objetivo da Educação de Jovens e adultos é garantir o acesso ao ensino básico para pessoas acima de 16 anos que, independentemente do motivo, não puderam iniciar seus estudos ou precisaram interrompê-los. A modalidade de ensino foi criada pelo Governo Federal para facilitar o acesso ao ensino, bem como para que os alunos obtenham o diploma de conclusão em menos tempo. Estando, desta forma, aptos para as oportunidades de trabalho que exigem escolaridade mínima.  Além disso, a EJA pode ser ofertada tanto no modelo presencial, como à distância (EAD), ou ainda de forma híbrida, combinando esses dois formatos. Como funciona a EJA da Escola S do SESI SENAI?  Pensando na qualificação dos trabalhadores da indústria catarinense, a Escola S, por meio do SESI SENAI, oferece a EJA Profissionalizante. Nela, além de conquistar o diploma de conclusão do Ensino Fundamental e/ou Médio, os alunos obtêm uma certificação profissional por meio de um dos cursos oferecidos pelo SENAI/SC. A EJA da Escola S, sob a influência e responsabilidade do SESI SENAI, tem o propósito social de transformar a realidade dos nossos alunos, bem como a forma como enxergam o mundo. Tudo isso por meio de um aprendizado contextualizado com a sua realidade, pensado para formar cidadãos autônomos, cooperativos, dinâmicos e criativos. Para saber mais, confira o depoimento do nosso aluno, Noé Muller!  Reconhecimento dos saberes Um grande diferencial da EJA da Escola S é o reconhecimento dos saberes. Ou seja, aquilo que o aluno já aprendeu ao longo da vida, seja em casa, na escola ou no trabalho, pode ser validado por meio de um programa de inteligência artificial, reduzindo o tempo para obter a certificação. Dessa forma, a conclusão dos estudos pode ser feita em até 13 meses letivos.  Duração e formato das aulas  Os alunos possuem até 13 meses letivos para poderem concluir os estudos. As aulas são realizadas 80% a distância e 20% presencial, com salas virtuais e materiais digitais. As aulas presenciais ocorrem duas vezes por semana, enquanto os cursos são ofertados simultaneamente (01 dia para a EJA e outro para o curso de qualificação profissional). Quanto custa a EJA Profissionalizante? A EJA da Escola S não possui custo para a indústria e para os seus trabalhadores.  Qual é a idade mínima para cursar a EJA Profissionalizante? Ensino fundamental: 15 anos completos Ensino médio: 18 anos completos Benefícios da Educação de Jovens e Adultos Profissionalizante para as indústrias catarinenses Garantir que todas as pessoas tenham acesso a uma educação de qualidade é essencial para o desenvolvimento dos estados e do país, bem como para a ampliação da democracia.  Além disso, o investimento na Educação de Jovens e Adultos contribui para a redução da pobreza, da criminalidade e também para o bem-estar, acesso aos direitos básicos e o crescimento econômico da população.  E EJA Profissionalizante da Escola S propõe um novo modelo de educação que possibilita a abertura de diversas portas tanto para o trabalhador como para a indústria catarinense.  Conheça os demais benefícios da EJA Profissionalizante: Projetos que promovem a integração e a retenção de pessoas por meio do fortalecimento das equipes; Mais competitividade para as empresas, formando trabalhadores mais qualificados, eficientes e produtivos; Responsabilidade social, promovendo a educação e contribuindo com os índices do estado; Retorno do que já foi investido com a contribuição compulsória revertida em educação para os trabalhadores. Quer saber como estudar na EJA Profissionalizante ou levá-la para a sua empresa ou cidade? Além de oferecer a EJA Profissionalizante em nossas unidades SESI SENAI de todo o estado, as turmas também podem ser disponibilizadas por meio de convênios firmados com as prefeituras ou nas dependências das indústrias parceiras (para seus colaboradores). 

Conheça as principais características das escolas inovadoras
Educação Básica

Conheça as principais características das escolas inovadoras

29/07/2022 • 4 min de leitura

  Muito se fala em inovação. Mas, afinal, o que é inovar? Inovar é, primeiramente, criar algo novo, desvencilhar-se de antigos padrões! E quando entramos no assunto educação: o que caracteriza uma escola inovadora? Quando falamos de uma escola inovadora, falamos de uma matriz educacional concebida dentro de uma estrutura inovadora, que vai desde o projeto dos cursos até o projeto arquitetônico. Características de uma escola inovadora Nos últimos anos, assuntos como metodologias ativas, educação maker, aprendizado colaborativo, entre outros, viraram pauta nos setores de educação.  Inclusive, já existem diversas escolas com salas de aulas mais coloridas, munidas de impressoras 3D, cortadoras a laser, microscópios e outros objetos e instrumentos que fazem parte de uma educação que tem como centro a inovação. Mas não para por aí. Uma escola inovadora não é apenas mais colorida e cheia de artefatos. É necessário que os gestores também invistam na capacitação dos professores, na estruturação das disciplinas e atividades e na composição do ensino como um todo. Para um aprendizado mais inovador é necessário que toda a equipe técnica esteja engajada e capacitada para essa mudança de valores. Atualmente, o padrão do sistema educacional é focar a matriz curricular no desenvolvimento de conteúdos e não no desenvolvimento de habilidades e competências dos alunos. Ou ainda, mesmo quando já há uma atenção ao desenvolvimento de competências, muitas vezes, os moldes nos quais isso acontece são bastante ultrapassados: disciplinas, mesas enfileiradas, aulas limitadas em 50 minutos… Leia também ++ Como se preparar para o ENEM? A Escola S te ajuda! O que é a criatividade e por que é importante para as crianças? A criatividade é um processo mental constituído a partir da plasticidade cerebral, ou seja, da capacidade que o cérebro tem de experimentar novas formas de fazer a mesma coisa. Para que a criança desenvolva maior capacidade cognitiva, ela precisa ter, na escola e nos ambientes que ela mais convive, um ambiente acolhedor.  Então, na escola, é necessário que os profissionais observem e estimulem a construção de competências socioemocionais (soft skills) como base para o desenvolvimento das capacidades técnicas.  A criatividade se constitui a partir de conexão, persistência, resiliência, empatia, foco, entusiasmo e mais uma série de sentimentos e emoções que uma teia complexa que, quando equilibrados, levam à formação de um cidadão mais autônomo, protagonista e capaz de reconhecer em si suas emoções, adaptando-se melhor no meio em que está inserido. O papel da escola e da família Então, quando falamos sobre educação inovadora, falamos sobre pessoas. Desenvolvimento de pessoas, afeto, acolhimento. A educação inovadora entende que uma escola não tem como se constituir enquanto espaço de aprendizagem sem antes pensar nas pessoas que estão ali, para que todos se sintam bem-vindos. A escola desempenha um papel fundamental no acolhimento do estudante e é responsável por garantir um ambiente favorável para o desenvolvimento tanto das capacidades técnicas quanto das socioemocionais – também conhecidas como hard skills e soft skills. No entanto, é importante lembrar que a família antecede todo o escopo emocional da criança/adolescente, sendo ainda mais responsável no desenvolvimento de um mindset de crescimento, encorajando aquele ser humano a se desenvolver constantemente. Esse desenvolvimento contínuo do estudante é o background necessário para uma escola inovadora, além disso, metodologias que buscam o aprimoramento das habilidades sociais trarão melhores resultados no processo criativo.  Metodologia STEAM: o que é? Uma abordagem de ensino que tem emergido nos últimos anos no Brasil é a abordagem STEAM, que busca integrar os conhecimentos de Ciência (S), Tecnologia (T), Engenharia (E), Artes (A) e Matemática (M), abrindo possibilidades para um processo de aprendizagem mais fluído, dinâmico e holístico. A união de áreas traz uma conexão entre os conteúdos necessários para o desenvolvimento de habilidades técnicas como programação, ciências exatas e naturais, ética, lógica, cálculo, estética. Entenda o que é a educação maker A abordagem  STEAM é o ponto de partida para a educação maker, que tem como principal objetivo as atividades também conhecidas como mão na massa.  Chamamos a atenção aqui para a importância da intencionalidade pedagógica, pois atividades mão na massa não podem ser confundidas com recreação e artesanato, não que essas não sejam importantes, muito pelo contrário, são de extrema importância quando inseridas em um contexto que busque essa finalidade.  Entretanto, para o contexto de sala de aula e para a integralização de uma matriz curricular que busque o desenvolvimento autônomo do estudante, essas atividades devem ser planejadas com cuidado pelo docente, focando no pleno desenvolvimento da competência e da habilidade. Em suma, de nada adianta um projeto arquitetônico diferenciado se a prática pedagógica permanece a mesma dos antigos padrões. Escola S – Acreditamos na construção de um novo mundo Podemos perceber que, para uma escola ser considerada inovadora, são muitos os requisitos necessários. Vai além do espaço físico, é uma cultura que precisa ser empregada e que abranja tudo que diz respeito à escola, o ensino, os colaboradores, os alunos e, principalmente, na relação construída entre todos os lados. Para conhecer o que há de mais inovador na educação de Santa Catarina, visite o site da Escola S e entenda mais sobre esse novo modelo de educação. A proposta conta com:  Tecnologia Ferramentas e recursos que potencializam o aprendizado dos alunos, trazendo mais agilidade, segurança e facilidade. Cuidado socioemocional O desenvolvimento de competências e habilidades socioemocionais necessárias para o futuro profissional e para o dia a dia dos alunos. Programa bilíngue Aulas ministradas em inglês, com foco na conversação para o desenvolvimento das habilidades linguísticas, sem custo adicional para o aluno. Espaço STEAM Espaços com equipamentos e infraestrutura completa para o desenvolvimento de projetos “mão na massa” que estimulam a criatividade. Contraturno maker Oficinas baseadas na metodologia maker, onde os alunos colocam o aprendizado em prática e dão vida à imaginação. Hábitos saudáveis Atividades interdisciplinares que estimulam o despertar da consciência para os cuidados com a saúde e com o meio ambiente. Tradição SESI SENAI A união da educação SESI SENAI – e sua qualidade amplamente reconhecida – com um novo modelo de educação.

Análise e Desenvolvimento de Sistemas: entenda por que o curso é uma ótima opção em 2022
Escola S

Análise e Desenvolvimento de Sistemas: entenda por que o curso é uma ótima opção em 2022

20/07/2022 • 3 min de leitura

  Apesar de ser um curso conhecido há muitos anos, a Análise e Desenvolvimento de Sistemas está cada dia mais em alta. Isso porque, com o avanço tecnológico dos últimos anos, a demanda da área de Tecnologia da Informação (TI) não para de crescer. O setor é um  dos que mais oferece vagas de emprego e, portanto, a busca por profissionais qualificados é contínua. Mercado de trabalho e salário Para quem se interessa por tecnologia e inovação, as opções de cursos – técnicos, rápidos, graduações tecnológicas, entre outros – são muitas.  O que diferencia a graduação tecnológica em Análise e Desenvolvimento de Sistemas dos outros cursos são, principalmente, as diversas possibilidades de áreas de atuação depois que o aluno estiver formado. Como hoje em dia, a maioria das empresas já têm seus processos informatizados, é necessário que haja profissionais de análise e desenvolvimento de sistemas para manter esses processos e tecnologias em funcionamento. Consequentemente, esses profissionais podem exercer a função em empresas dos mais variados setores e atuarem nos mais diferentes cargos. O profissional pode, por exemplo, trabalhar com desenvolvimento de softwares, administração de redes ou administração de banco de dados. Como desenvolvedor de softwares, como já falamos anteriormente aqui no blog, o profissional vai utilizar a linguagem de programação para criar novos softwares, sites e apps e melhorar e manter os já existentes. Ou seja, o desenvolvedor é indispensável para o avanço das tecnologias, por isso, a demanda é, e vai continuar sendo por muito tempo, altíssima. Você vai entender mais a fundo como é o perfil, o mercado de trabalho, o salário e o dia-a-dia de um desenvolvedor, lendo esse conteúdo. Já na parte de administração de redes, o profissional fica responsável por toda a instalação, parametrização e configuração dos sistemas informatizados de uma empresa, incluindo o que diz respeito à segurança da informação, ou seja, a segurança de todos os dados que passam por esses sistemas. É um cargo de bastante responsabilidade porque, basicamente, toda a tecnologia da informação da empresa estará sob a gestão desse profissional. Como já dito anteriormente, praticamente todas as empresas já possuem sistemas informatizados, então, a demanda para esse tipo de função também é bastante ampla. O salário médio para esse cargo é de R$ 4.946,85, segundo pesquisa do salario.com.br. Já para um profissional que atua com administração de banco de dados, a mesma pesquisa mostra que a média salarial é de R$6.763,18. Nesse cargo, o analista/desenvolvedor de sistemas lida especificamente com a segurança dos dados. Com os sistemas informatizados, sabe-se que uma quantidade gigantesca de dados é compartilhada diariamente. E, com isso, é necessário o conhecimento de um profissional que gerencie, organize e faça uma manutenção constante dessas informações. Tanto para que elas não sejam usadas de forma incorreta ou fora da Lei Geral de Proteção de Dados (LGPD), quanto para gerar insights e novas oportunidades para a empresa. Essas são apenas as três mais comuns das várias atuações possíveis para o profissional formado em Análise e Desenvolvimento de Sistemas. Mas, antes de ingressar no mercado de trabalho, é necessário se capacitar com uma formação de qualidade. Vamos entender quais as opções para quem quer se tornar um analista e desenvolvedor de sistemas? Opções de cursos Para se tornar um analista e desenvolvedor de sistemas, o aluno precisa cursar uma graduação tecnológica, também conhecida como tecnólogo.  A graduação tecnológica é reconhecida pelo MEC como uma graduação plena como quaisquer outras graduações de bacharelado ou licenciatura. Os principais diferenciais são: o tempo de curso e a especificidade dos conteúdos.  Os tecnólogos, diferentemente das graduações tradicionais, são concluídos em, no máximo, 3 anos. E tem seus conteúdos voltados para os aspectos práticos da profissão, com foco no mercado de trabalho.  Enquanto uma graduação tradicional é mais ampla, generalista e mais focada na teoria, podendo durar até 6 anos, dependendo da escolha do curso. Diferença entre curso técnico e tecnólogo Curso técnico e tecnólogo (graduação tecnológica) não são a mesma coisa. Para iniciar em uma graduação tecnológica, assim como em uma graduação tradicional, o aluno precisa já ter finalizado o Ensino Médio. Diferentemente do ingresso no curso técnico, que pode ser feito a partir do segundo ano do Ensino Médio, ou seja, não é necessário já ter finalizado. Como citado anteriormente, a graduação tecnológica ou tecnólogo, é considerado um curso de nível superior, enquanto o curso técnico é considerado de nível médio. Se quiser entender melhor a diferença entre as duas modalidades, acesse esse conteúdo. Onde cursar O SENAI é referência nacional e internacional de ensino. Com docentes especialistas providos de experiência na área, você vai ter contato direto com o DNA da indústria e com as demandas atuais do mercado de trabalho. O desenvolvimento de competências técnicas e socioemocionais também vão fazer parte da sua formação. Além disso, ter o SENAI no currículo é ter preferência na contratação pelas indústrias. Portanto, ao escolher um curso, pense na sua carreira e em onde você quer chegar. Conte com o SENAI! Conheça mais sobre o curso aqui.

Tudo o que você precisa saber sobre o curso e a profissão de Técnico em Química
Cursos Técnicos

Tudo o que você precisa saber sobre o curso e a profissão de Técnico em Química

14/07/2022 • 4 min de leitura

A água que sai da torneira, os produtos de higiene e beleza que consumimos, a qualidade dos alimentos comprados nos supermercados, os remédios e as vacinas que ajudam nosso sistema imunológico. A química está mais presente em nossa vida do que podemos imaginar.  E é por essa razão que quem escolhe trabalhar nessa área tem à disposição um amplo campo de atuação, sendo requisitado em diversos setores, principalmente na indústria.  Para se tornar um profissional nessa área, há cursos de nível técnico e superior (tecnólogo e bacharelado). Quem busca uma formação rápida, prática e para ingressar em um mercado de trabalho abrangente, encontra no técnico a melhor opção.  A formação é composta de disciplinas de Ciências Exatas, Biológicas e Humanas e é possível ingressar no curso ainda no Ensino Médio. Confira a seguir o que você precisa saber sobre o mercado de trabalho e a carreira em Química. O que faz o Técnico em Química? O curso técnico tem um direcionamento prático e os profissionais saem preparados para trabalhar em todas as etapas dos processos químicos. Em laboratórios, a atuação é ampla e inclui coleta e análise de amostras, testes de controle de qualidade, desenvolvimento de novos produtos e emissão de laudos e pareceres técnicos.  Os profissionais também podem atuar em atividades relacionadas, como assistência técnica e venda de produtos químicos. Ou, ainda, com gestão e coordenação de equipes e de procedimentos químicos.  Onde um Técnico em Química pode trabalhar? O mercado de trabalho é amplo e quem escolher essa profissão terá à sua disposição um leque de possibilidades: Indústrias químicas; Indústrias de alimentos e bebidas, têxteis, pigmentos e tintas, plásticos, papel, petroquímica, entre outras; Laboratórios de controle de qualidade, de certificação de produtos químicos, entre outros; Laboratórios de ensino, de pesquisa e de desenvolvimento em indústrias ou empresas químicas; Empresas de consultoria, assistência técnica, de comercialização de produtos químicos, farmoquímicos e farmacêuticos; Estações de tratamento de águas e efluentes. Qual é o salário de um Técnico em Química?  O piso salarial pode variar de acordo com a região de trabalho. As atribuições e responsabilidades do profissional, assim como o tipo de empresa também influenciam nos valores. Contudo, a média salarial no Brasil é de R$ 2.345,00, sendo que os técnicos começam ganhando R$ 1.824,15 e podem chegar aos R$ 3.048,00. O que é preciso para trabalhar como Técnico em Química? Para poder atuar na área, depois de concluído o curso técnico e colado grau, o profissional precisa estar registrado no Conselho Regional de Química. Há duas modalidades de registro: definitivo e licença provisória. A licença indica que o técnico já está formado e aguarda a expedição da carteira definitiva. O documento provisório tem validade de 180 dias, e pode ser renovado pelo mesmo período.  Como tirar o registro de Técnico em Química? Para solicitar, é necessário entrar em contato com o Conselho Regional de Química do seu estado. No caso de Santa Catarina, o registro deve ser solicitado por meio de um formulário. O profissional deve preencher o requerimento e anexar os documentos solicitados pelo órgão e encaminhar para o CRQ. O envio pode ser feito pelo correio ou pessoalmente, nas unidades do Conselho (Florianópolis, Joinville, Chapecó e Tubarão).  Possibilidades de especialização para o Técnico em Química Além do curso técnico, os profissionais podem seguir estudando e fazer uma graduação na área ou, ainda, se especializar em uma das cinco macroáreas da Química:  Alimentos Aqui, o técnico trabalha com controle de qualidade, beneficiamento, industrialização e conservação de alimentos.  Biocombustíveis O técnico pode atuar na produção e na comercialização de biocombustíveis, sempre garantindo a sustentabilidade. O profissional também pode se especializar na área, gerenciando e planejando matérias-primas de diversos produtos que integram a produção de combustíveis gasosos, líquidos e sólidos.   Processos ambientais Assim como a área de Biocombustíveis, aqui o profissional trabalha com foco na sustentabilidade e na prevenção de impactos ambientais. Esse técnico atua tanto no laboratório quanto no campo, coletando e analisando amostras. Processos químicos O leque de atuação é muito amplo. Isso porque os processos químicos estão em todas as outras áreas de atuação: indústria petroquímica, eletroquímica, farmacêutica, de alimentos, de produção, ambiental etc. O técnico trabalha diretamente no controle de matérias-primas e controlando as reações dos produtos e os processos industriais.   Polímeros Polímeros é o nome que se dá para macromoléculas formadas por diversas unidades menores (monômeros). Essas macromoléculas constituem composições químicas e podem ser de origem natural ou sintética.  Os polímeros naturais ocorrem sem a interferência humana, como a borracha, o amido, a celulose, as proteínas, entre outros. Já os sintéticos, em geral, são produzidos em laboratórios a partir de alguma matéria-prima. São exemplos de polímeros sintéticos: materiais da construção civil, embalagens plásticas, entre outros.  Aqui, o profissional irá  atuar nas mais diversas etapas de transformação dos polímeros e nos mais diferentes produtos. O curso Técnico em Química do SENAI No SENAI, o curso prepara profissionais para realizar amostragens, fazer análises químicas, gerenciar processos e atuar no desenvolvimento de produtos e serviços que envolvam a área química.  A instituição tem alinhamento com as indústrias e a grade curricular é voltada para as necessidades das empresas. Isso faz com que o profissional saia pronto para atuar na área e ingressar no mercado de trabalho muito mais rápido. Conheça parte da grade curricular Fundamentos das Técnicas Laboratoriais Fundamentos de Matemática e Física Fundamentos de Microbiologia Fundamentos de Processos Químicos Industriais Análises Instrumentais Química Analítica Controle dos Processos Industriais e Laboratoriais Operação de Processos Químicos Industriais Desenvolvimento de Métodos Analíticos, Produtos e Processos Gestão de Pessoas  Qualidade do SENAI, flexibilidade do on-line O curso técnico em Química é oferecido pelo SENAI na modalidade de ensino híbrido, ou seja, possui 60% da carga horária presencial e 40% a distância. Esse formato garante que todas as disciplinas práticas sejam realizadas presencialmente e nos laboratórios da instituição, sem que os alunos percam a flexibilidade que só o ensino digital proporciona.  E não há motivo para se preocupar com o diploma, já que para o Ministério da Educação não há distinção entre os certificados de cursos presenciais e on-line. Isso significa que o diploma nas modalidades semipresencial e EaD têm a mesma validade que o presencial. Ficou interessado? Verifique a disponibilidade na sua cidade clicando aqui e descubra tudo sobre o curso.

EJA da Escola S conquista o Prêmio Professor Transformador 2022
Educação de Jovens e Adultos

EJA da Escola S conquista o Prêmio Professor Transformador 2022

08/07/2022 • 3 min de leitura

A Educação de Jovens e Adultos (EJA) da Escola S, SESI SENAI, de Caçador-SC foi destaque em prêmio nacional. A turma do Ensino Fundamental levou o 3º lugar no Prêmio Professor Transformador da Bett Educar 2022. Concorrendo com outras 820 iniciativas sociais do Brasil, o projeto Aquecendo Corações não só conquistou a premiação no maior evento de Educação e Tecnologia da América Latina, como também fez a diferença na vida de 80 famílias carentes de Santa Catarina. Como ajudar o próximo colocando em prática saberes das áreas de Matemática, Linguagens e Ciências Humanas? Conheça a seguir o projeto da EJA, Aquecendo Corações!  Aquecendo Corações com a EJA Ao longo de dois meses, os estudantes da EJA Profissionalizante da Escola S, em Caçador, envolveram-se no planejamento e produção do projeto que resultou em um grande ato de solidariedade.  A EJA Profissionalizante de Caçador é uma parceria da Escola S, SESI SENAI, com a Prefeitura do município. Com orientação dos professores Jakline Danielli Schuler, Maike Zeigler e Wagner Severgnini, o projeto Aquecendo Corações doou alimentos, produziu e entregou marmitas de sopas nutritivas a 80 famílias do município, beneficiando mais de 500 pessoas em situação de vulnerabilidade social. Professores Wagner Severgnini, Jakline Schuler e Maike Zeigler Com o objetivo de aplicar competências das áreas de Matemática, Linguagens e Ciências Humanas, os alunos da Educação de Jovens e Adultos participaram ativamente de todas as etapas do projeto, realizando o gerenciamento e a organização de todo o processo operacional, como a produção, armazenamento e distribuição. Além disso, desenvolveram habilidades voltadas ao empreendedorismo. Mas o principal resultado foi a solidariedade e a cidadania exercidas pelos estudantes, que puderam ver nos olhos das famílias que receberam as sopas o quanto um simples gesto pode fazer a diferença. Muito mais do que a doação de sopas, o Aquecendo Corações foi um projeto de solidariedade. A Educação de Jovens e Adultos da Escola S Na EJA da Escola S, do SESI SENAI, o conhecimento promove o desenvolvimento pessoal e profissional. Com ensino profissionalizante, a certificação é dupla. Ou seja, os jovens e adultos que não conseguiram concluir seus estudos na educação básica, cursam o Ensino Fundamental ou Médio enquanto realizam um curso de Qualificação Profissional. Além disso, o ensino é híbrido. Isto é, as aulas acontecem 80% em formato EaD, à distância, e 20% presencial, com aulas presenciais até duas vezes por semana. Assim, é possível concluir os estudos em até 13 meses letivos. 3 motivos para escolher a EJA da Escola S Flexibilidade de ensino. Conclusão em até 13 meses letivos. Gratuita para trabalhadores da indústria. Como levar a EJA para a sua empresa ou município? Você sabia que a EJA Profissionalizante oferece a possibilidade de abertura de turmas in company? Isso mesmo! As aulas podem ser realizadas tanto nas dependências do SESI/SENAI da sua cidade, como na sua empresa. Além de ser gratuita para os trabalhadores da indústria, a EJA Profissionalizante da Escola S possui mais de 20 cursos de qualificação profissional para garantir que as necessidades da indústria catarinense sejam atendidas.  Quer conhecer todas as opções de cursos disponíveis e saber como levar a EJA para a sua empresa? Clique no banner abaixo! 👇

Guia de cursos EaD reconhecidos pelo MEC para fazer em 2022
Cursos Técnicos

Guia de cursos EaD reconhecidos pelo MEC para fazer em 2022

01/07/2022 • 5 min de leitura

  Na hora de escolher um curso à distância, é preciso saber se a instituição pretendida possui boa reputação, atende aos requisitos de qualidade e, principalmente, se os cursos são reconhecidos pelo MEC.  A educação à distância já é uma realidade no Brasil, seja para cursos técnicos ou até mesmo graduação. Aliás, segundo pesquisa do Inep, o número de novos alunos em cursos superiores na modalidade à distância, de 2009 a 2019, foi de 330 mil estudantes para mais de 1 milhão e meio –  um aumento de 378,9%.  Considerando este cenário, você já deve imaginar o boom de universidades e escolas ofertando o ensino à distância, certo? Mas fique atento: se formar em uma instituição que não possui reconhecimento do MEC pode atrapalhar a sua carreira profissional. Leia também ++ Estudar em casa: 8 dicas de como aumentar o desempenho Afinal, o que é o MEC e por que é importante o curso ser reconhecido por ele? MEC é sigla para Ministério da Educação. Ele é o órgão do governo federal responsável por todo o sistema de educação do Brasil – do ensino fundamental ao ensino superior. É encarregado de elaborar e executar o Programa Nacional de Educação (PNE). Quando um curso não é reconhecido pelo MEC, ele não tem validade. Ou seja, você não pode exercer a profissão Para ajudar você a encontrar um curso válido, separamos aqui uma lista com opções de cursos técnicos e superiores que possuem reconhecimento do MEC. Confira! Como saber se um curso EaD é reconhecido pelo MEC? Para saber se seu curso EAD é reconhecido pelo MEC, acesse o site e-Mec e clique em “Consulta Avançada”, conforme imagem abaixo. Depois, é só seguir os passos: Em “Buscar por”, selecione “Curso de graduação” ou “Curso de especialização”; Em seguida, preencha com o nome, sigla, ou código da instituição; Em “Modalidade”, selecione “A distância”; Se desejar, escolha o grau do curso; Preencha o código de verificação e valide-o clicando em “Pesquisar”. Os resultados da pesquisa aparecerão logo abaixo e, neles, você pode conferir o índice de cada curso, suas vagas anuais e data de início.  Se você quer saber se um curso é reconhecido pelo MEC, independente de ser EaD ou presencial, siga o mesmo procedimento e deixe o campo “Modalidade” sem seleção.  8 Cursos EaD reconhecidos pelo MEC Existem diversos cursos à distância que possuem reconhecimento do Ministério da Educação. Com essa lista em mãos, você poderá ter a certeza de que se matriculará em um curso de excelência reconhecido nacionalmente, com diploma válido e advindo de uma instituição de renome.  Então, aproveite a flexibilidade que a modalidade à distância oferece e descubra qual o melhor curso para você! Cursos tecnólogos EaD reconhecidos pelo MEC Antes de escolher um curso superior EaD, é preciso lembrar que existem 3 tipos de graduação, a licenciatura, o tecnólogo e o bacharelado. Para o curso superior em tecnologia, as vantagens são inúmeras, como foco na prática de mercado e menor tempo de duração. Veja 2 cursos tecnólogos à distância que estão em alta e vão alavancar sua carreira em 2022: Análise e Desenvolvimento de Sistemas Área: TI Duração: 5 semestres A graduação neste curso permite que o tecnólogo explore a tecnologia da informação e comunicação com muito mais qualidade, raciocínio lógico e autonomia intelectual.  Você aprenderá temas como: lógica de programação, segurança da informação, banco de dados, engenharia de software, arquitetura e design de software, computação em nuvem, desenvolvimento de dite, big data & analytics. Leia também ++ Análise e Desenvolvimento de Sistemas: entenda por que o curso é uma ótima opção em 2022 2. Sistemas Para Internet Área: TI Duração: 5 semestres Nesse curso, você vai aprender a desenvolver e gerenciar projetos de sistemas para internet, utilizando tecnologias emergentes, boas práticas de usabilidade, normas e padrões de qualidade e de segurança da informação. O profissional de Sistemas para Internet está presente em todos os serviços de tecnologia: é ele quem cria e desenvolve aplicações para web como e-commerces, por exemplo. Você estará capacitado para atuar em empresas dos setores industriais, de serviços, serviços públicos e instituições de ensino e pesquisa. Leia também ++ Sistemas para Internet: salário, curso e mercado de trabalho Cursos técnicos EaD reconhecidos pelo MEC O reconhecimento do Ministério da Educação para os cursos técnicos também é essencial para garantir a qualidade e solidez do curso, além de garantir a validade do diploma, assim como acontece na graduação. Veja a seguir a lista de cursos técnicos EaD ou semipresenciais: 3. Administração 4. Desenvolvimento de Sistemas 5. Logística 6. Qualidade 7. Segurança do Trabalho 8. Planejamento e Controle de Produção Independente da área, lembre-se de considerar e analisar a grade curricular do curso técnico EaD ou semipresencial escolhido. Leia também ++ Tudo o que você precisa saber sobre logística Cursos Rápidos EaD reconhecidos pelo MEC Os cursos rápidos são para quem não quer fazer uma graduação ou curso técnico neste momento. São cursos de curta duração e estão focados em necessidades profissionais específicas. Ou seja, para quem busca aperfeiçoar e desenvolver trabalhos voltados para a área ou tema escolhido. Confira algumas opções de cursos rápidos 100% EaD reconhecidos pelo MEC, que você se matricula e pode começar imediatamente: Design Thinking Excel Básico Excel Intermediário Ferramentas Google Gestão de Projetos Vendas de Alta Performance Qualidade e Produtividade Cultura Lean Docente Digital Marketing Digital 7 Ferramentas da Qualidade Gestão da Manutenção Manufatura Enxuta Planejamento e Controle da Produção Tecnologias 4.0 no Contexto da Indústria Scrum Leia também ++ Curso rápido: o que é, quem pode fazer e opções para você se destacar O que o MEC diz sobre a modalidade EaD O Ministério da Educação autorizou o ensino a distância e instituiu políticas de garantia de qualidade para a modalidade através do Decreto 5.622, de 19 de Dezembro de 2005. Neste contexto, é importante mencionar que existe uma diferença entre a instituição obter a autorização para oferecer cursos EAD e ter os cursos EAD reconhecidos pelo MEC. O que acontece é que, após enviados os documentos e finalizado o credenciamento da instituição para o EAD, ela já fica habilitada a criar cursos superiores nesta modalidade, sem a necessidade de autorização do MEC – e submete-se apenas aos processos de reconhecimento. Mas nem todas as graduações se enquadram nessa situação. Assim, o Ministério da Educação ressalta que, “conforme o § 2o do Art.28 do Decreto 5773 de 09 de maio de 2006, a criação de cursos de graduação em direito, medicina, odontologia e psicologia, inclusive em universidades e centros universitários, deverá ser submetida, respectivamente, à manifestação do Conselho Federal da Ordem dos Advogados do Brasil ou do Conselho Nacional de Saúde.” Avaliação do MEC para cursos EaD Para que uma instituição de ensino seja credenciada e possa oferecer cursos válidos a distância, existem alguns referenciais de qualidade definidos pelo Ministério da Educação que norteiam a avaliação. São eles: Concepção de educação e currículo no processo de ensino e aprendizagem; Sistemas de comunicação; Material didático; Avaliação; Equipe multidisciplinar; Infraestrutura de apoio; Gestão acadêmico-administrativa; Sustentabilidade financeira. É importante frisar que, apesar disso, não existe um modelo único de EAD e cada sistema possui sua própria complexidade. E então, conseguiu encontrar a sua escolha entre os cursos EAD reconhecidos pelo MEC? Para fazer com que todos os seus anos de dedicação sejam admitidos, e, mais que isso, abram portas profissionais significativas a você, faça sua matrícula em uma instituição de ensino como o SENAI – o complexo de educação que possui cursos EAD com a mesma qualidade do presencial. 

Saiba tudo sobre a profissão de assistente administrativo e descubra se ela é para você!
Cursos Rápidos

Saiba tudo sobre a profissão de assistente administrativo e descubra se ela é para você!

24/06/2022 • 3 min de leitura

  Você está buscando uma profissão que lhe permita atuar nas mais diversas áreas do mercado e que ofereça muitas oportunidades? Então, o cargo de assistente administrativo pode ser o que você procura!  Muito buscado pelas empresas e organizações, o assistente administrativo atua como uma espécie de suporte na gestão de empresas, trabalhando essencialmente nos setores financeiro, comunicacional, de logística e nos processos operacionais.   Esse profissional é fundamental para garantir o pleno funcionamento de muitos negócios e, por isso, vagas são abertas constantemente, não faltando oportunidades para quem quer ingressar na área administrativa. Quer saber se essa é a profissão ideal para você? Acompanhe o texto abaixo e descubra quais habilidades você precisa ter para atuar nela, como se qualificar e como está o mercado de trabalho atualmente. E mais: saiba também a diferença entre assistente administrativo e auxiliar administrativo.  Boa leitura! O que faz um assistente administrativo? Como um assistente administrativo você será responsável pelas demandas administrativas da empresa. Sua rotina de trabalho pode ser bastante diversificada e contar com algumas atividades como: Suporte às demandas operacionais; Atendimento aos fornecedores e clientes; Gerenciamento de arquivos, cadastros e documentos recebidos ou enviados; Apoio no controle de contas, correspondências, emissão ou lançamento de nota fiscal; Elaboração de planilhas e relatórios gerenciais; E muito mais! As possibilidades são inúmeras. Além do trabalho de auxiliar os gestores e líderes, esse profissional comumente também realiza atividades de apoio a outras áreas, principalmente recursos humanos, marketing e financeiro. É possível me tornar um assistente administrativo sem fazer um curso superior? Sim! Você irá encontrar vagas para assistente administrativo em que o único pré-requisito de formação é ter o Ensino Médio completo. Porém, se você deseja se destacar no mercado de trabalho e crescer na carreira, é altamente recomendável fazer um curso rápido de assistente administrativo ou um curso técnico em administração. O que é preciso para ser um assistente administrativo? Além de ter uma boa comunicação e ser uma pessoa que gosta de organização, você também precisará estar bastante familiarizado com a tecnologia. Afinal, as rotinas administrativas, em sua grande maioria, vão envolver o uso de conhecimentos em programas de informática, como o Word e o Excel. Além disso, agilidade, responsabilidade, boa memória e facilidade para lidar com números são algumas habilidades bastante importantes para a função. Além das competências que listamos acima, ter algum conhecimento em inglês não é obrigatório, mas lhe garante um bom diferencial nos processos seletivos. Como me tornar um assistente administrativo? A melhor maneira de ingressar na área é fazendo um curso técnico ou rápido, pois com uma dessas qualificações seu currículo ganhará mais credibilidade, você desenvolverá as competências buscadas pelas empresas e aumentará suas chances de ser contratado(a).  Qual a diferença entre auxiliar administrativo e assistente administrativo? De modo geral, o assistente administrativo exerce funções mais complexas do que o auxiliar administrativo. O assistente normalmente cumpre as funções mais complexas e atua diretamente ao lado dos gestores. Já para a função de auxiliar administrativo, as funções comumente delegadas são de atendimento, controle e preenchimento de planilhas e documentos, organização de arquivos e registros, entre outras atividades burocráticas semelhantes. Outro ponto a se destacar também é que é bastante comum que as empresas exijam uma qualificação para o cargo de assistente administrativo. E, por conta disso, sua a remuneração é mais alta do que a de um auxiliar. Mercado de trabalho para assistente administrativo Por ser uma função extremamente essencial na maioria das empresas e organizações, existem muitas oportunidades de trabalho para os profissionais nos mais diversos setores da economia, conforme já foi citado anteriormente. Mas fica a dica: uma qualificação vai lhe garantir as melhores colocações, mais oportunidades de crescimento e, é claro, um salário maior. Também existem muitas vagas disponíveis em órgãos públicos. Mas, nesses casos, é necessário ser aprovado em um concurso público para atuar na função.   Como você pode perceber, a carreira de assistente administrativo pode abrir muitas portas para quem está buscando uma profissão. E não esqueça: se você quer tornar-se um profissional qualificado e ganhar destaque nos processos seletivos, conte com a instituição de ensino que é referência mundial em ensino profissionalizante! Vem pro SENAI! 💙

Estudar em casa: 8 dicas de como aumentar o desempenho
Metodologias

Estudar em casa: 8 dicas de como aumentar o desempenho

17/06/2022 • 4 min de leitura

  O isolamento social dos últimos anos, decorrente da covid-19, mudou não só a forma como nos relacionamos, a forma como compramos ou como trabalhamos. Um dos maiores impactos foi na educação.  O ensino a distância, que era uma realidade de poucas pessoas, passou a se tornar uma realidade para a maioria que tinha algum curso em andamento ou até mesmo a escola ou a faculdade. Leia também ++ A importância do ensino a distância na sociedade: entenda mais sobre a modalidade Quais as maiores vantagens de estudar em casa? Diante desse cenário citado acima, foi possível avaliar os prós e os contras dessa modalidade de ensino que é preferida pela maioria das pessoas: o ensino à distância. Mas, você sabe quais são os maiores benefícios de estudar em casa? Confira: Flexibilidade: flexibilidade para estudar de onde quiser e a hora que quiser são os maiores destaques do ensino à distância, isso porque você pode estudar de acordo com o seu ritmo de aprendizagem. Autonomia : Pessoas que estudam em casa precisam aprender a lidar melhor com a gestão do tempo e de responsabilidades, o que pode desenvolver mais autonomia para o aluno. Praticidade: Sabe-se que nem todas as pessoas moravam próximas as instituções de ensino e passavam, muitas vezes, horas em deslocamento. Com o ensino a distância, não é necessário sair de casa e se locomover até a instituição de ensino todos os dias, o que se torna mais prático e menos exaustivo. Economia: Não ter custos com transportes e lanches, principalmente, torna o ato de estudar em casa mais econômico. É importante salientar que, atualmente, os ensinos semipresenciais ou híbridos também são uma possibilidade. Quer saber mais sobre essas modalidades? Leia este conteúdo completo. Dicas para você estudar em casa Agora confira 8 dicas de como você pode criar uma rotina de estudos eficiente, estudando no conforto da sua casa e otimizando o seu tempo. 1 – Defina um local para os estudos Para iniciar sua rotina é importante escolher o melhor local para o estudo. O espaço deve ser propício para melhorar o seu desempenho, deve ter uma boa iluminação, ser arejado, silencioso e confortável. É importante que o lugar que você estuda seja diferente do lugar que você tem lazer, ou dorme (como a sua cama, por exemplo). Pode ser no mesmo cômodo, mas é importante que você crie um microambiente propício para os estudos e sem distrações. 2 – Tenha metas Organize o seu tempo, faça um cronograma e defina metas. As metas podem ser um número de páginas que você vai ler e depois escrever para fixar. Pode ser uma quantidade de tempo que você vai estudar sem pausas ou um número de exercícios que você vai resolver naquele dia. Veja o que funciona para você. 3 – Se organize! Organização é a chave para um bom desempenho em qualquer coisa que você se proponha. Saiba quais são os conteúdos que você vai estudar hoje, qual horário você vai estudar, quanto tempo você vai dedicar para cada atividade, se planeje para os próximos dias e não deixe nada para cima da hora. 4 – Atenção às videoaulas!  Sempre que estiver assistindo uma aula, sendo ela ao vivo ou não, lembre-se de sempre anotar os principais pontos abordados. Tenha um caderno, como você fazia na escola e em cursos presenciais em geral! Facilita muito para fixar o conteúdo e saber o que estudar para as provas e atividades. Leia também ++ Conheça opções de Cursos Técnicos EaD para fazer ainda este ano 5 – Tenha constância Evite acumular matérias e aulas. É mais produtivo que você estude todos os dias, de segunda à sexta. durante 1 hora, do que deixe para estudar no sábado 5 horas seguidas. Isso vai ajudar você a criar o hábito de estudar, a fixar melhor os conteúdos e deixar a procrastinação de lado! 6 – Seja responsável Estudar em casa traz mais liberdade e menos cobranças. Isso não quer dizer que, porque não tem alguém cobrando você, você não vai fazer, certo? Ir bem nas matérias e provas é algo que é relevante apenas para a sua vida. Então, crie essa responsabilidade, não procrastine. Entregue os trabalhos nos dias, assista às aulas, faça as provas. Mostre que você é responsável e tem autonomia diante da sua própria vida e futuro. 7 – Evite distrações, mantenha o foco Um dos maiores desafios de estudar em casa é não se deixar levar pelas distrações do dia a dia: celular, redes sociais, séries, conversas com amigos e familiares, procrastinação… As possibilidades de distração são ainda maiores do que nas instituições de ensino presenciais, por isso, essa dica vem de encontro a todas as outras: se você tem um local para estudar, metas, organização e for responsável com as suas atividades diárias, as distrações se tornam cada vez menos atrativas. Mas você também pode separar horários do seu dia para mexer no celular, assistir o episódio de uma série ou fazer qualquer outra coisa que você queira. O importante é não substituir as responsabilidades por prazeres e sim equilibra-los. 8 –  Faça intervalos Como falamos, equilíbrio é o segredo.  Desenvolver o hábito de inserir pequenos intervalos durante a rotina de estudos é essencial pois se torna menos cansativo e mais prazeroso. Saber que você vai estudar durante 1 hora e depois poderá fazer 20 minutos do que quiser, por exemplo. Estabeleça esse tempo de descanso ou lazer entre uma matéria e outra. Antes de começar um novo conteúdo, reserve um tempo para você! Beba água, vá ao banheiro, alongue as pernas ou até mexa no celular! Assim, você tornará sua rotina de estudos mais leve e eficaz, contribuindo também para  a sua saúde mental,  fazendo com que você seja mais constante. Gostou? Veja opções de cursos EaD de uma das melhores instituições de ensino do mundo: o SENAI. Coloque SENAI no seu currículo e ingresse no mercado de trabalho. Cursos de diversas modalidades com o certificado sem distinção dos certificados de cursos presenciais. Escolha o seu curso agora e transforme o seu futuro.