Carreira em Design de Produto: saiba o que faz e quanto ganha esse profissional
Graduação

Carreira em Design de Produto: saiba o que faz e quanto ganha esse profissional

22/12/2023 • 3 min de leitura

Uma cadeira ergonômica altamente confortável. Um frasco de azeite de oliva inteligente que dosa o produto com precisão. Uma lixeira com tampa que se fecha suavemente com apenas um toque. O profissional por trás dessa combinação de arte, ciência e tecnologia é o especialista em Design de Produto, uma carreira em ascensão repleta de oportunidades promissoras no Brasil. Primeiramente, o especialista em Design de Produto trabalha incorporando funcionalidade, estética e uma experiência de usuário excepcional para que os novos produtos não sejam apenas visualmente agradáveis, mas também intuitivos e adaptados às necessidades do cliente. O que faz um especialista em Design de Produto? O tecnólogo em Design de Produto se prepara principalmente para ser um solucionador de problemas criativo que usa a sua inteligência, empatia e habilidades técnicas para projetar produtos que atendam às necessidades dos usuários. Em outras palavras, o designer de produto assume a responsabilidade por todas as fases do processo de desenvolvimento, desde a concepção até a produção. Nesse sentido, as principais atividades do Designer de Produto envolvem: Concepção e desenvolvimento: criar e desenvolver ideias inovadoras para produtos, levando em consideração a funcionalidade, usabilidade e apelo estético. Prototipagem e modelagem: transformar conceitos em realidade, criando protótipos e modelos que podem ser testados e refinados. Pesquisa de mercado: analisar tendências, necessidades do consumidor e a concorrência para criar produtos que atendam às demandas do mercado. Colaboração com equipes multidisciplinares: trabalhar em conjunto com engenheiros, especialistas em marketing e outros profissionais para garantir a viabilidade e o sucesso do produto. Aprimoramento contínuo: acompanhar as evoluções tecnológicas, novos materiais e tendências de design para inovar. Em resumo, o designer de produto desempenha um papel multifacetado, integrando criatividade, pesquisa e execução para criar soluções que satisfaçam as expectativas dos usuários e se destaquem no mercado. Essa abordagem holística garante que o produto seja funcional, atraente e um sucesso em seu lançamento. Leia também: ++ O que é Design Thinking e como aplicá-lo Como está o mercado para especialistas em Design de Produto no Brasil? Da indústria de móveis à tecnologia, a demanda por designers de produto no Brasil é bastante promissora. Em um cenário em que as empresas buscam constantemente se destacar e cativar os consumidores, o design de produto tornou-se uma peça-chave na estratégia de negócios. O estudo Global Talent Shortage Survey revelou que o Brasil é o segundo país do mundo com maior déficit de profissionais qualificados em design, com 42% das empresas brasileiras relatando dificuldades para preencher vagas nessa área. Já uma pesquisa da empresa de consultoria McKinsey & Company descobriu que empresas que investem em design de produto têm uma probabilidade 32% maior de serem líderes em inovação. No mesmo sentido, o Instituto Gartner avaliou que 89% dos consumidores estão dispostos a pagar mais por um produto bem projetado. Como você viu, esses dados reforçam a importância do profissional dessa área e comprovam que o mercado reconhece a importância do design de produto não apenas como um elemento estético, mas como um diferencial competitivo que agrega valor. Leia também: ++ Quais são as áreas e profissões do futuro? Quanto ganha um profissional em Design de Produto? O salário de um designer de produto no Brasil varia de acordo com a experiência e a região.  Segundo o Portal Educa Mais, um profissional iniciante pode receber, em média, R$ 4 mil, enquanto um designer sênior em uma posição de destaque pode alcançar salários de até R$ 10 mil. A criatividade e a habilidade de traduzir ideias em soluções eficientes é bastante valorizada, o que acaba refletindo em remunerações mais elevadas conforme o profissional ganha reconhecimento e experiência. Onde um Designer de Produto pode atuar? A versatilidade do design de produto permite que profissionais atuem em diversas áreas, sendo as principais:         Indústrias de mobiliário e decoração         Indústria automotiva         Equipamentos industriais         Tecnologia e Eletrônicos         Moda e acessórios         Empresas de design e consultorias         Startups e empreendedorismo Leia também: ++ Conheça as 5 áreas em Design de Moda mais promissoras Inicie sua carreira em Design de Produto com o UniSENAI Se você está interessado em trilhar o caminho promissor do design de produto, invista em uma formação sólida. Nesse sentido, o UniSENAI oferece a Graduação Tecnológica em Design de Produto, permitindo que você desenvolva suas habilidades de forma flexível e adaptada ao seu ritmo.  Leia também: ++ EaD ou presencial: qual modalidade escolher? Assim, em apenas dois anos, preparamos você para ingressar no mercado do design com uma abordagem interdisciplinar que incorpora elementos de inovação, empreendedorismo e serviços. Essa metodologia possibilita o desenvolvimento de uma compreensão abrangente do design de produtos e serviços, capacitando o profissional a propor sistemas produto-serviço inovadores. Concluindo, isso é essencial para atender a uma sociedade cada vez mais consciente de seu consumo. Confira aqui os cursos com inscrições abertas do UniSENAI.digital e aproveite as aulas EaD.

Redes de Computadores: saiba tudo sobre carreira e salários em 2024
Graduação

Redes de Computadores: saiba tudo sobre carreira e salários em 2024

15/12/2023 • 3 min de leitura

Você consegue imaginar uma empresa ou organização que não dependa de computadores nos dias atuais? A resposta é simples: não é possível. A digitalização está transformando todos os setores da economia, e as redes de computadores são essenciais para o funcionamento dessa transformação. Por isso, o mercado de trabalho para especialistas dessa área está em alta e as oportunidades de emprego são promissoras! A seguir, vamos explorar o que a formação em Redes de Computadores envolve, as oportunidades de atuação no Brasil e qual é o potencial salarial ao optar por essa carreira. O que faz um especialista em Redes de Computadores? Antes de tudo, o profissional especializado em Redes de Computadores é responsável por garantir o funcionamento eficiente e seguro das redes de computadores de empresas, organizações e instituições de todos os portes. A princípio, ao escolher essa carreira, você poderá atuar em diversas áreas, como:         Planejamento e design das redes, desenvolvendo projetos que atendam às necessidades dos clientes;         Instalação e configuração, implementando os componentes de rede, como switches, roteadores, servidores e firewalls;         Manutenção e monitoramento contínuo do desempenho das redes para identificar e resolver problemas;         Desenvolvimento e implementação de políticas de segurança de rede, utilizando medidas avançadas, como firewalls e criptografia, para proteger contra ameaças cibernéticas;         Treinamento e suporte aos usuários para garantir o uso adequado da rede. O profissional de redes de computadores desempenha um papel estratégico que garante a estabilidade operacional e a segurança dos dados. Sobretudo, sua atuação vai desde a concepção da rede até a manutenção contínua, com foco na adaptação às mudanças constantes do ambiente tecnológico. Leia também: ++ Curso técnico em TI: conheça as possibilidades Mercado para especialistas em Redes de Computadores no Brasil Da indústria à prestação de serviços, da saúde ao governo e até à agricultura, os especialistas em Redes de Computadores são indispensáveis para a economia brasileira. Leia também: ++ Saiba tudo sobre o curso superior em Análise e Desenvolvimento de Sistemas E não só aqui: a área de TI, que envolve diversas especializações, está entre as mais aquecidas globalmente. A pesquisa anual do LinkedIn apontou que 10 dos 25 cargos que mais apresentaram crescimento no Brasil em 2023 são relacionados à tecnologia da informação, incluindo a área de Redes de Computadores. Dessa forma, isso ocorre porque as empresas estão investindo em tecnologia para melhorar a produtividade, a eficiência e a competitividade.  No entanto, há um déficit de talentos na área. De acordo com a Brasscom (Associação Brasileira das Empresas de Tecnologia da Informação e Comunicação), o mercado de tecnologia vai demandar 797 mil talentos até 2025. Com o número de formandos abaixo da procura, a projeção é de um déficit anual de 106 mil talentos. A crescente demanda por profissionais de redes de computadores está impulsionando salários mais altos e benefícios mais atraentes. Leia também: ++ Sistemas para Internet: salário, curso e mercado de trabalho Quanto ganha um profissional da área de Rede de Computadores? Segundo o Portal Educa Mais Brasil, a remuneração média de um tecnólogo em Redes de Computadores sênior pode variar entre R$ 6.922,99 e R$ R$ 8.653,74 em grandes empresas. À medida que você acumula experiência e atualizações constantes, os ganhos podem ser ainda maiores. Se optar por essa carreira, você poderá trabalhar em setores diversos, como:         Empresas privadas;         Organizações governamentais;         Instituições de ensino;         Empresas de tecnologia;         Bancos;         Consultorias. Como as redes de computadores são baseadas em padrões e tecnologias comuns em todo o mundo, as habilidades e conhecimentos adquiridos em um curso de tecnólogo em Redes de Computadores no Brasil são geralmente aplicáveis internacionalmente. Assim, você poderá aplicar seu currículo para vagas no Exterior! No entanto, é importante estar ciente de que alguns requisitos específicos de qualificações e certificações podem variar de país para país. Por exemplo, alguns países podem exigir que os profissionais de redes tenham uma certificação específica, além do domínio do idioma local. Amplie suas escolhas na área de Tecnologia da Informação Se você está interessado em uma carreira em TI, já deve ter percebido que o setor é amplo e competitivo. Em outras palavras, precisará se esforçar desde agora para se destacar! O mercado de tecnologia da informação está em alta e as oportunidades de emprego são promissoras. No entanto, para se destacar, é importante ter uma formação sólida e conhecimentos em diferentes áreas. Nesse sentido, a formação em Redes de Computadores é uma capacitação com excelentes perspectivas, e se você quer atuar nessa área, é importante se especializar e se diferenciar da concorrência, ampliando suas chances de sucesso no mercado de trabalho. Leia também: ++ EaD ou presencial: qual modalidade escolher? O UniSENAI.digital oferece cursos de TI em diversas áreas, por exemplo: Defesa Cibernética, Análise e Desenvolvimento de Sistemas, Redes de Computadores, Ciência de Dados e Inteligência Artificial. Os cursos são 100% online e oferecem flexibilidade para que você possa estudar no seu tempo. Confira aqui os cursos com inscrições abertas do UniSENAI.digital e aproveite as aulas EaD.

O que é Defesa Cibernética e quais são as projeções para a área?
Graduação

O que é Defesa Cibernética e quais são as projeções para a área?

01/12/2023 • 3 min de leitura

Você deve perceber que o mundo está cada vez mais digitalizado e os dados pessoais circulam em diversos bancos de dados a todo o momento. Informações bancárias, públicas ou sigilosas transitam a todo o instante através da internet. E como garantir a segurança disso tudo? Se você quer saber o que é Defesa Cibernética e ter acesso a informações importantes sobre o mercado de trabalho, continue sua leitura! Transações financeiras, investimentos, compras digitais e serviços em geral dependem da internet para que o processo seja concluído de forma correta e segura. Cada vez mais bancos digitais – conhecidos como fintechs – assumem posições importantes e superam organizações tradicionais. Além disso, o e-commerce brasileiro cresce a cada ano, já que as pessoas se acostumaram a comprar no conforto de seus lares, sem enfrentar trânsito, nem filas. E onde entra a Defesa Cibernética nesse cenário? Mas afinal, o que é Defesa Cibernética? A Defesa Cibernética – ou Cibersegurança – é a área da Tecnologia da Informação (TI) que se dedica a tecnologias e práticas para proteger sistemas e bancos de dados contra ameaças digitais. Essas ameaças estão presentes no cotidiano de qualquer usuário e são encontradas em forma de phishing, malware, dentre outras ações de hackers. Leia também: ++ As cinco linguagens de programação mais utilizadas Para isso, os especialistas em Defesa Cibernética atuam diariamente para proteger os sistemas computacionais e defender dados importantes no meio digital. Essa proteção acontece por meio de ações importantes, como: Criptografia; Firewall; Análises de comportamentos; Técnicas avançadas de evasão; Segurança em blockchain e criptomoedas; Seguranças em sistemas; E muitas outras estratégias. Mercado de Defesa Cibernética no Brasil Agora que você já sabe o que é Defesa Cibernética e Cibersegurança, que tal entender um pouco mais sobre este mercado no Brasil? A TI é uma das áreas do conhecimento que mais tem crescido nos últimos anos em todo mundo! Dessa maneira, esse cenário se dá principalmente em função das demandas por sistemas informatizados nas organizações. Dos 25 cargos que mais crescem no Brasil em 2023, segundo o LinkedIn, pelo menos 10 são profissões relacionadas à TI: Analista de Desenvolvimento de Sistemas, Engenheiro de Dados e Engenheiro de Cibersegurança estão entre as profissões mais procuradas no mercado nacional.  Levantamento realizado pela Associação das Empresas de Tecnologia da Informação e Comunicação (TIC) e de Tecnologias Digitais (Brasscom) aponta que as empresas de tecnologia vão demandar 797 mil talentos de 2021 a 2025. No entanto, com o número de formandos abaixo da demanda, a projeção é de um déficit anual de 106 mil talentos – 530 mil em cinco anos. Leia também: ++ Sistemas para Internet: salário, curso e mercado de trabalho Ou seja, o mercado de trabalho está aquecido e em busca de especialistas que dominem a Defesa Cibernética! Quanto ganha um profissional de Defesa Cibernética? De acordo com o Portal Educa Mais Brasil, a remuneração de um tecnólogo em Defesa Cibernética pode atingir R$ 10.380,41 para cargo sênior em uma grande empresa. Contudo, para superar estas remunerações, é preciso estar em constante aperfeiçoamento. O profissional que opta por seguir esta carreira pode trabalhar em diferentes setores. Confira alguns: Empresas de tecnologia; Startups; Consultorias; Bancos; Empresas de telecomunicações; Logística. Os profissionais desta área podem optar por atuação autônoma, CLT ou serviço público. Além disso, as possibilidades de trabalho passam pelos regimes presencial, híbrido ou 100% remoto. Também é importante que você considere a possibilidade de construir uma carreira fora do país. Pelo fato de a maioria das vagas serem remotas, é possível se candidatar a vagas no exterior. Para isso, é imprescindível ter o domínio da Língua Inglesa, participar de fóruns e eventos na área da TI e manter o seu LinkedIn ativo e atualizado. Mais opções em Tecnologia da Informação Assim, após saber o que é Defesa Cibernética e ter acesso a dados importantes sobre mercado de trabalho, é importante que você também leve em consideração que a área de TI é muito abrangente e concorrida. Leia também: ++ Análise e Desenvolvimento de Sistemas: entenda por que o curso é uma ótima opção Além da Defesa Cibernética, você também pode se especializar em áreas complementares, como Análise e Desenvolvimento de Sistemas, Redes de Computadores, Ciência de Dados e Inteligência Artificial, dentre outras formações. Confira aqui os cursos com inscrições abertas do UniSENAI.digital e aproveite as aulas EaD.

Quando é a Black Friday no Brasil? Saiba tudo sobre a data

Quando é a Black Friday no Brasil? Saiba tudo sobre a data

14/11/2023 • 4 min de leitura

Todo mundo sabe que novembro é o mês dos descontos. Com a proximidade das festas de fim de ano e o pagamento de direitos trabalhistas, como o 13º salário, grandes empresas aproveitam o momento para ofertar seus produtos e serviços com promoção.  De uns anos para cá, um termo se popularizou nesta época do ano: a Black Friday. Mas afinal, o que é a Black Fiday? O nome em inglês já indica uma origem estrangeira e, por isso, causa outra dúvida: e quando é a Black Friday no Brasil?  Quer descobrir tudo isso e ainda conferir algumas dicas para não cair em golpes nestas ações comerciais? Então continue lendo esse conteúdo.    Qual é a origem da Black Friday? A origem deste termo nos leva aos Estados Unidos, mais especificamente na Filadélfia, na década de 1960. Foi nesse período que a expressão “Black Friday” foi usada pela primeira vez, para se referir ao congestionamento ocasionado pelas compras que antecedem o Dia de Ação de Graças. Vale lembrar que, neste período, o termo black (preto) foi empregado com uma conotação racista, ao relacionar a cor de pele com o caos que as aglomerações criavam.  Depois de alguns anos, o termo ganhou uma nova perspectiva. Nela, é enfatizado o êxito dos comerciantes. Isso porque, na cultura norte-americana, quando há prejuízo, os números estão no vermelho. Porém, quando há lucro, “os números ficam no preto”. Os termos “preto” e “vermelho” se referem às cores das canetas usadas nos cadernos contábeis. Algo parecido com deixar “as contas no azul”, como dizemos no Brasil. Com o passar do tempo, a Black Friday se popularizou nos Estados Unidos com descontos significativos e muitas promoções sendo oferecidas pelas lojas. O movimento acabou se espalhando para outros países, como o Brasil, e hoje, já é tradição esperar pelos descontos que as empresas oferecem nos últimos meses do ano.    Mas afinal, quando é a Black Friday no Brasil?  A ação é sempre realizada na última sexta-feira de novembro. A data acaba sendo a mesma da Black Friday norte-americana e está relacionada ao feriado de Ação de Graças. Porém, com a concorrência acirrada, muitas empresas optam por antecipar os descontos, já colocando seus produtos e serviços em oferta no começo de novembro.  E agora, quando será a Black Friday em 2023? A última sexta-feira do mês, neste ano, será no dia 26 de novembro. É bom ficar atento porque essa não é a última semana do mês, mas sim a última sexta.    Como evitar cair em golpes? Antes de fazer qualquer compra online, é muito importante tomar algumas precauções. As dicas valem para o ano inteiro, mas a prevenção deve ser reforçada em grandes ações, como é o caso da Black Friday. Confira algumas formas de evitar golpes e ter uma experiência de compra segura e satisfatória neste momento do ano: Pesquise antes Se você tem algum produto ou serviço em mente, faça pesquisas antes da Black Friday para saber a média dos preços normais. Se achar melhor, anote ou registre em uma planilha para comparar com os valores das promoções de novembro. Isso ajudará a saber se os descontos são reais ou não.    Compre de sites confiáveis Essa dica é muito valiosa e vale para qualquer época do ano. Prefira sempre comprar de sites e empresas que você sabe que existem e são sérias. É sempre bom prestar atenção em sites desconhecidos e que oferecem preços bons demais para serem verdadeiros.  Verifique a segurança do site Existem algumas estratégias para garantir que você está comprando em sites confiáveis. Uma delas é verificar se o endereço começa com “https://” e se há um ícone de cadeado logo ao lado. Neste formato:  Desconfie de ofertas exageradas Você já deve ter ouvido por aí a expressão “não existe almoço grátis”. Lembre-se sempre dela ao ver promoções exageradas ou que pareçam sair “quase de graça”. Se ver algum anúncio deste tipo, preste atenção nos outros indícios apontados aqui e pesquise o produto em buscadores, como o Google, para confirmar.  Procure por comentários e avaliações Hoje em dia, com a popularização das compras online, muitos usuários têm o costume de fazer avaliações e dar feedbacks sobre os produtos e serviços que consomem. Estes comentários são valiosos para ter uma percepção sobre a qualidade do que foi comprado. Eles também são ótimos para saber se o fornecedor é confiável.  Além disso, há sites especializados em receber denúncias e reclamações, como o Reclame Aqui. Estes portais fornecem notas para lojas, a partir dos relatos e experiências dos clientes.  Procure por comentários e avaliações Mantenha sempre o antivírus do seu computador atualizado. Para dispositivos móveis, o recomendado é fazer todas as atualizações no sistema operacional.  Cuidado com ofertas em e-mails desconhecidos Empresas sérias só enviam e-mails para clientes e pessoas que aceitaram receber comunicações. Por isso, fica o alerta com e-mails de sites que você não se cadastrou, que ofereçam ofertas incríveis. Não clique nos links e jamais forneça informações pessoais.  Prefira métodos de pagamento seguros Sempre que possível, opte por pagamentos que ofereçam alguma garantia, como é o caso do cartão de crédito. Os bancos e operadoras oferecem proteção contra fraudes. Além disso, sempre mantenha consigo o registro de suas transações. Como, por exemplo, confirmação de compra e recibo do pagamento.    Confira seus direitos Sempre que ficar com alguma dúvida, consulte o Código de Defesa do Consumidor. Esta legislação brasileira tem por objetivo proteger os interesses dos consumidores e equilibrar as relações de compra.    Conheça as promoções da Blue Week SESI SENAI Agora que você já descobriu quando é a Black Friday no Brasil e garantiu dicas para evitar cair em fraudes, aproveite para conferir as promoções do SESI e do SENAI.  A Blue Week será de 20 a 26 de novembro e, nesse período, você terá acesso aos maiores descontos do ano. Clique aqui para saber mais!   

Curso de Automação Industrial: quanto ganha e as possibilidades de atuação
Cursos Técnicos

Curso de Automação Industrial: quanto ganha e as possibilidades de atuação

27/09/2023 • 4 min de leitura

Desde interação em dispositivos que tornam a casa inteligente até equipamentos de biomedicina que promovem avanços na saúde, a automação industrial está presente facilitando a qualidade de vida.  Estas tendências tecnológicas colocam esta área de atuação como uma profissão promissora para os próximos anos. Mas afinal, como funciona um curso de automação industrial e quais são as possibilidades que ele oferece? Quer saber mais sobre o assunto, continue na leitura deste artigo.  Sobre o curso de automação industrial Área que combina eletrônica, informática e engenharia, a automação industrial é uma formação profissional que se ocupa da aplicação de tecnologias que controlam e otimizam os processos industriais. A automação envolve sistemas, softwares e hardware para monitoramento de operações em fábricas, refinarias, usinas, entre outros.  Esta formação inclui uma série de disciplinas, tais como: Eletrônica Industrial Programação e Controle Instrumentação Redes Industriais Robótica Industrial Sistemas de Supervisão e Controle Automação de Processos Segurança Industrial   Vale lembrar que os cursos de automação industrial podem variar no nível de complexidade. Ou seja, pode ir desde uma qualificação profissional, um curso técnico, até graduação e especializações.  Independentemente do nível do curso, o importante é que esta formação prepara para carreiras que estão em constante crescimento no mercado de trabalho. Os profissionais de automação industrial desempenham um papel fundamental na otimização e eficiência dentro das fábricas.    ++Leia também: Técnico em Mecatrônica: saiba tudo sobre a profissão O que faz um Técnico em Automação Industrial?  Este profissional trabalha para garantir que os processos de produção se tornem mais seguros, eficientes e, consequentemente, automatizados. Entre as principais responsabilidades do Técnico em Automação Industrial, estão:  Projeto e implementação de sistemas automatizados: técnicos criam sistemas para controlar equipamentos e processos industriais, tais como integração de sensores, atuadores, controladores, entre outros dispositivos.  Programação de controladores: Escrever código de programação para PLCs (Controladores lógicos programáveis), computadores industriais e outros sistemas de controle também é responsabilidade de um Técnico em Automação Industrial.  Instalação e Manutenção: os profissionais fazem instalação e configuração de sistemas nas indústrias. Além disso, também ficam responsáveis pela manutenção preventiva e corretiva, diagnóstico de problemas e resolução em caso de falhas. Ou seja, comandam todo o processo, desde a instalação até o acompanhamento que garante o funcionamento correto dos sistemas.  Integração de componentes: assim como garantir o bom funcionamento dos sistemas, os técnicos também asseguram que os componentes mecânicos, eletrônicos e o software estejam integrados e possuam um ótimo desempenho.  Resolução de problemas técnicos: como mencionado acima, quando os sistemas apresentam falhas, os profissionais precisam identificar a causa dos problemas e fazer manutenções para restaurar o funcionamento.   Melhoria contínua: a identificação de oportunidades de melhoria e desenvolvimento de projetos inovadores nos processos de automação também está no escopo dos técnicos. Isso porque esses profissionais são responsáveis pela otimização da eficiência, redução de custos e aumento da qualidade dentro da indústria.  Segurança: por fim, estes profissionais devem garantir que todos os sistemas obedeçam às normas técnicas e de segurança industrial. Este é um papel fundamental, uma vez que envolve a segurança e bem-estar de todos os trabalhadores que participam de determinado processo industrial.   Onde pode trabalhar um profissional deste setor? Quem faz um curso de Automação Industrial encontra oportunidades de trabalho em uma ampla gama de setores industriais. Confira alguns desses lugares em que o profissional pode atuar:  Indústrias de Manufatura Um dos setores mais conhecidos para profissionais de automação industrial. Os técnicos podem trabalhar em indústrias de uma grande variedade de produtos, que incluem alimentos, fármacos, produtos químicos, automóveis, eletrônicos e muitos outros. Robótica e Automação Industrial  Empresas que trabalham com robótica industrial e automação precisam contratar, com frequência, profissionais para desenhar e implementar sistemas.  Energia Termelétricas, hidrelétricas e usinas nucleares, entre outras empresas de geração de energia, são outro setor que necessitam de sistemas de automação para garantir segurança e eficiência operacional.  Biomedicina Sabia que essa área também demanda profissionais que fizeram curso de Automação Industrial? Pois é, especialmente porque a fabricação de equipamentos médicos, diagnósticos laboratoriais, entre outros serviços biomédicos, estão cada vez mais modernos e utilizando a tecnologia.  Indústria Aeroespacial A fabricação de componentes para aeronaves e sistemas de controle de voo também dependem de sistemas de automação.  Automação Residencial e Predial As pessoas vêm utilizando, cada vez mais, sistemas de automação e componentes integrados para deixar suas casas inteligentes. Além disso, edifícios também demandam sistemas integrados de tecnologia e automação. Esses fatos transformam o setor residencial em um ótimo mercado para estes técnicos.   Alimentos e Bebidas Essa área da indústria está se modernizando e dependendo, cada vez mais, de sistemas automatizados nas linhas de produção.  Pesquisa e consultoria Além das tantas opções em setores da indústria, técnicos em Automação Industrial podem desenvolver sua carreira desenvolvendo pesquisa em instituições de ensino. Outra possibilidade interessante é oferecer consultoria e soluções personalizadas em automação para empresas. Estas são só algumas das opções de trabalho que quem faz curso em Automação Industrial encontra a sua disposição. Mas vale lembrar que para se destacar no mercado de trabalho, é preciso investir em uma formação de qualidade em uma instituição de ensino com credibilidade.    ++Leia também: Entenda o que é a Indústria 4.0 e descubra por que o SENAI é referência   Quanto ganha um técnico nesta área? Diversos fatores podem influenciar na variação do salário de um técnico em Automação Industrial. Entre eles, podemos citar a localização geográfica, o nível de experiências, as qualificações, o setor em que o profissional trabalha e o tamanho da empresa.  Em média, a remuneração do profissional é de R$ 6 mil, variando entre R$ 2,3 mil e R$ 12,8 mil, conforme o site Glassdoor.    Faça um curso de Automação Industrial no SENAI O SENAI SC, instituição reconhecida com o prêmio Top of Mind em educação profissionalizante, oferece cursos de automação industrial em diversos níveis. É possível fazer uma qualificação, um curso técnico ou até mesmo uma graduação.    Confira as opções:  Cursos Profissionais Cursos Técnicos Graduação  

Pós-graduação de 6 meses: conheça tudo sobre essa modalidade
Pós-graduação

Pós-graduação de 6 meses: conheça tudo sobre essa modalidade

15/09/2023 • 3 min de leitura

Está afim de ter uma pós-graduação no currículo, mas tem receio sobre a demora em conquistar o certificado? Essa é uma questão recorrente na vida dos profissionais, que precisam conciliar suas atividades com os estudos acadêmicos e a vida pessoal. Então saiba que uma pós-graduação de 6 meses pode ser a solução para os seus problemas! Demorar dois anos para conquistar uma pós-graduação é uma realidade que já ficou no passado. O mercado de trabalho atual está mais dinâmico e solicita que novas habilidades sejam adquiridas em menor espaço de tempo. E o conhecimento precisa ser colocado em prática rapidamente nas empresas, que muitas vezes investem na qualificação dos profissionais na busca por soluções criativas para seus desafios. Continue esse blog-post e saiba tudo sobre os cursos de pós-graduação com duração de 6 meses e como essa modalidade mais enxuta pode melhorar sua competitividade e destacar você no mercado de trabalho. Boa leitura! Leia também: ++ O que é pós-graduação? Saiba tudo sobre esta modalidade Quais os benefícios de fazer uma pós-graduação?  Se você chegou até aqui e ainda tem dúvidas sobre fazer ou não uma pós-graduação, saiba que você pode aumentar o seu salário em até 255%, de acordo com levantamento do IBGE. O mercado prefere profissionais atualizados e mais conectados com as novas demandas dos setores e soluções tecnológicas. Além disso, o conhecimento adquirido durante uma Especialização complementa a Graduação, que é uma formação generalista. Dessa forma, isso faz com que você se torne um profissional mais requisitado e disponível para assumir vagas mais qualificadas em sua área, inclusive aquelas de liderança. Leia também: ++ Gestão de equipes: conheça as principais tendências do mercado Uma pós-graduação também abre os seus horizontes profissionais e fortalece o networking, necessário para a construção de novas oportunidades profissionais ou de negócios. Por isso, uma especialização de 6 meses é uma ótima opção para você começar seus estudos de forma intensiva. Como verificar a qualidade de uma pós-graduação de 6 meses? Com uma oferta ampla de cursos de pós-graduação no mercado, é importante que você se certifique da qualidade antes de adquirir a formação. E com as pós-graduações de 6 meses não é diferente: elas precisam atender os requisitos de qualidade do MEC para que ofereçam uma experiência de ensino-aprendizagem que faça a diferença na vida dos alunos. A primeira ferramenta a ser utilizada é o site e-MEC, que oferece dados sobre as instituições de ensino superior e seus respectivos cursos. Além disso, é importante pesquisar sobre a infraestrutura da instituição e se certificar de que ela possui qualidade nas salas de aula, laboratórios e formação dos professores, por exemplo. Pesquisar com alunos e ex-alunos sobre a qualidade da instituição também é uma dica importante para você coletar percepções. Leia também: ++ EaD ou presencial: qual modalidade escolher? Vantagens de fazer uma pós-graduação de 6 meses A principal vantagem de cursar uma pós-graduação de 6 meses é a otimização do tempo. Ou seja, quem optar por essa modalidade, desde que escolha uma instituição de qualidade e renome, terá mais tempo para se dedicar à família ou trabalho, sem perder a qualidade nos estudos. Vale ressaltar aqui que todos os modelos de educação superior no Brasil são validados pelo MEC, que define as cargas horárias e requisitos mínimos para o funcionamento do curso. Ou seja, quando você for escolher um curso de pós-graduação ou especialização, antes de realizar sua matrícula, certifique-se de que ele está registrado no MEC. Confira mais algumas vantagens de realizar uma pós-graduação de 6 meses: Custo mais acessível Programas de estudo com foco no EaD Flexibilidade nos horários Conquiste autoridade profissional Aumento no salário Conheça as pós-graduações de 6 meses do UniSENAI O UniSENAI oferece diversas opções de cursos com 360 horas de duração e formação em cerca de 6 meses. São cursos intensivos na área da Tecnologia da Informação oferecidos no formato EaD. Conheça algumas oportunidades: Desenvolvimento de Back-end para Web Pro: Java e Spring  Ciência de Dados e Inteligência Artificial  User eXperience Design Engenharia Ágil de Software  Desenvolvimento de Front-end para Web Pro: React e Angular Dos 25 cargos que mais crescem no Brasil em 2023, segundo o LinkedIn, pelo menos 10 estão relacionados à Tecnologia da Informação. Ou seja, esta é uma das áreas do conhecimento que mais tem crescido nos últimos anos em todo mundo.  Concluindo, esse cenário se dá principalmente em função das demandas por sistemas informatizados nas organizações, já que a relação do ser humano com a tecnologia avança a cada dia. E uma pós-graduação de 6 meses é uma excelente oportunidade para entrar neste mercado.

Fábricas Inteligentes: 3 áreas para se destacar na indústria do futuro
Pós-graduação

Fábricas Inteligentes: 3 áreas para se destacar na indústria do futuro

15/08/2023 • 3 min de leitura

Reduzir acidentes de trabalho e tempo de produção, oferecer produtos mais sustentáveis e baratos, manter um padrão de qualidade excelente. Esses deveriam ser objetivos comuns a todas as indústrias, não é mesmo?! Então saiba que todos estes pontos podem ser conquistados com as estratégias de Fábricas Inteligentes, ou smart factories, em inglês. Em primeiro lugar, as Fábricas Inteligentes são o futuro da produção industrial no mundo, pois aliam conhecimentos de Inteligência Artificial (IA), Machine Learning e Internet das Coisas (IoT) em torno dos mesmos objetivos: fazer com que o ambiente fabril se torne mais eficiente e aprenda sozinho ao longo do tempo as melhores práticas de produção. Assim como, promover um ambiente mais seguro e comprometido com as normas ESG. Leia também: ++ O que é Internet das Coisas: tudo sobre a tecnologia Se você se graduou em alguma área de Engenharia ou Tecnologia da Informação (TI), antes de tudo, precisa conhecer mais sobre o mercado de Fábricas Inteligentes e considerar fazer carreira nesta área.  Continue a leitura deste blog post e iremos te mostrar as três principais áreas em que é possível crescer atuando com Smart Factory. Boa leitura! O que são Fábricas Inteligentes? As Smart Factories são indústrias que mudaram seu processo de produção, levando em consideração critérios de automação industrial e de segurança da informação. Consequentemente, isso dá mais autonomia e segurança aos setores, para que produzam de forma mais veloz, assertiva, com mais eficiência energética e reduzindo as chances de erros e acidentes de trabalho. Leia também: ++ Entenda o que é segurança da informação e computação em nuvem Entender as Fábricas Inteligentes começa pela compreensão de Machine Learning. De acordo com definição da empresa International Business Machines (IBM), o conceito “é uma área da inteligência artificial (IA) e da ciência da computação que se concentra no uso de dados e algoritmos para imitar a maneira como os humanos aprendem, melhorando gradualmente sua precisão.” Dessa forma, para implantar uma Fábrica Inteligente, é imprescindível a aplicação dos conhecimentos desta área. Por fim, esse sistema automatizado analisará de forma minuciosa os dados coletados, fornecendo soluções estratégicas para os desafios da indústria. 3 áreas para se destacar em Fábricas Inteligentes Se você pretende embarcar em uma área que não para de crescer, é bom considerar as Fábricas Inteligentes. Um estudo da Deloitte aponta que 86% das empresas acreditam que as iniciativas de Smart Factory serão o principal impulsionador da competitividade da manufatura em cinco anos.  E 83% das indústrias acreditam que estas iniciativas irão transformar a maneira que os produtos são desenvolvidos no mesmo período de tempo. Ou seja, o mercado de Fábricas Inteligentes está em pleno crescimento, ainda mais com consumidores cada vez mais exigentes e focados em adquirir produtos que sejam mais econômicos e desenvolvidos com critérios socioambientais claros. Leia também: ++ Tudo que você precisa saber sobre energia limpa Confira abaixo três áreas para se desenvolver em Fábricas Inteligentes e decolar sua carreira: Conectividade A conectividade é um elemento fundamental da Indústria 4.0 e está revolucionando a forma como as empresas produzem, distribuem e comercializam seus produtos, tornando-se uma competência essencial para profissionais que buscam se destacar no mercado de trabalho e nas fábricas inteligentes. A transformação fabril para a Indústria 4.0 possibilita alta eficiência de produtividade e de qualidade com menor intervenção humana, o que torna a fábrica inteligente. Para que as tecnologias disponíveis no mercado possam ser implantadas, é necessário que a digitalização e, sobretudo, a conectividade esteja instalada nas fábricas. Automação O mercado necessita de profissionais especializados na implementação da automação e controle de processos industriais e prediais e no gerenciamento de intervenções de melhoria e atualização tecnológica em Sistemas de Automação. Nesse sentido, os profissionais que irão liderar estes processos precisam atuar considerando as normas, padrões e requisitos técnicos, de qualidade, saúde e segurança e de meio ambiente. Dessa forma, instalação, programação e configuração de dispositivos e redes de Comunicação em sistemas de automação são habilidades essenciais para quem quer se destacar nesta área. Confira mais alguns conhecimentos necessários: Arquitetura de Redes Redes Industriais de Comunicação Instrumentação Industrial e Sensoriamento Cibersegurança e Soluções em Nuvem Gerenciamento Ágil Scrum Aplicado a Projetos de Automação Inteligência Artificial  A Inteligência Artificial é indispensável para qualquer projeto de Fábricas Inteligentes prosperar. Dessa forma, o mercado necessita de profissionais que, acima de tudo, dominem o planejamento de métodos e ferramentas de análise estatística, principalmente com foco na extração de insights e apoio à tomada de decisão nas organizações. Leia também: ++ Ciência de Dados: conheça as vantagens Portanto, são necessárias as seguintes habilidades nos profissionais que irão assumir essas vagas em Fábricas Inteligentes: Programação Python Estatística aplicada Engenharia de dados Business Intelligence Data analytics Data visualization Data mining Machine learning Deep learning Faça sua pós-graduação no UniSENAI Se você quer se destacar na Indústria 4.0 e conquistar uma posição de liderança nas Fábricas Inteligentes, precisa conhecer os cursos de graduação e pós-graduação UniSENAI. Assim, os programas de ensino são desenvolvidos por quem entende do mercado, de acordo com as necessidades da indústria. Leia também: ++ O que é pós-graduação? Saiba tudo sobre a qualificação Por fim, a metodologia de ensino é baseada no “Hands On”, onde você aprende fazendo e executando projetos conforme as demandas dos parceiros. Portanto, isso garante que você prepare-se conforme as demandas de uma indústria que não para de crescer.

Cursos de programação gratuitos: desenvolva seu primeiro projeto ainda este ano
Cursos Rápidos

Cursos de programação gratuitos: desenvolva seu primeiro projeto ainda este ano

08/09/2023 • 3 min de leitura

De acordo com o levantamento realizado pela Associação Catarinense de Tecnologia (ACATE), Santa Catarina teve um salto de 63,2% de empresas de TI entre 2015 e 2020. Com isso, novas oportunidades de trabalho surgem constantemente, e investir em qualificação profissional é essencial para aproveitá-las!  No dia 13 de setembro, é celebrado o dia do programador, integrante essencial para o sucesso dessas empresas! Afinal, são eles que planejam, criam e mantêm no ar diversos sistemas, sites, softwares e aplicativos que utilizamos diariamente.  Se você pensa em ingressar na área e quer dar o primeiro passo, temos uma boa notícia! Reunimos algumas curiosidades sobre a profissão e dicas de cursos de programação gratuitos para ajudá-lo.  Uma boa leitura! O que faz um programador? De forma simplificada, são os programadores que transformam diferentes necessidades em soluções inovadoras que estão presentes em nosso dia a dia.  Para isso, eles escrevem as linhas de códigos, por meio de linguagens de programação específicas, que materializam diferentes softwares, aplicativos para celular, aplicações web e websites.   Como novas linguagens de programação, frameworks e tecnologias surgem constantemente, capacitação e atualização são sinônimos da área.  Em sua rotina de trabalho, são comuns as reuniões com a equipe ou clientes para alinhamentos sobre a solução que está sendo desenvolvida, priorização de tarefas e realização de testes na aplicação.  Ao longo de alguns cursos de programação, você compreende essa dinâmica ao desenvolver projetos práticos que são fragmentados em etapas.  Qual é o salário de um programador?  Um dos fatores que mais chama a atenção para a profissão é a remuneração!   Entretanto, o salário de um programador varia de acordo com diversos fatores, entre eles: nível de conhecimento, experiência, localização e segmento de atuação.  Segundo dados da plataforma de empregos Glassdoor, a mediana salarial de um Programador Júnior no Brasil é de R$ 2.751,00. Já para os profissionais seniores, a mediana salarial é de R$ 8.387,00.   Mas como programar?  Não existe segredo! Para escrever as primeiras linhas de código, é essencial investir em capacitações, conforme seu nível de conhecimento na área.  Para dar o primeiro passo, antes de investir em uma qualificação de longa duração, você pode aproveitar cursos de programação gratuitos na modalidade online, que se adaptam a diferentes rotinas e possuem carga horária reduzida! O SENAI/SC possui uma variedade de cursos EaD para estudantes que desejam conhecer a área, desenvolver habilidades como raciocínio lógico, aprender as principais linguagens de programação para o desenvolvimento back-end e front-end, além de cursos correlatos que auxiliam na compreensão do universo da tecnologia.  [Bônus] 3 cursos de programação gratuitos Agora que você já conhece diversos detalhes sobre o universo dos programadores, que tal dar o primeiro passo para aprender os fundamentos da área?  Confira alguns cursos de programação gratuitos para você aprofundar os conhecimentos:  Programação Básica em Front-end Neste curso EaD com duração de 20 horas, você vai aprender os fundamentos básicos da programação front-end, ou seja, da parte de uma aplicação visível para o usuário e construir uma landing page utilizando as linguagens de marcação HTML5 e CSS3. Ao longo do curso, são abordadas diferentes técnicas para ajudá-lo na personalização, organização e estilização de páginas da web.  Programação Básica em Back-end Já no curso EaD de Programação Básica em Back-end, você vai aprender os conceitos fundamentais da linguagem de programação JavaScript e da plataforma Node.js, altamente populares e requisitados no mercado atual, utilizados em diversos segmentos.  User Experience – Interfaces Digitais Por fim, no curso EaD de User Experience ou Experiência do Usuário, você aprenderá o que é design de interface centrado no usuário e técnicas de prototipagem de interfaces.  Ao longo das aulas, você terá contato com um software de prototipagem de wireframing para a construção de interfaces digitais, além de descobrir conceitos fundamentais para que as aplicações atendam às necessidades do usuário de forma eficaz, eficiente e satisfatória. Independentemente do seu nível de conhecimento em programação, no SENAI você encontra diversas opções de cursos na área de Tecnologia e Desenvolvimento de Softwares, nas modalidades presencial e EaD, que se adaptam a sua rotina. Além disso, algumas de nossas formações são desenvolvidas junto de empresas, pensando em alinhar o desenvolvimento profissional dos nossos alunos com as necessidades do mercado de trabalho.  Gostou deste conteúdo? Acompanhe as publicações semanais do blog e assine nossa newsletter. 

EJA Profissionalizante: saiba tudo sobre a modalidade
Educação de Jovens e Adultos

EJA Profissionalizante: saiba tudo sobre a modalidade

01/09/2023 • 3 min de leitura

De acordo com o último levantamento realizado pelo IBGE, em 2019, ainda existem cerca de 11 milhões de pessoas analfabetas no Brasil.  Também conhecida como supletivo, a EJA (Educação de Jovens e Adultos), além de melhorar o índice de analfabetismo nacional, tem possibilitado o acesso ao estudo para jovens e adultos que não puderam frequentar a escola em idade regular. Dando assim, a oportunidade para essas pessoas conseguirem melhores empregos e, consecutivamente, uma maior qualidade de vida para si mesmas e suas famílias. Você sabia que a Escola SESI, também oferece Educação para Jovens e Adultos? Isso mesmo! E diferente da EJA pública, a nossa EJA é profissionalizante. Ou seja, ao concluírem seus estudos, os alunos também recebem uma certificação profissional, tornando-se mais qualificados para atender às demandas das indústrias e empresas em sua região. Quer entender o que é essa modalidade e saber como funciona a Educação de Jovens e Adultos da Escola SESI? Reunimos todas as informações sobre o tema no texto abaixo. Boa leitura! O que é EJA? O objetivo da Educação de Jovens e adultos é garantir o acesso ao ensino básico para pessoas acima de 16 anos que, independentemente do motivo, não puderam iniciar seus estudos ou precisaram interrompê-los. A modalidade de ensino foi criada pelo Governo Federal para facilitar o acesso ao ensino, bem como para que os alunos obtenham o diploma de conclusão em menos tempo. Estando, desta forma, aptos para as oportunidades de trabalho que exigem escolaridade mínima.  Além disso, a EJA pode ser ofertada tanto no modelo presencial, como à distância (EAD), ou ainda de forma híbrida, combinando esses dois formatos. Como funciona a EJA da Escola SESI?  Pensando na qualificação dos trabalhadores da indústria catarinense, a Escola SESI, em parceria com o SENAI, oferece a EJA Profissionalizante. Nela, além de conquistar o diploma de conclusão do Ensino Fundamental e/ou Médio, os alunos obtêm uma certificação profissional por meio de um dos cursos oferecidos pelo SENAI/SC. A EJA da Escola SESI, sob a influência e responsabilidade do SESI SENAI, tem o propósito social de transformar a realidade dos alunos, bem como a forma como enxergam o mundo. Tudo isso por meio de um aprendizado contextualizado com a sua realidade, pensado para formar cidadãos autônomos, cooperativos, dinâmicos e criativos.   Reconhecimento dos saberes Um grande diferencial da EJA da Escola SESI é o reconhecimento dos saberes. Ou seja, aquilo que o aluno já aprendeu ao longo da vida, seja em casa, na escola ou no trabalho, pode ser validado por meio de um programa de inteligência artificial, reduzindo o tempo para obter a certificação. Dessa forma, a conclusão dos estudos pode ser feita em até 13 meses letivos.  Duração e formato das aulas  Os alunos possuem até 13 meses letivos para poderem concluir os estudos. As aulas são realizadas 80% a distância e 20% presencial, com salas virtuais e materiais digitais. As aulas presenciais ocorrem duas vezes por semana, enquanto os cursos são ofertados simultaneamente (01 dia para a EJA e outro para o curso de qualificação profissional). Quanto custa a EJA Profissionalizante? A EJA da Escola SESI não possui custo para a indústria e para os seus trabalhadores.  Qual é a idade mínima para cursar a EJA Profissionalizante? Ensino fundamental: 15 anos completos Ensino médio: 18 anos completos Benefícios da Educação de Jovens e Adultos Profissionalizante para as indústrias catarinenses Garantir que todas as pessoas tenham acesso a uma educação de qualidade é essencial para o desenvolvimento dos estados e do país, bem como para a ampliação da democracia.  Além disso, o investimento na Educação de Jovens e Adultos contribui para a redução da pobreza, da criminalidade e também para o bem-estar, acesso aos direitos básicos e o crescimento econômico da população.  E EJA Profissionalizante da Escola SESI propõe um novo modelo de educação que possibilita a abertura de diversas portas tanto para o trabalhador como para a indústria catarinense.  Conheça os demais benefícios da EJA Profissionalizante: Projetos que promovem a integração e a retenção de pessoas por meio do fortalecimento das equipes; Mais competitividade para as empresas, formando trabalhadores mais qualificados, eficientes e produtivos; Responsabilidade social, promovendo a educação e contribuindo com os índices do estado; Retorno do que já foi investido com a contribuição compulsória revertida em educação para os trabalhadores. Quer saber como estudar na EJA Profissionalizante ou levá-la para a sua empresa ou cidade? Além de oferecer a EJA Profissionalizante nas unidades  do SESI SENAI de todo o estado, as turmas também podem ser disponibilizadas por meio de convênios firmados com as prefeituras ou nas dependências das indústrias parceiras (para seus colaboradores). 

Técnico em Mecatrônica: saiba tudo sobre a profissão
Cursos Técnicos

Técnico em Mecatrônica: saiba tudo sobre a profissão

25/08/2023 • 4 min de leitura

Não resta dúvida de que o setor da Tecnologia da Informação está em alta, gerando ótimas oportunidades profissionais e oferecendo salários atrativos. Mas já pensou em combinar TI com eletrônica e mecânica? Essa é a Mecatrônica, uma área que forma profissionais para projetar, desenvolver e acompanhar sistemas automatizados e controlados por computador. Quer saber o que faz, onde pode trabalhar e quanto ganha um técnico em Mecatrônica? Então continue lendo este artigo. O que faz um técnico em mecatrônica? Bem, você já sabe que essa área de atuação é multidisciplinar por reunir conhecimentos da mecânica, da eletrônica e da tecnologia. Mas, afinal, quais são as responsabilidades de um técnico em mecatrônica? As principais atividades desse profissional são: Projeto e manutenção de sistemas mecatrônicos: Projeto, montagem, instalação e manutenção de sistemas automatizados é uma das principais funções do técnico. Os projetos podem incluir robôs industriais, linhas de produção automatizadas, entre outros equipamentos controlados por computador. Programação e controle: Os técnicos também escrevem código de programação para controladores lógicos programáveis, os PLCs, microcontroladores e outros dispositivos. Além de programar, eles também acompanham e fazem a manutenção para garantir o funcionamento correto das máquinas. Integração de Componentes: Para que um sistema funcione de maneira eficiente, é preciso que os componentes mecânicos e eletrônicos estejam integrados. Este é outro papel muito importante de quem atua com mecatrônica. Manutenção corretiva e preventiva: Como já dito, tão importante quanto programar os sistemas é garantir que eles funcionem de forma adequada. Isso envolve a manutenção preventiva, que é feita de forma rotineira para prevenir falhas. E também a manutenção corretiva, aquela que surge a partir do diagnóstico e reparo de problemas quando eles surgem. Testes e calibração: Além disso, os profissionais também realizam testes e calibrações para garantir que os sistemas estejam funcionando corretamente e de acordo com as especificações. Essas calibrações também ajudam a otimizar o desempenho das máquinas para ganhar produtividade. Esquemas e diagramas: Os técnicos em mecatrônica precisam entender e interpretar esquemas mecânicos, diagramas elétricos, entre outros documentos técnicos. Atualização tecnológica: Assim como a área de TI, a mecatrônica está em constante evolução e precisa acompanhar as revoluções tecnológicas. Por isso, os técnicos do setor devem estar atentos às novas tecnologias, ferramentas e métodos. Treinamento e suporte técnico: Além da manutenção, os técnicos em mecatrônica devem fornecer suporte técnico nos sistemas que criam. Treinamentos que ajudam a entender o funcionamento básico e a evitar problemas também podem ser desenvolvidos por esses profissionais. Segurança: Os profissionais devem garantir ainda a segurança dos sistemas mecatrônicos. Eles devem acompanhar as leis e normas de segurança da área. ++Leia também: Técnico em Mecânica: quanto ganha um profissional na área Onde um técnico em mecatrônica pode trabalhar? Há uma variedade de setores e locais que precisam de sistemas automatizados e de controle e integração de componentes. Isso faz com que a área de atuação do profissional seja ampla. Entre as áreas que um técnico pode trabalhar, estão: Indústrias de manufatura Robótica e automação industrial Setor de energia Tecnologia biomédica Indústria aeroespacial Automação residencial e predial Indústria de tecnologia Indústrias de Alimentos e Bebidas Automação logística Pesquisa e desenvolvimento Quanto ganha um técnico em mecatrônica? O salário destes profissionais varia de acordo com a região, o setor de atuação e a especialidade. Um técnico em mecatrônica que atua com robótica recebe entre R$ 2.980,00 e R$ 8.126,56. A média salarial é de R$ 3.539,99. Já o técnico que atua com automação da manufatura ganha, em média, R$ 3.068,00, sendo que o salário inicial é de R$ 3.068,00 e o teto chega a R$ 7.586,58. Os valores foram retirados do site salário.com e correspondem ao ano de 2023, para profissionais em regime de CLT no Brasil. ++Leia também: Entenda o que é a Indústria 4.0 e descubra por que o SENAI é referência Como é o curso em Mecatrônica? A duração do Curso Técnico em Mecatrônica varia de acordo com a região do país e a instituição de ensino. Em média, a duração varia de 1 a 2 anos e os módulos abordam disciplinas de eletrônica, mecânica, programação, automação, controle de processos e sistemas, entre outros. Além disso, o curso conta com uma parte de aulas práticas, realizadas em laboratórios. Vale lembrar que a qualidade de ensino varia de acordo com a instituição que o aluno escolhe. Por isso, é importante buscar por uma que seja reconhecida e conte com infraestrutura adequada. Como é o curso de Mecatrônica no SENAI? No SENAI SC, o curso Técnico em Mecatrônica tem uma metodologia voltada para a prática profissional e o contato com o mercado de trabalho. Além disso, a instituição conta com infraestrutura de ponta e professores especialistas. Confira as disciplinas do curso: Módulo Básico Indústria Introdução ao Desenvolvimento de Projetos Introdução à Qualidade e Produtividade Introdução à Tecnologia da Informação e Comunicação Saúde e Segurança no Trabalho Introdução à Indústria 4.0 Sustentabilidade nos Processos Industriais Módulo Introdutório Circuitos Digitais Aplicados a Microcontroladores Eletricidade Aplicada a Sistemas Automatizados Eletrônica Analógica Aplicada a Sistemas Automatizados Mecânica Aplicada a Sistemas Automatizados Módulo Específico I Acionamentos Eletroeletrônicos Modelagem Virtual de Elementos Mecânicos Circuitos Eletropneumáticos e Eletrohidráulicos Aplicados a Manufatura Módulo Específico II Circuitos Microcontrolados Processos de Manufatura Sistemas Lógicos Programáveis Módulo Específico III Sistemas Automatizados de Manufatura Sistemas Supervisórios Aplicados a Indústria 4.0 Vale lembrar que o SENAI SC é Top of Mind em Ensino Profissionalizante e Técnico. Além disso, a instituição também é referência em empregabilidade. É por isso que 9 a cada 10 alunos formados pelos Cursos Técnicos estão empregados. Se interessou? Conheça mais sobre o Curso Técnico em Mecatrônica do SENAI.