Pensa em estudar engenharia na Europa? O SESI te ajuda!
Ensino e Gestão

Pensa em estudar engenharia na Europa? O SESI te ajuda!

4 meses atrás • 3 min de leitura

Você sabia que a Faculdade de Ciências e Tecnologia (FCT) da Universidade Nova de Lisboa tem parceria firmada com o SESI? O intuito é facilitar o seu acesso aos cursos dessa renomada instituição europeia. Com a cooperação, os nossos estudantes e egressos podem entrar na FCT com a nota do ENEM e uma carta de recomendação, sem a necessidade de provas adicionais. Quer entender melhor sobre essa oportunidade única? Então acompanhe a matéria a seguir. Benefícios de estudar na FCT A Faculdade de Ciências e Tecnologia faz parte da Universidade Nova de Lisboa e tem total alinhamento com as premissas da rede SESI SENAI, como por exemplo a alta taxa de empregabilidade de seus cursos. Com um ambiente propício para o bom relacionamento entre estudantes e professores, metodologias que propiciam grande atividade de investigação e um perfil curricular com competências complementares voltadas para o mercado de trabalho, a FCT consegue ter uma média de empregabilidade superior à nacional. A faculdade também conta com o selo da A3ES, a Agência de Avaliação e Acreditação do Ensino Superior. Os cursos de engenharia têm ainda a Marca de Qualidade EUR-ACE® e o reconhecimento da Ordem dos Engenheiros e da ENAEE (European Network for Accreditation of Engineering Education). Além disso, a produção científica da FCT é 35% mais alta que a média mundial, o que proporciona alianças com universidades conceituadas da Europa e dos EUA, como MIT, CMU e Universidade do Texas. Tudo isso torna a escola uma das três maiores de Portugal, com 8.000 estudantes, distribuídos em cursos de licenciatura, mestrado e doutorado. De brinde, a estrutura do campus promove acessibilidade e não te deixa com saudades do litoral catarinense, pois fica bem próxima da praia. Engenharia e mestrado em apenas 5 anos: é possível? Em Portugal, o Ensino Superior é dividido em ciclos: licenciatura (correspondente aos cursos de graduação do Brasil), mestrado ou pós-graduação e doutoramento. A Faculdade de Tecnologia e Ciências da UNL propõe não só cursos de licenciatura, mas também de mestrados integrados. Neles, o estudante pode obter o grau de licenciado em 3 anos e, com mais 2 anos de dedicação, conseguir o grau de mestre. Entenda na imagem a seguir: [caption id="attachment_444" align="aligncenter" width="300"] Foto: Reprodução / FCT[/caption] As opções de cursos de licenciatura em 3 anos são: - Biologia Celular e Molecular - Bioquímica - Conservação-Restauro - Engenharia Geológica - Matemática - Matemática Aplicada à Gestão do Risco - Química Aplicada E para o mestrado integrado em 5 anos, você pode escolher entre as seguintes opções: - Engenharia do Ambiente - Engenharia Biomédica - Engenharia Civil - Engenharia Electrotécnica e de Computadores - Engenharia Física - Engenharia e Gestão Industrial - Engenharia Informática - Engenharia de Materiais - Engenharia Mecânica - Engenharia de Micro e Nanotecnologias - Engenharia Química e Bioquímica Quer entender os detalhes de cada curso? Acesse o site da FCT aqui! Videoconferências para conhecer a FCT e tirar suas dúvidas Para ajudar os estudantes e egressos que desejam entender o passo a passo de como efetuar o ingresso na FCT, a universidade fará uma Feira Virtual. Ela acontecerá nos dias 4 e 5 de Junho e tem o intuito de apresentar os cursos de licenciatura e mestrado integrado para os potenciais estudantes e seus familiares. A videoconferência será online e gratuita, e contará com a participação de docentes, coordenadores, alunos e investigadores da escola portuguesa. Para garantir o seu acesso, efetue sua inscrição aqui. Gostou? Mostre para seus amigos, coloque na agenda e participe! Em caso de dúvidas ou sugestões, fique à vontade para comentar aqui embaixo.

3 lives para atualizar alunos e professores que estão em casa
Ensino e Gestão

3 lives para atualizar alunos e professores que estão em casa

4 meses atrás • 3 min de leitura

Durante o período de isolamento, as lives ganharam cada vez mais espaço na web e, inclusive, ajudaram a construir um contato mais humanizado entre as pessoas. Dessa forma, elas se tornaram também ótimos canais de comunicação entre alunos e professores, uma vez que conseguem promover maior interatividade e acontecem em tempo real. Aqui na rede SESI SENAI, nossos docentes e estudantes também se mobilizaram para apresentar e participar de diversas transmissões ao vivo voltadas para a educação, seja pelo Youtube Live, Facebook ou Instagram. Quer descobrir mais detalhes desses eventos online? Então continue lendo o texto a seguir: Live 1: "Evoluindo - As Várias Perspectivas do Coronavírus" A série de conteúdos "Evoluindo" é uma iniciativa do Ensino Médio do SESI SENAI, e tem como objetivo ajudar a alavancar os conhecimentos dos estudantes sobre assuntos da atualidade. Nela, os professores promovem ações para discutir e analisar os temas em voga e relacioná-los às várias áreas do conhecimento (Biologia, Química, Física, Estatística e outros), gerando a interdisciplinaridade característica de nosso ensino. Na Live "As Várias Perspectivas do Coronavírus", seis docentes do SESI Criciúma debateram sobre a pandemia e cada um deu sua contribuição para o tema, incentivando os alunos a relacionar as informações e, assim, compreender melhor o momento em que estamos vivendo. Um dos participantes fez questão de parabenizar todos os professores ao final da live. Ele ressaltou a informação passada por diversas áreas, como "as taxas e índices com a Diana, a parte biológica de como o vírus nos afeta com o Heitor, a parte química e os testes com o Tiago, toda a questão tecnológica e de inovação com o Filipe, a parte física da transmissão com a Gabi e também a da Aline, falando de como isso pode cair nos próximos vestibulares", comenta. Live 2: "Revisão de temas para o ENEM" Os professores do SESI SENAI de Lages também entraram na onda das lives e deram um aulão ao vivo para o ENEM 2020. Com muito entusiasmo, eles explicaram que essa foi a forma de manter a aproximação com os alunos e levar saúde para todos. Quem começa a apresentação é o professor Ozzy, de Química, que dá dicas e macetes para resolver questões sobre o sódio, tema recorrente na mídia. Em seguida, a professora Deise revisa temas importantes da Matemática, como razão e proporção, geometria, estatística e probabilidade. Logo depois, o professor Alex, de História, é quem segue a aula. Ele destaca como o ENEM está sofrendo mudanças e deixando as questões de Humanas cada vez mais interdisciplinares. Ainda, o professor Elton de Geografia, a professora Luana de Português e o professor Edenir de Sociologia e Filosofia continuam as orientações para a prova nacional e finalizam a aula online. Os docentes ressaltam a importância da utilização efetiva das plataformas de educação a distância. Para eles, é essencial que o estudante faça as atividades, assista às videoaulas, tire dúvidas e estude os materiais disponíveis. Assim, com a colaboração de todos, será possível fazer a diferença no ensino não-presencial e levar qualidade para a sua casa. Live 3: "NR's e Boas Práticas de SST na pandemia" Na primeira live dos diálogos setoriais do SESI SENAI de São Bento do Sul, os profissionais de Saúde e Segurança do Trabalho da instituição debateram sobre o momento instável em que vivemos e a relação da área com a pandemia. Eles falaram a respeito das boas práticas que devem ser priorizadas no cenário pós-crise e também discutiram acerca das Normas Regulamentadoras (NR's) em tempos de Covid-19. Os especialistas que participaram da transmissão ao vivo foram Evaristo Miguel Blaskovski, engenheiro de segurança do trabalho, e José Almir de Lima, técnico em segurança do trabalho. Ao todo, foram mais de 40 pessoas simultâneas na live, e a gravação já está disponível para visualização por este link. Gostou? Para ficar por dentro de todas as lives que estão acontecendo na rede SESI SENAI, siga nossas páginas nas redes sociais e inscreva-se em nosso canal do Youtube!

Copa Brasil de Matemática Manga High: alunos SESI SENAI são destaque
Ensino e Gestão

Copa Brasil de Matemática Manga High: alunos SESI SENAI são destaque

4 meses atrás • 2 min de leitura

Você conhece a Copa Brasil de Matemática promovida pela Manga High? No início deste mês, mais de 2,2 mil estudantes da rede SESI SENAI participaram da 6a edição da competição. Os estudantes dos ensinos médio e fundamental competiram, entre os dias 4 e 8 de maio, de forma 100% online. E nossos alunos tiveram várias vitórias! Quer saber mais? Acompanhe a matéria a seguir: Manga High e a aprendizagem baseada em games A Manga High é uma plataforma educacional de origem britânica, com ambiente de aprendizagem colaborativa e conteúdos em formato de quizzes e games inovadores. Com eles, os alunos conseguem dinamizar os estudos e engajar-se no domínio da matemática e do coding. Todos os desafios da Manga High são alinhados à Base Nacional Comum Curricular (BNCC), e conseguem harmonizar a pedagogia com o aprendizado lúdico. Neste momento de pandemia, a plataforma tem papel ainda maior: incentivar e motivar os jovens a continuar estudando e se divertindo em casa, por meio da gamificação. E foi essa a iniciativa da 6a. Copa Brasil de Matemática Manga High, o torneio online disputado por alunos das redes de escolas públicas e particulares.  Desafios matemáticos e o Ensino SESI SENAI A competição também premiou os alunos e escolas que conseguiram alcançar as melhores pontuações. A escola SESI SENAI de Joinville, por exemplo, conquistou o terceiro melhor lugar do país, e a de Concórdia, a sétima colocação e o maior número de medalhas de ouro e geral. Além disso, a escola SESI SENAI de Florianópolis teve seus três primeiros estudantes como recordistas de pontos da competição entre as unidades da rede. Para o diretor de tecnologia e educação da FIESC, Fabrizio Machado Pereira, "São números realmente impressionantes e que mostram um grande engajamento e comprometimento dos nossos estudantes, orientados por nossos docentes de matemática. No total, tivemos quase dez mil horas de atividades de matemática realizadas e conquistamos 270 medalhas”. Registramos aqui os nossos sinceros parabéns a todos os docentes da rede SESI SENAI pela dedicação e resultados impressionantes. O trabalho de vocês é essencial para preparar os jovens ao mercado de trabalho e garantir que o momento de estudo seja descomplicado, divertido e alinhado ao currículo escolar.  Bônus: Atividades de matemática Você sabia que a matemática é, inclusive, uma das áreas trabalhadas na abordagem STEAM, trabalhada nas escolas do SESI e do SENAI? A sigla, que vem do acrônimo em inglês para as palavras Science, Technology, Engineering, Art-Design e Mathematics, significa Ciência, Tecnologia, Engenharia, Artes e Matemática, e é baseada em projetos que integram todas essas áreas de conhecimento.  O objetivo da metodologia STEAM é formar nossos alunos com uma bagagem integrada de conhecimentos, desenvolvendo valores em conjunto com o conteúdo e preparando-os para os desafios do futuro do trabalho. Com o uso do ensino STEAM, os estudantes são capazes de experimentar e vivenciar o pensamento crítico e científico de forma reflexiva, seja por meio de games, como os do Manga High, ou projetos interdisciplinares. E as atividades de matemática que prepararam nossos alunos para a Copa Brasil já estão disponíveis para os estudantes! Nos games da Mangahigh temos jogos focados na Aritmética, Álgebra, Geometria, Estatística e Probabilidade, além de situações-problema para você resolver. Conheça mais desafios na Revista Você Maker: CLIQUE AQUI PARA ACESSAR A REVISTA

Docente do SESI SENAI apresenta trabalho na EDUCON 2020
Ensino e Gestão

Docente do SESI SENAI apresenta trabalho na EDUCON 2020

4 meses atrás • 2 min de leitura

A edição de 2020 da EDUCON, a Conferência Global de Educação em Engenharia da IEEE, aconteceu entre os últimos dias 28 e 30 de abril. O congresso é organizado pelo Instituto Politécnico do Porto, pela Universidade do Porto e também pela Universidade de Coimbra. Ele estava programado para acontecer  presencialmente na cidade de Porto, em Portugal, mas acabou acontecendo de forma virtual, devido à pandemia do novo coronavírus. A temática deste ano foi "Educação em engenharia para o futuro em um mundo multicultural e inteligente".  Nossa instituição foi representada no evento pela professora Isabela Nardi da Silva, de Criciúma, que leciona Games e Animações no contraturno do SESI SENAI, e Web Design nos clubes do Ensino Médio. A docente apresentou o trabalho intitulado "Collaborative virtual community to share class plans for STEAM education" (Comunidade virtual colaborativa para compartilhamento de planos de aula para educação STEAM), que também tem como autores a Dra. Simone Bilessimo (UFSC) e o Dr. Juarez Bento da Silva (UFSC). De acordo com a Supervisora Educacional Gabrielli Felipe, o artigo desenvolvido por Isabela está alinhado às perspectivas do novo Ensino Médio e do Contraturno SESI SENAI, uma vez que nossas escolas também trabalham com a metodologia STEAM (Ciência, Tecnologia, Engenharia, Artes e Matemática), uma forma de aprendizagem integrada e baseada em projetos. Foto: Isabela Nardi da Silva O objetivo do estudo apresentado pela docente foi demonstrar o processo de construção da Labs4STEAM, uma plataforma educacional gratuita desenvolvida por ela em sua dissertação. Lá, os professores poderiam postar, baixar e comentar planos de aula entre eles, como forma de compartilhamento de experiências. Sobre a conferência, ela afirma: "Estive em contato com profissionais da educação do mundo todo. Desta forma, tive a oportunidade de compartilhar experiências e aprender com colegas de outros países". Incrível, não acha? Nossos sinceros parabéns e agradecimentos para a Isabela, que por meio de seu trabalho, contribuiu não só para a educação do Brasil, mas também do mundo. E se você, assim como nós, acredita que as novas tecnologias alinhadas à educação preparam nossos alunos para um mundo cada vez mais disruptivo, a rede de ensino SESI SENAI é o lugar perfeito para conhecer. Com diversos espaços de Educação Maker espalhados por Santa Catarina, nossos estudantes têm acesso a equipamentos como Arduino, Raspberry Pi, placas eletrônicas, impressoras 3D e drones. CONHEÇA A EDUCAÇÃO SESI SENAI

Respiradores pulmonares são entregues à rede de saúde pelo SENAI/SC
Inovação

Respiradores pulmonares são entregues à rede de saúde pelo SENAI/SC

5 meses atrás • 1 min de leitura

Na última semana, o SENAI Santa Catarina consertou e entregou os primeiros respiradores para a rede de saúde do estado. O projeto, que acontece nos laboratórios do Instituto SENAI de Inovação, conta com o apoio de diversas indústrias e está sendo feito em parceria com a Associação Catarinense de Medicina (ACM). O objetivo é garantir a manutenção dos ventiladores pulmonares e, por consequência, ajudar a salvar vidas.  Os equipamentos são fundamentais para o tratamento dos casos mais graves de pacientes com coronavírus, e cada um deles tem papel fundamental na recuperação das pessoas em UTI. Carlos Sakuramoto, Gerente de Inovação e Tecnologia da General Motors, conta que a empresa está colaborando com a força-tarefa de forma incansável. A GM disponibilizou funcionários, voluntários, equipamentos, 5 plantas e uma coordenação geral no Brasil inteiro. Junto dela, também estão apoiando a iniciativa as empresas Arcelor Mittal Brasil, Fiat, Ford Motor, Volkswagen, Scania e Whirlpool.  Veja a seguir como estes esforços conjuntos estão formando uma #RedeDoBem: O Diretor de Unidade Hospitalar, Evandro Godoy, reforça que foram estas organizações as responsáveis pela devolução dos ventiladores pulmonares recuperados para a linha de frente. Para ele, a importância desta iniciativa da FIESC e ACM é enorme, pois vem auxiliando hospitais públicos e particulares na luta contra o coronavírus. Cada respirador que fica pronto, ajuda a salvar vidas. Faça também a sua parte: evite aglomerações, use máscaras e higienize as mãos com frequência. Mesmo a distância, seguimos juntos!

Espaço maker: 5 fatos que você precisa saber
Ensino e Gestão

Espaço maker: 5 fatos que você precisa saber

5 meses atrás • 3 min de leitura

Você já assistiu algum vídeo de "Do It Yourself (DIY)" ou "Faça Você Mesmo" no Youtube? Estes conteúdos são famosos na internet e derivam do Movimento Maker, uma iniciativa que fomenta a solução de problemas e execução de ideias com as próprias mãos. Na escola, este conceito se aplica no espaço maker, ambiente colaborativo, de construção e compartilhamento de ideias, onde o aluno aprende fazendo e é protagonista do processo de aprendizagem.  Ao contrário do que se pensa, estes espaços não são dentro da sala de aula: eles precisam ter configurações diferentes para possibilitar a experimentação e a autoexpressão dos alunos, e ter ferramentas que os permitam colocar a mão na massa. Entenda mais sobre esses lugares que estão inovando no campo da educação: 1. Os espaços maker não possuem uma estrutura convencional Sabe aquele esquema de sala de aula, com mesas individuais alinhadas, quadro negro e espaço delimitado? Pois então: o ambiente maker não é nada disso. Nestes espaços inovadores, não há uma estrutura a ser seguida. Normalmente, eles precisam ter equipamentos de baixa e alta tecnologia, para assim permitirem a experimentação e execução das ideias. As ferramentas disponíveis vão das mais simples até as mais trabalhadas, como placas eletrônicas, impressoras 3D, cortadora laser, ferro de solda, serras, furadeiras e equipamentos de robótica. 2. O ambiente maker é um habitat de inovação Com um espaço diferenciado, a inovação se torna mais propícia a acontecer. Além de recursos que permitem os makers a pôr a mão na massa, os ambientes também precisam permitir a colaboração, integrando as pessoas em um ecossistema inovador, estimulando a troca de ideias e habilidades, e desenvolvendo assim projetos que solucionam problemas reais. 3. Existem + de 900 ambientes maker mapeados pelo mundo De acordo com a Make Community, comunidade onde os makers se comunicam, existem mais de 900 espaços maker no diretório mundial da plataforma. Nesta comunidade, é possível divulgar projetos que estão ocorrendo ao redor do mundo, além de trocar ideias e divulgar notícias ou eventos. Curiosidade: só em Santa Catarina, a proposta maker está em 12 espaços do SESI, fomentando a cultura e a educação inovadora nos jovens catarinenses. 4. O primeiro espaço maker de SC foi criado pelo SESI em Blumenau Lançado em 2017, o primeiro espaço maker de Santa Catarina fica em Blumenau e foi criado pelo SESI no Complexo Esportivo Bernardo Werner. Tem área total de 1,2 mil metros e conta com recursos como Arduinos, Raspberry Pi, impressoras 3D e drones. O tema do espaço é "Aprenda fazendo - Crie um mundo com tuas próprias mãos", e lá o aluno aprende conceitos de comunicação, matemática, ciências e robótica para resolver problemas sociais de sua comunidade. As crianças e os jovens do Espaço Maker do SESI dão seu próprio significado ao seus aprendizados, pesquisando, trabalhando em equipe e socializando o conhecimento. Lá, os estudantes desenvolvem competências essenciais para o futuro do trabalho. 5. No espaço maker do SESI você pode criar um mundo com as próprias mãos Você sabia que é possível fazer soluções para problemas sociais com as suas próprias mãos? Nos espaços maker, os professores são facilitadores e você é o agente de mudança, é quem coloca a mão na massa, transforma a teoria em prática e cria protótipos junto com a equipe. O ambiente é ideal para pesquisar, aprender e buscar essas soluções inteligentes e, assim, melhorar o mundo em que vivemos.  Conheça os Espaços Maker do SESI de Santa Catarina e as oficinas de contraturno que também trabalham com a educação maker. Faça parte desse movimento inovador e desenvolva competências imprescindíveis para o seu futuro no mundo do trabalho! EDUCAÇÃO MAKER NO SESI

Faculdade SENAI: formando engenheiros para a vida
Ensino e Gestão

Faculdade SENAI: formando engenheiros para a vida

5 meses atrás • 3 min de leitura

Na Faculdade SENAI, os alunos são protagonistas do próprio aprendizado e os professores agem como facilitadores neste processo. Três mantras regem as nossas engenharias: “Mão na Massa”, "Aprendizagem Baseada em Projetos" e "Projetos o Tempo Todo". Assista ao vídeo para ver a nossa maneira de olhar para a engenharia e acompanhe a matéria para entender como formamos futuros engenheiros e cidadãos responsáveis. Mão na massa “Botar a mão na massa é saber o que é ser um engenheiro antes mesmo de estar formado” - Lucas de Carvalho. Na Faculdade SENAI, exploramos metodologias ativas no processo de ensino e aprendizagem. Nosso foco é desenvolver projetos na prática, levando em conta as necessidades da comunidade em que estamos situados. Para o docente Reginaldo Motta, isso faz com que o aluno coloque a mão na massa de verdade. Afinal, é o estudante quem desenvolve o protótipo e fabrica a sua própria peça.  De acordo com Lucas de Carvalho, estudante do curso de Engenharia Mecânica, foi esse o diferencial que viu na Faculdade SENAI: “Além de ter uma boa teoria, a faculdade é focada bastante na prática. É o que eu queria, botar a mão na massa e saber o que é ser um engenheiro antes mesmo de estar formado”. Aprendizagem baseada em projetos O currículo da Faculdade SENAI contempla diversos projetos integradores por semestre. Eles são desenvolvidos pelos alunos e têm como foco resolver problemas sociais, suportar inovações de natureza variada e arranjar soluções para as complexidades da indústria. Eduarda Flor, estudante do curso de Engenharia de Controle e Automação, explica como essa dinâmica ocorreu para ela: “A gente foi juntando o conhecimento que cada um da turma tinha em alguma área. Eu já trabalhava com automação, o outro com mecânica… Nos juntamos e conseguimos fazer uma coisa extraordinária”.  Segundo o coordenador Alexandre Araújo, para apoiar esse processo, os alunos têm disciplinas envolvendo desenho técnico, física, mecânica e eletrônica. Dessa forma, ao mesmo tempo em que os estudantes aprendem, já podem aplicar o conhecimento adquirido. Douglas dos Santos, estudante de Engenharia de Produção, explica que é possível colocar este aprendizado em prática tanto dentro da faculdade, como fora, no próprio ambiente de trabalho. Projetos o tempo todo Quando falamos que os alunos desenvolvem novos protótipos a todo momento, não é brincadeira. Com eles, os estudantes conseguem contextualizar todo o conhecimento na projeção e construção de novos produtos. Rodrigo Ersching, estudante do curso de Engenharia de Controle e Automação, comenta: "Tem que ter paciência, estratégia, raciocínio e o trabalho em equipe é fundamental". Veja alguns dos projetos sociais desenvolvidos pelos graduandos: Mobilidade de idosos Um dos projetos sociais feitos pelos próprios alunos é a "Cama do Bem", voltada para a mobilidade de idosos. Ivan da Costa, estudante do curso de Engenharia de Produção, explica que o protótipo é uma cadeira de rodas acoplável a uma cama, o que facilita a movimentação de quem precisa. Além da cama, os futuros engenheiros também desenvolveram um carro de transferência para idosos. A intenção deles é clara: o que querem é melhorar a qualidade de vida para todos, inclusive para os mais velhos.  Brinquedos inclusivos Pensando na inclusão social de pessoas com deficiência, os estudantes desenvolveram um balanço mecanizado para cadeirantes. De acordo com Eduardo Casas, estudante do curso de Engenharia Mecânica, o objetivo foi buscar a independência para as PCDs, até na hora da diversão. João Spengler comenta também sobre outro projeto, o skate adaptado para diversas deficiências. Ele diz: "A gente teve que botar a mão na massa, fazer, cortar o material, soldar". Com a junção das ideias de cada um e o foco em solucionar problemas da comunidade, o mecanismo dos projetos integradores tornou-se extremamente prático para ajudar o aluno a crescer como profissional, mesmo dentro da faculdade. Verdadeiros agentes de transformação, não é? E eles têm o reconhecimento da sociedade por isso. Célio Scholem, sócio da Associação Blumenauense de Deficientes Físicos, por exemplo, comenta: "Fiquei muito satisfeito em perceber o interesse da própria faculdade em fazer com que os estudantes se preparem para a vida profissional, de forma a contemplar a pessoa com deficiência".  E a professora Cristiane Garcia finaliza: "Uma das premissas da Faculdade SENAI é formar cidadãos. Queremos profissionais responsáveis com o seu fazer diário. Queremos que quando eles estiverem encarando a sociedade e o mundo do trabalho, que tenham orgulho em dizer que carregam essa marca". Isso tudo nos mostra a relevância da preocupação do SENAI em fazer com que além de profissionais, surjam também cidadãos responsáveis. Aqui, queremos que você adquira a teoria e faça a coisa acontecer.  Aqui, formamos engenheiros para a vida. Conheça a Faculdade SENAI

Ensino Médio integrado do SESI/SENAI transforma a educação e prepara alunos para o mundo do trabalho
Ensino e Gestão

Ensino Médio integrado do SESI/SENAI transforma a educação e prepara alunos para o mundo do trabalho

5 meses atrás • 3 min de leitura

Na rede SESI SENAI SC, os alunos iniciam o Ensino Médio com o módulo “Mundo do Trabalho”, conjunto de aulas e práticas que contribui para a escolha da profissão e ajuda a construir um projeto de vida e carreira.  Em fevereiro, foi a vez da unidade Itajaí iniciar as atividades nesse modelo, desenvolvendo competências essenciais nos estudantes e preparando-os para o acesso ao ensino superior e ao mundo do trabalho. O itinerário do módulo começou pela etapa “Autoconhecimento”, e envolveu 60 alunos sob a orientação da Professora Casiana Battisti. Metodologia integrada para ensino e carreira Para se preparar para o mercado, os alunos desenvolveram atividades que se baseiam na metodologia SESI/SENAI de educação, com estratégias de ensino como exposição dialogada, atividade práticas, trabalhos em grupo, dinâmicas de grupo, seminários, workshops e visitas técnicas. Cada professor tem a liberdade para aplicar as práticas de acordo com a realidade das turmas. Em Itajaí, a Prof. Casiana construiu uma trilha de valor para os alunos que foi referência para docentes. Veja como aconteceu: Etapa 1 - Reflexão: para que os estudantes pudessem registrar suas expectativas em relação a sua própria educação, bem como seus objetivos perante o novo Ensino Médio, eles reuniram-se em auditório para dialogar e iniciar a socialização com a turma. Etapa 2 - Compartilhamento de ideias: em seguida, para assentar o diálogo, os alunos interagiram pela plataforma Mentímeter, ferramenta online e pedagógica de gamificação, respondendo a duas perguntas: “Qual seu objetivo no curso?” e “Quais suas expectativas em relação ao módulo Mundo do Trabalho?”. Depois, escreveram em post-its sobre seus anseios com o curso e sobre como estão dispostos a contribuir ao grupo. Etapa 3 - Trabalho em equipe: para socializar, os post-its foram expostos em formato de árvore. No tronco, foram coladas as expectativas em relação ao curso e as folhas representaram a contribuição para a turma.   Etapa 4 - Projeto de exposição: logo depois, os grupos se reuniram para pesquisar sobre as competências do profissional do século XXI. Eles elegeram 5 competências essenciais e fizeram cartazes para apresentá-las no auditório. Etapa 5 - Painel de discussão: encerrando a atividade, um representante de cada grupo participou de um debate sobre as competências pesquisadas, onde puderam questionar uns aos outros a respeito das definições e assim enriquecer a escuta e argumentação.  De acordo com a Prof. Casiana, o envolvimento das turmas foi profundo. Ela comenta: “Durante o painel, os alunos participaram ativamente, contribuindo com suas opiniões e agregando valor à atividade”.  Resultados no presente para transformar carreiras futuras No módulo Mundo do Trabalho da rede SESI SENAI SC, cada uma das atividades e projetos inspira outros professores e transforma o futuro dos estudantes. Daniela Secco, analista do SESI/SC, comenta sobre a iniciativa: "Excelente. Ouvi-los é a melhor estratégia para respondê-los com significado". Já Osvaldo Tadeu, professor da Educação Profissional, pontua: "Ótima estratégia! A aula ganhou significado e aprendizado! Parabéns professora”. Se você é ou já foi estudante, com certeza a dúvida sobre carreira já pairou seus pensamentos. Foi para transformar esta situação que o módulo Mundo do Trabalho do SESI SENAI surgiu. Com a união e o estabelecimento da relação tangível entre teoria e prática, nossas metodologias funcionam como divisor de águas na formação dos alunos. Para a Prof. Casiana, “muitos dos alunos chegam ao Ensino Médio sem ideia do que querem para o seu futuro. Nas aulas, consigo observar o envolvimento das turmas quanto aos seus objetivos profissionais”.  Com estes relatos, nós comprovamos a missão de fazer a diferença na vida dos jovens e de contribuir para suas escolhas futuras. A parceria de sucesso entre alunos, professores e a qualidade de entregas é o que nos faz ter a certeza de que a educação SESI/SENAI é capaz de transformar positivamente o mundo do trabalho. Venha nos conhecer: estamos por todo o estado!  Unidades de educação SESI/SENAI

Caçador Sem Frestas: projeto une Educação de Jovens e Adultos do SESI à comunidade
Meio Ambiente

Caçador Sem Frestas: projeto une Educação de Jovens e Adultos do SESI à comunidade

6 meses atrás • 3 min de leitura

No último sábado (14), os alunos da Educação de Jovens e Adultos (EJA) do SESI Caçador protagonizaram uma ação solidária e sustentável no município. Com a reciclagem de caixas de leite vazias, eles revestiram o forro e as paredes de uma casa precária na região, trazendo mais conforto térmico para a família e protegendo o lar do vento e da chuva. O projeto surgiu na aula de Linguagens e Códigos e foi desenvolvido sob a orientação do professor Wagner Severgnini. Em sala de aula, os estudantes prepararam placas de revestimento com caixinhas impermeáveis de leite e perceberam a importância de se aplicar em sociedade o que é aprendido na escola. O Projeto Caçador Sem Frestas A ideia de vedar as frestas de casas de madeira surgiu da professora Maria Camozzato, do Rio Grande do Sul. Envolvida desde cedo no trabalho social, ela desenvolveu essa solução enquanto via o granizo e a tempestade destruindo residências da população mais pobre de Passo Fundo. Em Caçador, Santa Catarina, foi um educador da rede SESI quem decidiu promover o projeto: “Observamos que as empresas de reciclagem de Caçador não aceitavam caixas de leite e as excluíam juntamente com o lixo orgânico, pois tinham muita dificuldade em separar as 3 partes que compõem a caixa: o plástico, o alumínio e o papel”, conta Wagner. Diante desse cenário, o professor desafiou os alunos a encontrar formas de reutilizar o material. Ele explica que “os alunos encontraram o isolamento térmico como uma das principais características das caixas. Então, existiam 2 possibilidades: produzir água quente, utilizando o calor do sol, ou forrar as casas com frestas”. Pensando no bem-estar das pessoas, o grupo definiu que a forração seria a melhor ação a ser realizada. Durante 4 meses, os 23 alunos da turma 8 do EJA arrecadaram quase 1.500 caixas de leite. Os números expressivos demonstram a preocupação em fazer a diferença na localidade, e evidenciam como a educação do SESI integra conhecimento e prática para um mundo melhor. A educação SESI unida à comunidade local De acordo com o IBGE, 29,2% da população de Caçador tem rendimento nominal mensal per capita de até ½ salário mínimo. Com isso, a população mais pobre da cidade tem suas condições agravadas a cada vendaval ou tempestade, pois a recuperação dos estragos muitas vezes é inviável financeiramente. Nesse cenário, a Supervisora de Educação no EJA SESI de Caçador, Odete Aparecida, ressalta: “É muito importante que nossos alunos coloquem em prática, através de projetos entregues para a comunidade, toda a aprendizagem adquirida em sala de aula”. Com a ajuda da Secretaria de Assistência Social de Caçador (SASC), a turma 8 do EJA SESI conseguiu encontrar a família que seria beneficiada com as placas de revestimento recicladas. Residentes no Bairro Martello em Caçador, esses moradores precisavam de maior proteção térmica em sua casa. Diante da situação, o Diretor de Habitação Admar Nhoatto e a Secretária Graziela Bender também cederam madeiras para ajudar a fortalecer a estrutura do imóvel e facilitar o revestimento. Benefícios para sociedade e educação [caption id="attachment_299" align="alignnone" width="960"] Família beneficiada com o forro reciclado unida aos alunos e docentes do projeto. Foto: Odete Pereira[/caption] Os benefícios do projeto, para o professor, passam as fronteiras da sala de aula: “Os alunos conheceram a realidade de dificuldades econômicas e de saúde de uma família caçadorense, o que os motivou a auxiliar na arrecadação de forma carinhosa e espontânea”. Além disso, o profissional evidencia que “o projeto reforçou a campanha de reciclagem e trouxe essa discussão à tona, fazendo com que a prática fosse efetivamente concretizada na residência dos alunos e seus familiares”. Assim, com apenas 1 encontro presencial por semana, o professor motivou os estudantes constantemente e envolveu a todos nas decisões. Por meio desta didática, o projeto fluiu e fez com que os alunos recebessem a ideia com entusiasmo, promovendo o bem tanto para suas próprias famílias, quanto para a comunidade. A aluna Viviane Macedo diz ao professor nas redes sociais: "Nós agradecemos por ter nos motivado a ser alguém melhor. O dia foi muito especial, hoje nós vimos o que é uma equipe de verdade, uma equipe dedicada a ajudar alguém. Agradecemos por você ter acreditado em cada um de nós". O projeto foi uma experiência tão gratificante para os alunos, que a turma se mobilizou espontaneamente para contribuir não só com o forro reciclado, mas também com a doação de roupas e alimentos para a família do Bairro Martello.  Realmente inspirador, não é? Conheça mais da Educação de Jovens e Adultos do SESI: aqui nós resolvemos problemas do dia a dia com tecnologias sustentáveis e transformamos o mundo do trabalho.