7 razões para acreditar que fazer um curso técnico vale a pena
Cursos Técnicos

7 razões para acreditar que fazer um curso técnico vale a pena

3 dias atrás • 4 min de leitura

Entenda por que escolher um curso técnico vale a pena para a sua carreira No cenário atual, onde os índices de desemprego estão cada vez mais altos, a capacitação técnica de qualidade é fundamental para recolocação ou entrada no mercado de trabalho. Afinal, a demanda das empresas por profissionais com especializações é uma crescente. Porém, no Brasil, ainda faltam profissionais qualificados, segundo a pesquisa “Escassez de Talentos”, da multinacional ManpowerGroup¹. Nesses casos, quem possui uma qualificação profissional é quem sai na frente. Então, se você ainda está buscando uma profissão, deseja mudar de carreira ou quer se preparar tecnicamente antes de entrar em uma universidade, continue acompanhando a matéria e entenda por que um curso técnico vale a pena. Por que vale a pena fazer um curso técnico? Entenda! A qualificação profissional é item obrigatório nos planos de quem deseja conseguir um emprego mais rapidamente. Existem diversas áreas para a formação técnica, e, geralmente, ela possui um custo mais baixo do que uma universidade, o que certamente torna este caminho ainda mais atraente.  A seguir, confira outras razões para tirar de vez a dúvida se um curso técnico vale a pena: Altas taxas de empregabilidade  Seja para crescer na empresa onde você está ou conseguir um emprego, o curso técnico é a resposta. De acordo com a Pesquisa de Egressos realizada pelo SENAI, de cada 10 alunos formados em nossa instituição, ao menos 7 conseguem emprego no primeiro ano após a conclusão do curso. Isso significa que o índice de empregabilidade fica em torno de 70%.  Além disso, os cursos técnicos ensinam as profissões na prática, preparando os alunos para encarar os desafios do mercado. Esse fato faz com que as empresas deem preferência para quem faz SENAI - afinal, além de uma infraestrutura moderna para os alunos, quem faz um curso técnico no SENAI tem atestado de excelência no exercício de suas atividades. Ensino prático  Uma das vantagens mais importantes dos cursos técnicos é a formação prática e totalmente focada nas habilidades necessárias para atender as demandas do mercado. Além de trabalhar as competências socioemocionais, fundamentais atualmente, os cursos técnicos do SENAI possuem aulas práticas em laboratório, que viabilizam a experimentação da profissão antes mesmo do(a) aluno(a) se formar. Assim, quando chegar ao mercado de trabalho para executar suas tarefas, o profissional o fará com exatidão. Modalidade EaD: mais flexibilidade para você Quem trabalha o dia inteiro ou não tem tempo para estudar, também pode se especializar com um curso técnico. Ainda mais com a pandemia, onde sair de casa não é uma opção para algumas pessoas. É por isso que, nesses casos, um curso técnico EaD ou semipresencial é a melhor opção.  No SENAI, os cursos oferecidos na modalidade a distância são: Administração, Comércio Exterior, Desenvolvimento de Sistemas, Logística, Qualidade, Segurança do Trabalho. Aqui, o aluno consegue estudar quando e onde quiser, com a certeza de uma formação a distância com a mesma qualidade que a presencial.  Progressão na carreira O curso técnico também é uma ótima oportunidade para crescimento profissional. Afinal, é como se fosse o primeiro passo rumo à universidade ou para ser notado em uma organização. No SENAI, sobram exemplos de profissionais que mudaram o rumo de suas vidas com a formação técnica.  Um caso de sucesso é o da Aline que, com o apoio incansável dos pais, conseguiu se formar no curso técnico, progrediu na carreira e continuou se especializando. Hoje, ela é estilista da Lez a Lez e roda o mundo com seu trabalho. Veja a história dela no vídeo abaixo:   Rapidez na formação Você sabe quanto tempo dura um curso técnico? Em média, a formação tem duração de 18 meses a 2 anos. Aliás, é possível acelerar ainda mais esse processo se você estiver no Ensino Médio.  Na Escola S, por exemplo, existe a modalidade de Ensino Médio Integrado - unindo a formação geral da educação básica com a educação profissional. Isso possibilita que, ao final do curso, o aluno seja reconhecido com a certificação técnica e com o diploma do ensino médio.  Ademais, se comparado a uma graduação, por exemplo, o curso técnico é uma formação mais rápida até mesmo para quem já finalizou a escola, está no mercado ou a procura de recolocação. Como o ensino é voltado para o aprendizado prático e profissional, em alguns semestres você conclui os estudos e fica pronto para voltar à ativa.  Se é SENAI, o curso técnico vale a pena! O SENAI é um dos mais grandiosos complexos de educação profissional do mundo, e é considerado, pela Organização das Nações Unidas (ONU), como uma das maiores instituições educacionais do hemisfério sul. Além de ofertar milhares de cursos em todo o Brasil, é também a marca Top of Mind dos brasileiros em ensino técnico e profissionalizante. Cursos técnicos com ótimo custo benefício Sabe por que o SENAI oferece preços acessíveis e facilita o parcelamento de seus cursos? Porque acredita que a educação profissional é capaz de mudar todo o rumo de uma história e, também, da indústria brasileira. Então, para aproveitar as promoções e descontos para os cursos técnicos, acesse nosso site e confira os editais disponíveis. Metodologia e infraestrutura digital e inovadora Dia após dia, o SENAI constrói o futuro da indústria e da aprendizagem com um olhar inovador e antenado às mudanças globais. É por isso que possuímos uma metodologia única de ensino, onde o estudante é protagonista e coloca a mão na massa em projetos aplicados e reais.  Ainda, possuímos uma infraestrutura completa com laboratórios, institutos de pesquisa e inovação, além de ferramentas e sistemas digitais para o ensino à distância de qualidade. E aí, conseguiu entender por que o SENAI é a melhor escolha para a sua carreira? Então, se você está a procura de um curso técnico, não arrisque: faça SENAI. Clique aqui e confira todos os cursos técnicos disponíveis em Santa Catarina!

Cursos EAD reconhecidos pelo MEC: veja a lista para 2021
Cursos Técnicos

Cursos EAD reconhecidos pelo MEC: veja a lista para 2021

2 meses atrás • 5 min de leitura

Na hora de escolher seu curso à distância, é preciso saber se a instituição pretendida possui boa reputação, atende aos seus requisitos de qualidade e, principalmente, se ela possui cursos EAD reconhecidos pelo MEC.  A educação à distância já é uma realidade no Brasil, seja para cursos técnicos ou até graduação. Aliás, segundo pesquisa do Inep, o número de novos alunos em cursos superiores na modalidade à distância, de 2009 a 2019, foi de 330 mil estudantes para mais de 1 milhão e meio -  um aumento de 378,9%¹.  Considerando este cenário, você já deve imaginar o boom de universidades e escolas ofertando o EAD, certo? Mas fique atento: uma instituição que não possui reconhecimento do MEC pode te acarretar diversos problemas no futuro profissional, principalmente com relação à validade do seu diploma. Para ajudar você a encontrar um curso válido, separamos aqui uma lista com técnicos e superiores que possuem excelência reconhecida pelo MEC. Confira! Como saber se um curso EAD é reconhecido pelo MEC? Para saber se seu curso EAD é reconhecido pelo MEC, acesse o site e-Mec e clique em “Consulta Avançada”, conforme imagem abaixo. Depois, é só seguir os passos: Em “Buscar por”, selecione “Curso de graduação” ou “Curso de especialização”; Em seguida, preencha com o nome, sigla, ou código da instituição; Em “Modalidade”, selecione “A distância”; Se desejar, escolha o grau do curso; Preencha o código de verificação e valide-o clicando em “Pesquisar”. Os resultados da pesquisa aparecerão logo abaixo e, neles, você pode conferir o índice de cada curso, suas vagas anuais e data de início.  Se você quer saber se um curso é reconhecido pelo MEC, independente de ser EAD ou presencial, siga o mesmo procedimento e deixe o campo “Modalidade” sem seleção.  22 cursos EAD reconhecidos pelo MEC Existem diversos cursos à distância que possuem reconhecimento do Ministério da Educação. Nossa intenção aqui não é esgotá-los, até porque cada instituição abre e fecha novas turmas a cada semestre. Contudo, com essa lista em mãos, você poderá ter a certeza de que se matriculará em um curso de excelência reconhecida nacionalmente, com diploma válido e advindo de uma instituição de renome.  Então, aproveite a flexibilidade que a modalidade à distância oferece e descubra qual o melhor curso para você! Cursos EAD de tecnólogo reconhecidos pelo MEC Antes de escolher um curso superior EAD, é preciso lembrar que existem 3 tipos de graduação, a licenciatura, o tecnólogo e o bacharelado. Para o curso superior em tecnologia, as vantagens são inúmeras, como foco na prática de mercado e menor tempo de duração. Veja 3 cursos de tecnólogo à distância que vão alavancar sua carreira em 2021: 1. Análise e Desenvolvimento de Sistemas Área: TI - Software Duração: 5 semestres A graduação neste curso permite que o tecnólogo explore a tecnologia da informação e comunicação com muito mais qualidade, raciocínio lógico e autonomia intelectual.  Você aprenderá temas como: Lógica de Programação  Segurança da Informação Banco de Dados Engenharia de Software Arquitetura e Design de Software Computação em Nuvem Desenvolvimento de Site Big Data & Analytics 2. Automação Industrial Área: Automação e Mecatrônica Duração: 6 semestres Nesse curso, você se prepara para atuar a serviço da modernização das técnicas de produção utilizadas nas indústrias. Desenvolve atividades de planejamento, instalação e supervisão de sistemas de integração e automação, utilizando diversas tecnologias, como controladores lógicos, sensores, transdutores, redes industriais, controles de temperatura, pressão, vazão, atuadores eletropneumáticos, sistemas supervisórios e muito mais. 3. Gestão da Produção Industrial Área: Gestão Duração: 6 semestres Este curso visa capacitar profissionais em nível tecnológico para a gestão da produção e serviços do segmento industrial, com ênfase no planejamento, organização, gerenciamento, controle e avaliação dos processos organizacionais. Cursos técnicos EAD reconhecidos pelo MEC O reconhecimento do Ministério da Educação para os cursos técnicos também é essencial para garantir a qualidade e solidez do curso, além de garantir a validade do diploma, assim como acontece na graduação. Veja a seguir a lista de cursos técnicos EAD ou semipresenciais: 4. Edificações 5. Automação Industrial 6. Modelagem do Vestuário 7. Administração 8. Comércio Exterior 9. Qualidade 10. Logística 11. Segurança do Trabalho 12. Desenvolvimento de Sistemas 13. Mecânica 14. Mecatrônica 15. Refrigeração e Climatização 16. Cibersistemas para Automação 17. Internet das Coisas – IoT 18. Plástico 19. Química 20. Têxtil 21. Eletrônica 22. Eletromecânica Independente da área, lembre-se de considerar e analisar a grade curricular do curso técnico EAD ou semipresencial escolhido. Cursos EAD e gratuitos reconhecidos pelo MEC O SENAI, instituição credenciada e reconhecida pelo MEC, possui cursos gratuitos EAD que, periodicamente, são disponibilizados para a comunidade. Para saber se existem turmas disponíveis, clique aqui. Onde encontrar cursos EAD reconhecidos pelo MEC O SENAI-SC e o SESI-SC possuem cursos EAD ou semipresenciais em todo o estado, e aqui você pode confiar: além do credenciamento pelo Ministério da Educação, nossa excelência também é reconhecida, tanto para cursos técnicos quanto para cursos de graduação.  Somos o maior complexo de educação profissional da América Latina, e, além disso, também possuímos faculdades que exploram metodologias ativas e oferecem uma educação de alto nível.    O que o MEC diz sobre a modalidade EAD O Ministério da Educação autorizou o ensino a distância e instituiu políticas de garantia de qualidade para a modalidade através do Decreto 5.622, de 19 de Dezembro de 2005. Neste contexto, é importante mencionar que existe uma diferença entre a instituição obter a autorização para oferecer cursos EAD ter cursos EAD reconhecidos pelo MEC. O que acontece é que, após enviados os documentos e finalizado o credenciamento da instituição para o EAD, ela já fica habilitada a criar cursos superiores nesta modalidade, sem a necessidade de autorização do MEC - e submete-se apenas aos processos de reconhecimento. Mas nem todas as graduações se enquadram nessa situação. Assim, o Ministério da Educação ressalta que, "conforme o § 2o do Art.28 do Decreto 5773 de 09 de maio de 2006, a criação de cursos de graduação em direito, medicina, odontologia e psicologia, inclusive em universidades e centros universitários, deverá ser submetida, respectivamente, à manifestação do Conselho Federal da Ordem dos Advogados do Brasil ou do Conselho Nacional de Saúde." Avaliação do MEC para cursos EAD Para que uma instituição de ensino seja credenciada e possa oferecer cursos válidos a distância, existem alguns referenciais de qualidade definidos pelo Ministério da Educação que norteiam a avaliação. São eles: Concepção de educação e currículo no processo de ensino e aprendizagem; Sistemas de comunicação; Material didático; Avaliação; Equipe multidisciplinar; Infra-estrutura de apoio; Gestão acadêmico-administrativa; Sustentabilidade financeira. É importante frisar que, apesar disso, não existe um modelo único de EAD e cada sistema possui sua própria complexidade. E então, conseguiu encontrar a sua escolha entre os cursos EAD reconhecidos pelo MEC? Para fazer com que todos os seus anos de dedicação sejam admitidos, e, mais que isso, abram portas profissionais significativas a você, faça sua matrícula em uma instituição de ensino como o SENAI - o complexo de educação que possui cursos EAD com a mesma qualidade do presencial. 

O que é curso EaD e como funciona?
Cursos Técnicos

O que é curso EaD e como funciona?

2 meses atrás • 4 min de leitura

É um fato que os cursos Ensino a Distância (EaD), no Brasil, já vinham ganhando bastante popularidade nos últimos anos. De 2009 a 2019, a modalidade teve um aumento de 378,9% no número de novas matrículas. Isso ao mesmo tempo em que as matrículas no ensino presencial subiram apenas 17,8%.  Já em 2020, o aumento da procura por cursos EaD foi ainda mais significativo devido à pandemia da COVID-19. Dividindo opiniões e preferências, a modalidade chegou como uma medida temporária para alguns e tornou-se definitiva para outros. Porém, uma coisa é certa: ela traz diversos benefícios para quem busca capacitação, mas precisa de comodidade e flexibilidade para concluir os estudos.  Mas você sabe, na prática, o que é um curso EaD e como ele funciona? Para ajudar você a entender melhor sobre essa modalidade e fazer a escolha certa para o seu futuro. Reunimos, neste post, as principais dúvidas sobre o curso EaD, benefícios, diferenciais e muito mais. Vamos lá?  O que significa EaD? EaD é a sigla para o termo Ensino a Distância. Ou seja, os alunos assistem às aulas, realizam provas e demais atividades de forma remota, utilizando ambientes virtuais para receber as informações e interagir com professores e os demais alunos. Como funciona o EaD? Os conteúdos ministrados pelos professores são os mesmos ensinados no ambiente físico. No entanto, no EaD, as aulas acontecem em um ambiente virtual de aprendizagem, também chamado de AVA com o apoio de outras ferramentas virtuais que variam de acordo com a instituição de ensino que oferece o curso. Além dessas ferramentas e do ambiente em que as aulas acontecem, também existem canais exclusivos para a troca de mensagens. Assim, os alunos podem tirar dúvidas e discutir o conteúdo estudado, além de tirar dúvidas com os professores. Ou seja, toda a interação que ocorre nas salas de aula tradicionais também acontece na plataforma virtual. Tipos de EaD Existem duas modalidades no ensino a distância: síncrono e assíncrono. Entenda a diferença: EaD Síncrono Nesta modalidade, professores e alunos participam das aulas ao mesmo tempo no ambiente virtual. Com todos conectados em tempo real, as aulas são semelhantes ao ensino presencial, podendo haver interação e perguntas da parte dos alunos ou não.  EaD Assíncrono Já no ensino a distância assíncrono a grande diferença é que as aulas são gravadas e os alunos podem assisti-las no horário em que lhes for mais conveniente. Assim, essa modalidade proporciona uma flexibilidade maior tanto para os alunos como para professores.   Qual é a forma de ingresso no EaD? O processo seletivo para os cursos EaD é bastante parecido com o dos cursos presenciais. Os candidatos realizam o vestibular presencialmente da forma tradicional ou agendando a data e o horário da prova. A prova pode incluir questões objetivas e discursivas, além de uma redação. Além disso, nos últimos anos, tem aumentado o número de instituições brasileiras que utilizam exclusivamente as notas do ENEM (Exame Nacional do Ensino Médio) como forma de ingresso ou como complemento da nota do vestibular. Existem provas presenciais no EaD? Mesmo que o curso seja 100% EaD, não quer dizer que não tenham provas presenciais em algumas situações. Dessa forma, os alunos precisam ir até o local estipulado pela faculdade para realizar algumas provas. Por isso, ao escolher um curso a distância, é importante verificar se a instituição possui um polo de apoio presencial e onde ele está localizado.  Benefícios do EaD A grande vantagem é poder estudar de onde você estiver, sem gastar tempo nem dinheiro com deslocamento. Além disso, para quem já trabalha, fica mais fácil conciliar os estudos com a rotina. O valor é outro grande motivo pelo qual a modalidade é escolhida por muitos estudantes. Nas universidades privadas, os cursos EaD costumam ser mais baratos do que os presenciais. A utilização do ambiente virtual também possibilita uma diversificação maior das metodologias de ensino utilizadas, assim como uma grande variedade de conteúdos digitais de apoio. O que eu devo saber antes de fazer um curso EaD? Antes de optar por um curso, verifique se ele é reconhecido pelo Ministério da Educação (MEC). Essa informação pode ser encontrada diretamente no site do órgão. Além disso, também é importante consultar a nota que o curso escolhido possui. A escala de notas do MEC varia de 1 a 5. As médias abaixo de 3 são consideradas insatisfatórias. Outra dica é buscar nas redes sociais pessoas que fazem ou já fizeram o curso escolhido e perguntar suas percepções sobre as aulas e a metodologia aplicada. Dessa forma, você já pode ter uma ideia de como o curso funciona e se ele realmente irá atender as suas expectativas.  Existe diferença entre o diploma EaD e presencial? Não. A lei brasileira diz que não há diferenças entre os certificados do ensino superior obtidos via EaD e presencial. Ou seja, ao concluir sua graduação ou pós-graduação na modalidade a distância, o diploma recebido pelo aluno é igual ao que é recebido nos cursos presenciais. Ambos são reconhecidos pelo MEC e possuem a mesma validade em todo o território nacional. Onde fazer um curso EaD? Você sabia que o SENAI foi apontado pela ONU como uma das principais instituições educacionais do hemisfério Sul? Isso se reflete nas altas taxas de empregabilidade para formandos e formados em nossos cursos 100% online, presenciais  e semipresenciais. No caso dos formados, por exemplo, o índice de empregabilidade é de 98%! Seja para mudar de carreira ou aperfeiçoar seu currículo, se chegou a hora de colocar o seu futuro em prática, não tenha dúvidas. O SENAI/SC oferece diversos cursos na modalidade EaD com o diferencial de que o seu diploma é reconhecido amplamente pela indústria. E o melhor: você tem total flexibilidade para estudar onde e quando quiser⁣⁣⁣⁣⁣⁣. Acesse nosso site e conheça todos os cursos disponíveis.

Conheça os 7 cursos técnicos que mais empregam
Cursos Técnicos

Conheça os 7 cursos técnicos que mais empregam

2 meses atrás • 4 min de leitura

Como escolher os cursos técnicos que mais empregam e que expectativas ou tendências existem para essas profissões? Você sabia que até 2023, o Brasil terá de qualificar 10,5 milhões de trabalhadores? O dado é do Mapa do Trabalho Industrial e mostra que, neste cenário, o mercado demandará ainda mais profissionais com formação técnica. A notícia é uma ótima oportunidade para você que quer retomar ou iniciar a carreira em 2021, mas ainda não sabe qual curso técnico escolher. Assim, para ajudar você a decidir o seu futuro sem medo, reunimos aqui uma lista com os cursos e áreas mais demandados e com alto potencial de empregabilidade. Confira! Cursos técnicos mais procurados pelo mercado de trabalho De acordo com uma pesquisa realizada pelo Mapa do Trabalho Industrial, as áreas que vão precisar de mais técnicos no Brasil e em Santa Catarina são:  Metalmecânica; Informática;  Construção; Logística; Energia e telecomunicações; E eletroeletrônica; Além disso, destacam-se os técnicos com qualificação transversal, ou seja, que possuem uma formação integrada e que possibilitam o trabalho em qualquer segmento, como técnicos em eletrotécnica, controle da produção ou administração. Para que você entenda na prática, separamos uma lista com os cursos técnicos que mais empregam e com maiores salários. Veja a seguir: 1. Técnico em Fabricação Mecânica Carga horária aproximada: 1280 horasSalário médio: R$4.598,67Requisitos e idade mínima: cursar o 2º ano do Ensino Médio ou o ter concluído; 14 anos. Conforme a grade curricular do curso no SENAI, o principal objetivo desta formação é capacitar os profissionais para o planejamento de sistemas de fabricação mecânica, operacionalização e coordenação de seus processos, considerando custos operacionais e especificações do projeto.  Ademais, é importante saber que a fabricação mecânica abrange um mercado com alto potencial e demanda por profissionais e, ao formar-se neste curso, você executará atividades como reparo de moldes para injeção de termoplásticos e até de conjuntos mecânicos (usinagem). [MELHORES CURSOS TÉCNICOS DE FABRICAÇÃO MECÂNICA] 2. Técnico em Desenvolvimento de Sistemas Carga horária aproximada: 1000 horasSalário médio: R$4.049,03Requisitos e idade mínima: cursar o 2º ano do Ensino Médio ou o ter concluído; 14 anos. Atualmente, o setor de TI é um dos que mais demandam mão de obra qualificada. Assim, com esta formação, você poderá desenvolver e programar sistemas computacionais, de forma a atender normas de qualidade, usabilidade, integridade e segurança da informação.  Aliás, no SENAI, você pode fazer o curso de Desenvolvimento de Sistemas a nível técnico ou tecnólogo (graduação). Para saber qual é o mais adequado para a sua carreira, confira nossas dicas nesta matéria.  [MELHOR CURSO TÉCNICO EAD EM DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS] 3. Técnico em Edificações Carga horária aproximada: 1200 horasSalário médio: R$3.778,13Requisitos e idade mínima: cursar o 2º ano do Ensino Médio ou o ter concluído; 14 anos. Se você deseja seguir carreira no setor de construção civil, este é o curso certo. Afinal, com ele, você aprende a desenvolver orçamentos, calculá-los, a fazer a manutenção de obras e a dominar os projetos de edificações. Dessa forma, com todo esse leque de habilidades ao final da formação, você também será capaz de coordenar e acompanhar as equipes durante a execução dos projetos. Se interessou? Conheça alguns cursos técnicos em edificações no link abaixo: [MELHORES CURSOS TÉCNICOS EM EDIFICAÇÕES] 4. Técnico em Logística Carga horária aproximada: 960 horasSalário médio: R$2.369,00Requisitos e idade mínima: cursar o 2º ano do Ensino Médio ou o ter concluído; 14 anos. Empresas que produzem ou prestam serviços em grande quantidade precisam de um profissional para planejar e organizar suas questões logísticas. Por isso, ao formar-se como técnico em logística, um mundo de oportunidades se abre em diversos setores, sejam eles industriais ou não. Com este curso, você será capaz de atuar em operações logísticas, aprendendo tudo sobre procedimentos de transportes, armazenamento e distribuição nas cadeias de bens e serviços.  [MELHOR CURSO TÉCNICO EAD EM LOGÍSTICA] 5. Técnico em Telecomunicações Carga horária aproximada: 1200 horasSalário médio: R$3.177,30Requisitos e idade mínima: cursar o 2º ano do Ensino Médio ou o ter concluído; 14 anos. Entre os cursos técnicos que mais empregam, está ainda o de telecomunicações, que possibilita sua atuação nas áreas de planejamento, instalação e manutenção de sistemas de telefonia, comunicação de dados, serviços de celulares e TV digital. [MELHORES CURSOS TÉCNICOS EM TELECOMUNICAÇÕES] 6. Técnico em Eletrotécnica Carga horária aproximada: 1280 horasSalário médio: R$4.909,06Requisitos e idade mínima: cursar o 2º ano do Ensino Médio ou o ter concluído; 14 anos. O curso técnico em eletrotécnica capacita os profissionais para que se tornem aptos a projetar, instalar, manter e operar sistemas elétricos e equipamentos seguindo normas técnicas. Dessa forma, o trabalho poderá ser realizado tanto em construções civis, quanto na indústria, ou em empresas de geração, transmissão e distribuição de energia elétrica e de telecomunicações.  [MELHORES CURSOS TÉCNICOS EM ELETROTÉCNICA] 7. Técnico em Informática para Internet Carga horária aproximada: 1000 horasSalário médio inicial: R$1.665,00Requisitos e idade mínima: cursar o 2º ano do Ensino Médio ou o ter concluído; 14 anos. O curso técnico em Informática para Internet capacita o profissional a desenvolver softwares, sistemas e aplicativos para internet. Por isso, no curso, você estudará diferentes linguagens de programação, aprenderá metodologias modernas na área de TI e poderá atuar em quase todos os setores da economia. [MELHORES CURSOS TÉCNICOS EM INFORMÁTICA] Onde fazer um curso técnico para conseguir emprego Na hora de definir a sua instituição de ensino e escolher entre os cursos técnicos que mais empregam, prefira aprender na prática e com quem sabe: faça SENAI. Afinal, somos o maior complexo privado de educação profissional da América Latina, possuímos altas taxas de empregabilidade para formandos e formados e ainda contamos com cursos presenciais, semipresenciais e 100% online. Aqui, 7 em cada 10 formados nos Cursos Técnicos estão empregados¹, com um diploma reconhecido amplamente pela indústria, e podendo trabalhar em qualquer setor da economia. De fato, segundo a Pesquisa de Acompanhamento de Egressos do SENAI, o índice de alunos empregados entre 2017-2019 foi de 86,4% para a área de Tecnologia da Informação, 72,9% para a área de Logística, 71,4% para o setor de Segurança do Trabalho, 70,5% para a área de Refrigeração e Climatização, e 67,9% para Gestão. Inegavelmente, fazer um curso técnico no SENAI é a opção perfeita para garantir sua vaga no mercado de trabalho, não acha? Então, que tal escolher um dos cursos técnicos da lista e mudar a sua história? Acesse nosso site e veja as melhores opções para você!

Curso técnico ou tecnólogo: qual devo escolher?
Cursos Técnicos

Curso técnico ou tecnólogo: qual devo escolher?

3 meses atrás • 3 min de leitura

Chegou a hora de definir o seu futuro e você está indeciso sobre as modalidades de curso? Se você está passando por esse momento, chegou ao lugar certo. Ter todas as informações, antes de fazer a sua escolha entre um curso técnico ou tecnólogo, é fundamental para que você atinja suas expectativas com a formação.  Embora as nomenclaturas sejam semelhantes e muitas pessoas confundam os dois, existem várias diferenças entre os cursos técnicos e tecnólogos. Por isso, reunimos aqui todas as características sobre cada modalidade, seus benefícios e diferenças. Confira! Tecnólogo X curso técnico: qual é a diferença? A principal diferença, no final das contas, é a preparação que cada curso oferece para o mercado. Ambos preparam o aluno para uma profissão, mas enquanto os cursos técnicos formam profissionais mais voltados para o trabalho operacional, a habilitação em tecnólogo prepara também para que os egressos possam atuar em cargos de gerência. Porém, as diferenças não estão limitadas apenas a isso. Veja abaixo todas as particularidades de cada curso.  Curso técnico: características e diferenciais Como funciona o curso técnico? Os cursos técnicos são classificados como cursos de nível médio e são encontrados nas instituições do Sistema S (como o SENAI, por exemplo), institutos federais de educação e também nas escolas técnicas. Geralmente, os cursos dessa modalidade disponíveis em uma cidade, são criados para atender às necessidades do mercado de trabalho da região, visando preencher as vagas que precisam de mão de obra qualificada. Requisitos para cursar A escolaridade mínima para cursar irá depender do curso e da instituição escolhida. Mas existem cursos técnicos voltados para quem já é formado no ensino médio, para quem está cursando e também para alunos que possuem somente o ensino fundamental. Duração do curso técnico Os cursos técnicos podem ter de seis meses até três anos de duração. O tempo varia de acordo com a formação escolhida. Tipos de cursos técnicos Integrado: com duração média de quatro anos, prepara o estudante do ensino médio para uma profissão. Assim, ao sair da escola, ele possui um certificado de qualificação profissional, além do diploma de conclusão do ensino médio.Concomitante: com duração média de dois anos, pode ser cursado por quem já concluiu a primeira série do ensino médio. Assim, o aluno possui duas formações, onde conclui as disciplinas normais do ensino médio em uma e na outra as disciplinas do curso técnico. Subsequente: a duração varia de acordo com cada formação. Voltado para quem já é formado no ensino médio e procura uma formação específica para ingressar no mercado de trabalho ou mudar sua área de atuação. Formação Inicial e Continuada (FIC) ou Qualificação Profissional: classificado como um curso de curta duração, essa categoria é voltada para estudantes de ensino médio, trabalhadores e beneficiários de programas federais de transferência de renda (como o Bolsa Família). Curso tecnólogo: características e diferenciais Como funciona um curso tecnólogo? É sempre importante lembrar que o tecnólogo, embora possa ter menor duração que os demais, é um curso de nível superior. Portanto, você irá encontrá-lo somente em instituições de ensino superior, ou seja, em faculdades públicas ou privadas. Atualmente, de acordo com as informações publicadas no Catálogo Nacional de Cursos Superiores de Tecnologia, divulgado pelo MEC (Ministério da Educação e Cultura), existem mais de 100 opções de cursos tecnólogos no Brasil. Por se tratar de uma formação relativamente nova no país, é mais comum encontrar os cursos de tecnólogo nas instituições privadas. Requisitos para cursar  Outro grande diferencial que deve ser observado ao fazer a escolha entre curso técnico ou tecnólogo, é o nível de escolaridade mínimo exigido para ingressar em cada modalidade. Para cursar o tecnólogo é necessário, obrigatoriamente, ter concluído o ensino médio. Além disso, também é necessário passar por um processo seletivo, como o vestibular ou SiSU (Sistema de Seleção Unificada). Duração curso tecnólogo A maioria dos cursos tecnológicos podem ser concluídos entre dois e três anos. Bastante voltados para a prática da profissão, os cursos tecnólogos possuem algumas matérias teóricas e muitas aulas práticas. Dependendo do curso escolhido e da instituição, os alunos também precisam fazer um Trabalho de Conclusão de Curso (TCC) e/ou um estágio para obter o diploma de conclusão. É melhor fazer um curso técnico ou um tecnólogo? A escolha vai depender dos seus objetivos profissionais. Ou seja, é preciso avaliar qual deles irá lhe qualificar para as oportunidades que você deseja no momento, porém não deixe de pensar a médio e longo prazo. Independentemente da sua escolha, se você deseja crescer profissionalmente, o SENAI/SC pode lhe ajudar a colocar seu futuro em prática! Conheça nossos cursos técnicos e também os tecnólogos da Faculdade SENAI.

EaD ou semipresencial: saiba como escolher uma modalidade
Graduação

EaD ou semipresencial: saiba como escolher uma modalidade

3 meses atrás • 3 min de leitura

No momento de escolhermos um curso, um dos principais fatores a ser levado em consideração é a sua modalidade. Ela pode ser presencial, EaD ou semipresencial.    No entanto, muitas vezes, o EaD (Ensino à Distância) também é chamado de semipresencial. É importante sabermos que isso é um equívoco, pois tratam-se de duas modalidades diferentes.    Neste blog post, você irá entender como funciona cada uma das modalidades, conferir as semelhanças, diferenças e saber o que levar em consideração ao optar por uma delas.  Seja um curso de graduação, técnico ou de curta duração, entender as diferenças entre as modalidades semipresencial e EaD vai lhe ajudar a escolher qual desses formatos é o ideal para a sua rotina. Vamos lá? Ensino à Distância (EaD) A principal característica dessa modalidade é que todo o processo de aprendizagem ocorre em um Ambiente Virtual de Aprendizagem (AVA). Os conteúdos são enviados aos alunos por meio de videoaulas gravadas anteriormente ou em transmissões ao vivo.  Nessa sala virtual, o estudante pode encontrar diferentes tipos de materiais e informações relacionadas às aulas como matérias a estudar, artigos, exercícios e até jogos, além de realizar suas atividades avaliativas.  De modo geral, os encontros presenciais são raros e a frequência em que ocorrem depende das regras estabelecidas pela instituição de ensino. Mas, de modo geral, eles costumam ser realizados mensalmente, ou apenas uma vez no semestre.  Entre os principais benefícios do EaD estão a economia, tanto financeira como em tempo, além de eliminar a necessidade de deslocamento até a instituição de ensino. Uma facilidade extra é poder estudar de onde estiver e a hora que escolher. Por outro lado, é preciso ter muita disciplina e organização para aproveitar essa flexibilidade. Caso contrário, você pode acabar deixando os estudos de lado enquanto é absorvido por outras atividades do dia a dia. Curso semipresencial Também conhecido pelos nomes de ensino híbrido ou blended learning, o curso semipresencial combina algumas características do ensino presencial com outras do EaD, funcionando como uma espécie de misto entre eles. Ou seja, você terá aulas presenciais no formato tradicional e também aulas virtuais, ao vivo ou gravadas, assim como no EaD.  Presencialmente, na instituição ou em seus pólos de apoio, as aulas são aplicadas no mesmo formato em que ocorre nos cursos presenciais. Existe um horário fixo e turmas pré-definidas. As provas e apresentação de trabalhos são feitas presencialmente e, se desejar, o aluno também pode comparecer para tirar dúvidas com professores ou monitores.  No caso dos cursos técnicos do SENAI/SC, por exemplo, as aulas são mais flexíveis em relação aos cursos 100% presenciais, possuem conteúdos bastante práticos e têm como foco principal desenvolver as competências profissionais.  A metodologia costuma mesclar aulas nas salas virtuais com atividades práticas realizadas nos laboratórios da instituição. EaD ou semipresencial: principais diferenças entre os cursos Carga horária  Esse é um requisito determinante para a definição da modalidade é a carga horária. Se 20% dela for destinada às aulas a distância, o curso já é considerado semipresencial. Além disso, a carga horária de cada modalidade é definida pela instituição de ensino e depende de alguns fatores, como as necessidades específicas dos cursos e das exigências do MEC. Interação A interação entre alunos e professores na modalidade semipresencial costuma ser um pouco maior, já que os cursos contam com aulas ao vivo e encontros presenciais que possibilitam uma maior convivência. Enquanto no EaD essa interação é menor, pois os compromissos presenciais são mais raros.  Valor  O valor das mensalidades é um grande diferencial quando comparamos um curso EaD ou semipresencial com os cursos presenciais. Geralmente, os custos costumam ser mais baixos, já que os recursos necessários para as aulas virtuais são mais baratos. EaD ou semipresencial: para quem cada curso é indicado? Podemos considerar dois fatores como os principais determinantes para responder essa pergunta: suas preferências e a sua disponibilidade de tempo. Os cursos EaD são bastante indicados para pessoas que não conseguem comparecer todos os dias na instituição de ensino ou em um polo de educação a distância, seja por conta de falta de tempo ou pela distância.  Por outro lado, é importante ter bastante disciplina e seguir um planejamento para cumprir o cronograma de estudos, reservando tempo e um local adequado para os estudos em sua rotina. Cursos EaD ou semipresencial no novo normal Os cursos semipresenciais e EaD já estavam se tornando cada vez mais populares por conta da falta de tempo e da correria nos grandes centros urbanos, mas foram ainda mais buscados diante das medidas de isolamento social no combate à pandemia do Covid-19.  Isso fez com que as instituições aumentassem a ofertas de cursos nessas modalidades, trazendo mais possibilidades para quem busca uma nova formação. Que tal aproveitar esse tempo extra em casa para fazer uma qualificação e complementar o seu currículo? Conheça os cursos SESI SENAI e esteja preparado para novas oportunidades em sua carreira.

Novo Ensino Médio: entenda a reforma e como ela funciona na Escola S
Ensino Médio

Novo Ensino Médio: entenda a reforma e como ela funciona na Escola S

4 meses atrás • 4 min de leitura

O novo Ensino Médio vem para atender as exigências de um mundo cada vez mais dinâmico e complexo, onde profissões novas surgem a todo momento. Em essência, a reforma visa diminuir os índices de evasão e as baixas taxas de aprendizado dos estudantes. Segundo dados divulgados pelo Ministério da Educação (MEC), 41% dos jovens abandonam a escola antes de se formar, e apenas 6 em cada 10 brasileiros de até 19 anos concluem o Ensino Médio na faixa etária esperada.  Tendo em vista esse cenário, a implementação de um novo Ensino Médio busca transpassar esses desafios e conectar-se aos anseios da juventude e ao mercado de trabalho. Para entender mais sobre como essa nova dinâmica funcionará, acompanhe a matéria a seguir. O que é o novo Ensino Médio O novo Ensino Médio é uma reforma na estrutura de ensino brasileira aprovada pela Lei nº 13.415/2017. Em síntese, ela define a flexibilização da grade curricular e abre possibilidades para diferentes escolhas dos estudantes em sua vida acadêmica. Seu principal objetivo foi facilitar a adequação da educação básica brasileira às necessidades da atualidade, que pede competências e habilidades sociais, pessoais e tecnológicas para além da escola tradicional e padronizada. O ajustamento das escolas deve ser feito até 2022 - mas instituições como o SESI SENAI, ao utilizar metodologias que colocam os alunos no centro do processo de aprendizagem, já colocam o piloto da nova estrutura em prática, em algumas escolas de Santa Catarina, desde 2019. O que muda com o novo Ensino Médio A principal mudança do novo Ensino Médio proposto pelo Ministério da Educação aconteceu na Base Nacional Comum Curricular (BNCC), o documento que direciona os aprendizados fundamentais da educação básica. Com a reformulação, o governo pretendeu flexibilizar o currículo, organizando o Ensino Médio em 4 áreas do conhecimento:  Linguagens e suas Tecnologias Matemática e suas Tecnologias Ciências da Natureza e suas Tecnologias E Ciências Humanas e Sociais Aplicadas Nessa estrutura, português, matemática e inglês são disciplinas obrigatórias nos três anos, e o restante é distribuído de forma flexível (mas também obrigatórias), de maneira a utilizar novos formatos de aula e conectar conhecimentos e professores de diferentes áreas. É importante ressaltar que a BNCC estimula as escolas a elaborarem seus currículos de forma a integrar os componentes de uma mesma área, como já acontece no ENEM, por exemplo. Além disso, o Eixo V, Itinerário de Formação Técnica e Profissional, ganha a mesma relevância que as demais áreas. Entenda mais a seguir. Itinerários formativos A flexibilização da grade curricular demonstrada acima tem a intenção de proporcionar ao estudante mais escolhas em sua vida escolar. A partir do novo Ensino Médio, é o aluno quem decide em qual área do conhecimento deseja se aprofundar por meio dos itinerários formativos, firmando seu protagonismo estudantil. A organização dos itinerários pode ser por área do conhecimento ou formação técnica e profissional, e ainda há a opção dos estudantes cursarem um ou mais itinerários formativos de forma concomitante ou sequencial. Na Rede SESI SENAI, agora Escola S, os alunos têm autonomia para escolher as áreas em que tenham mais afinidade e definir seus planos de estudo pessoais. Um exemplo de itinerário por aqui é o STEAM, que se aprofunda em temas e áreas de Ciências, Tecnologia, Engenharia, Arte e Matemática. Ensino Técnico: formação profissional no Ensino Médio regular O novo Ensino Médio vem com uma proposta mais voltada ao mercado de trabalho, onde a formação técnica e profissional passa a fazer parte do Ensino Médio regular. Dessa forma, mesmo os estudantes que não escolhem cursar uma escola técnica no início da etapa podem compor a carga horária destinada aos itinerários, com cursos técnicos ou cursos de Formação Inicial e Continuada (FIC). Nesse cenário, existem algumas possibilidades e, aqui na Escola S, trabalhamos com as seguintes: 1. Ensino Médio Integrado, articulando os conhecimentos da formação geral básica com a formação técnica e profissional do SENAI; 2. Ou formação geral básica na Escola S e formação técnica e profissional concomitante em outra instituição parceira. Em nossas redes, é o aluno quem constrói o seu plano pessoal de estudos, junto à orientação de nossos docentes, e, com isso, traça o tipo de formação que deseja, conforme seus interesses. Esse modelo rompe com a metodologia conteudista e faz os estudantes aprenderem a aprender, em vez de simplesmente memorizar. Por meio de reflexões, debate, projetos e oficinas práticas, eles desenvolvem habilidades e competências para a vida e para o mundo do trabalho.  Carga Horária Outra mudança significativa trazida pelo novo Ensino Médio é a carga horária das escolas. Com a reforma, as escolas passam de 2.400 horas para pelo menos 3.000 horas totais, onde 1.800 horas são destinadas à formação geral básica, com os conhecimentos previstos na BNCC. O restante da jornada é destinado para os itinerários formativos.  O novo Ensino Médio na rede SESI SENAI, agora Escola S Na Escola S, o novo Ensino Médio já está estruturado e, além dos itinerários formativos e expertise do SENAI em cursos técnicos, conta também com o apoio de uma plataforma de ensino híbrido, o Geekie One.  Além de trazer materiais didáticos que permitem a flexibilização do currículo e uma proposta mais interdisciplinar, o Geekie One trabalha com metodologias ativas, dinamismo e uma linguagem que potencializa o desenvolvimento integral necessário para o atual mundo do trabalho. Combinando a tecnologia às práticas pedagógicas, a plataforma proporciona um aprendizado e planejamento mais leve, prático e organizado.  Ficou curioso(a) para conhecer o Ensino Médio da Escola S? Clique aqui e acesse nosso site!

Metodologias ativas: mais protagonismo e autonomia para os estudantes
Ensino Básico

Metodologias ativas: mais protagonismo e autonomia para os estudantes

7 meses atrás • 4 min de leitura

As metodologias ativas fazem parte do contexto de instituições educacionais que estão atentas às mudanças na educação. Os métodos tradicionais, nos quais o conhecimento é transmitido unicamente pelo professor, já não fazem mais sentido em uma sociedade superconectada e cada vez mais desafiadora para os jovens. Se você quer entender mais sobre os principais conceitos e práticas das metodologias que estão transformando o ambiente educacional, acompanhe este artigo! O que são metodologias ativas? A metodologia ativa é um processo amplo e envolve diferentes práticas em sala de aula, visando desenvolver a autonomia e protagonismo do estudante em sua trajetória educativa. Nesse contexto, os alunos passam a ter um papel ativo no processo de ensino-aprendizagem, enquanto os professores atuam como mentores constantes e atentos aos caminhos que os jovens escolhem trilhar. Hoje, os estudantes precisam ser preparados para enfrentar as diversas situações da vida, adquirindo, desde cedo, competências e habilidades sociais, pessoais e tecnológicas. A escola tradicional, muitas vezes, não permite isso: ela ensina e avalia a todos igualmente, exigindo resultados padronizados e ignorando a era da informação em que vivemos. Na metodologia ativa, os alunos deixam de apenas receber o conteúdo passivamente, em aulas expositivas, e começam a fazer parte da construção do conhecimento. Para aprender a cozinhar, por exemplo, não basta receber a receita - é preciso fazer, botar a mão na massa e experimentar - e é essa a proposta dessas práticas pedagógicas. Características das metodologias ativas  Aprendizado a partir de situações e problemas reais;  Estudante como protagonista de seu processo de aprendizagem;  Professor como guia/orientador;  Ambiente físico das salas de aula é mais aberto, integrando lazer e estudo. Técnicas de metodologias ativas - Projetos práticos e hands-on; - Debates e discussões em grupo; - Estudos de caso; - Pesquisas de campo e trabalhos investigativos; - Jogos e brincadeiras; - Uso de tecnologia, como programação e robótica. 5 exemplos de metodologias ativas A seguir, destacamos exemplos de abordagens, práticas e movimentos baseados no conceito de metodologias ativas: 1. STEAM STEAM é um acrônimo em inglês para ciência, tecnologia, engenharia, artes e matemática. A proposta dessa abordagem é integrar os conhecimentos de todas essas áreas, de forma a preparar os estudantes para os desafios da vida e do futuro. A abordagem STEAM é considerada integrada e baseada em projetos, uma vez que a construção de protótipos, solução de problema e outras criações com o uso de programação e robótica, por exemplo, fazem parte da aprendizagem. A adoção da STEAM nas escolas desperta proatividade, inovação, empatia, criatividade e desenvolve conhecimentos, habilidades e atitudes para que os alunos formem-se como verdadeiros cidadãos. Todo esse contexto deriva da aprendizagem maker. Entenda a seguir. 2. Aprendizagem Maker O movimento Maker desafia as pessoas a criarem objetos, ferramentas e soluções para problemas reais do cotidiano com as próprias mãos. Na educação, ele entende os estudantes como seres pensantes e criativos, que devem ser preparados para agir com autonomia, em atividades individuais e coletivas, e ter a preocupação e o compromisso de mudar a realidade em que estão inseridos. Além de reconhecer e explorar o potencial de um mundo organizado em rede, a perspectiva Maker responde às necessidades de um futuro em plena transformação, tanto do ponto de vista das relações pessoais como coletivas. Na Escola S, a rede educacional do SESI SENAI, os estudantes têm acesso ao Espaço Maker, um ambiente com equipamentos que vão dos mais simples aos mais sofisticados - como arduinos, raspberry pi, drones, impressoras 3D e placas eletrônicas. 3. Aprendizagem baseada em problemas Aprendizagem baseada em problemas, ou ABP, é uma abordagem em que o estudante aprende através da resolução de situações e conflitos. Aqui, a proposta é construir conhecimento utilizando de recursos como debates e discussões em grupo, o que estimula o trabalho em equipe e a promoção da interdisciplinaridade. 4. Ensino híbrido O ensino híbrido, ou blended learning, é um modelo de educação no qual o estudante aprende parte por meio do ensino online, controlando seu ritmo de estudo, tempo e lugar, e parte em um espaço físico, com supervisão de um professor, por exemplo. A Escola S, inclusive, utiliza essa metodologia e alia as atividades presenciais e virtuais, a partir de tecnologias educacionais como Google for Education, Meet, Geekie One e até WhatsApp e Telegram. Essa abordagem fez enorme diferença no enfrentamento da pandemia do coronavírus e na promoção de aulas de qualidade, mesmo durante a crise sanitária. 5. Gamificação A gamificação é uma abordagem onde os jogos e as aulas preparadas com linguagem de jogos surgem e engajam ainda mais os estudantes. Desafios, competições e recompensas já fazem parte, na maioria das vezes, do dia a dia desses alunos, e trazer isso para a sala de aula permite estimular ainda mais o aprendizado. Viu só como as metodologias ativas ajudam a desenvolver competências importantes e pensamento crítico nos estudantes? O intuito é deixá-los cada vez mais preparados para o futuro e para a vida, proporcionando práticas pedagógicas que os ajudem a enfrentar situações complexas com naturalidade. Vantagens das metodologias ativas Aplicar as práticas das metodologias ativas em sala de aula traz muitos benefícios, tanto para os estudantes, quanto para os professores. Confira: - Protagonismo e autonomia: nessa proposta, o processo de ensino-aprendizagem é pautado no estudante, e é ele o responsável pela construção do conhecimento. - Mais engajamento e motivação: as aulas são dinâmicas e divertidas, fazendo com que os jovens sejam muito mais participativos. - Desenvolvimento soft skills: com essas práticas, não só as competências cognitivas (como memória, atenção, habilidades motoras) são desenvolvidas, como também as socioemocionais, a exemplo da cooperação, flexibilidade e liderança. - Mais confiança e segurança: a partir desses modelos, o estudante prepara-se não apenas para o vestibular, mas também para o mercado de trabalho, enfrentando situações adversas da vida com mais facilidade. Gostou? Se você quer ver como as metodologias ativas estão transformando os estudantes na prática, que tal conhecer a Escola S? Lá, nossos alunos são preparados para o futuro e para vida, em uma escola superconectada e com propostas pedagógicas singulares.  Conheça a Escola S 

SESI SENAI oferece apoio psicossocial aos estudantes do Ensino Médio
Ensino Médio

SESI SENAI oferece apoio psicossocial aos estudantes do Ensino Médio

7 meses atrás • 3 min de leitura

Em tempos de pandemia, os estudantes do terceiro ano do Ensino Médio também precisam se preocupar com provas, vestibulares e ENEM. Pensando nisso, o SENAI Lages lançou um novo projeto direcionado aos jovens, visando oferecer apoio psicossocial individualizado.  Por meio de ligações telefônicas quinzenais, a área de psicologia da instituição entra em contato com os estudantes, e procura compreender como está sendo a rotina deles neste período de quarentena. Para lançar o projeto, a unidade realizou uma live e contou com a participação da psicóloga Danielle Sobotca, da orientadora do Ensino Médio Maira Ribas e do professor Edenir Espíndula.  A seguir, você confere as principais informações do evento e entende como funciona o projeto. Desafios do ensino à distância para os estudantes Para os alunos do terceiro ano do Ensino Médio, a pandemia chegou como um balde de água fria. A psicóloga Danielle Sobotca comenta: "Vocês iniciaram esse ano com planos, com objetivos e ideias de como seria o tão esperado terceirão e, de repente, chegou o coronavírus". A ansiedade, o medo e as frustrações já seriam comuns nessa época da vida dos jovens e, com a crise atual, podem acabar sendo potencializadas. Além do estresse gerado por conta das provas de universidades e das decisões a serem tomadas com relação à carreira, os estudantes também relatam as dificuldades de focar nos estudos em casa e nos conflitos que acabam surgindo com a família. Por tudo isso, o SESI SENAI organizou um encontro online para conversar sobre todas essas emoções de forma descontraída, e entender um pouco mais sobre como é possível lidar com elas. Entenda a seguir! Como lidar com as emoções no período de quarentena? O primeiro passo, de acordo com a profissional Danielle, é entender se a sua ansiedade está acima do normal.  E como saber se a situação está fora do controle? Bem, quando isso está atrapalhando a sua vida de alguma forma, explica a psicóloga. Ela diz: "Será que você está dormindo demais, ou de menos? Está comendo muito... ou pouco? Está com dificuldades nas relações em casa?" - esses pontos podem ser sinais de que os sentimentos estão interferindo e é hora de refletir. Quando você se der conta dessas emoções, siga alguns conselhos para lidar com elas: Tenha paciência com você: é completamente normal estar ansioso nesse momento. Permita-se sentir suas emoções!Filtre as informações: devido aos estudos, você precisa estar em contato com novas informações a todo momento. Mas procure focar também em conteúdos positivos, pois o excesso de notícias ruins tende a tirar o seu controle, e é aí que vem a ansiedade. Mantenha uma rotina: dessa forma, você retoma a sensação de controle. Acorde nos mesmos horários, estude, pare para fazer refeições e tenha momentos de lazer. Ademais, o professor Edenir comenta: "Em todos os momentos da vida nós precisamos de resiliência… Mas agora, precisamos dela mais do que nunca!". E ele complementa:  "Vocês são capazes, vocês são feras, vocês arrebentam com tudo. Eu conheço cada um de vocês, e eu sei da capacidade que existe em vocês." Os profissionais também ressaltam os aprendizados que podemos tirar de toda a situação. Para eles, as crises são uma oportunidade de desenvolvimento, e essa também tem vantagens, como:  Consciência social: estamos conversando a todo momento sobre como nossas ações impactam na vida do outro e no quanto as ações do outro vão impactar em nossa vida. Agora, mais do que nunca, é preciso pensar no bem-estar comum.  Valorização da ciência: com a busca pela vacina contra o coronavírus e os tratamentos, estamos entendendo a importância dos estudos científicos, da comunidade médica e de outros inúmeros profissionais.Controle emocional: com a pausa, temos a oportunidade de olhar mais para nós mesmos, parar para entender as nossas relações e a nossa vida. Assim, fica mais leve enfrentar a quarentena e focar nos estudos para os vestibulares. Juntos, mesmo a distância, poderemos criar uma rede de apoio entre as famílias e a escola. Sobre o projeto de apoio psicossocial O projeto de apoio psicossocial aos estudantes do Ensino Médio do SESI SENAI Lages começou em maio e, inicialmente, destina-se a cerca de 50 alunos do terceiro ano.  Nas ligações, a psicóloga procura entender se eles estão conseguindo se adaptar à nova rotina, e se estão vivenciando alguma dificuldade, como ansiedade, angústia e problemas de alimentação ou sono. A partir dessas informações, são elaboradas ações de apoio aos jovens, como o envio de materiais para leitura, tarefas envolvendo mudanças de comportamento e reflexões sobre o problema enfrentado por eles. O contato é feito quinzenalmente com grande parte dos estudantes, mas, em alguns casos pontuais, a conversa é realizada semanalmente. Embora o projeto não possa abranger a todos nesse começo, ele é fundamental para fortalecer a rede de apoio dos estudantes.  Para finalizar, fica aqui o recado aos estudantes: nosso canal está aberto e à disposição de vocês, assim como os profissionais de psicologia e os orientadores educacionais, caso sintam necessidade. Seguimos todos juntos, mesmo a distância. Bons estudos e cuidem da saúde física e mental!

Conheça 3 tipos de graduação no Brasil e seus benefícios
Graduação

Conheça 3 tipos de graduação no Brasil e seus benefícios

9 meses atrás • 3 min de leitura

Você conhece os tipos de graduação no Brasil e as oportunidades que ela pode trazer em tempos de crise? Diante da pandemia, a economia brasileira vem sofrendo ainda mais com a recessão. De acordo com as previsões do Fundo Monetário Internacional (FMI), nosso cenário econômico deve sofrer uma queda de 5,3% em 2020, o que certamente afetará o mercado de trabalho de forma negativa. Mas será que existem oportunidades a serem exploradas neste cenário? O que os profissionais podem fazer para continuar no mercado diante de tantas transformações? A seguir,  apresentamos os tipos de graduação existentes no Brasil e exploramos a sua estreita relação com a empregabilidade em tempos de crise. Acompanhe: Modalidades Para se obter um diploma de curso superior no Brasil, você pode optar entre 3 modalidades: o bacharelado, a licenciatura ou o tecnólogo. Dependendo do seu estágio de conhecimento e objetivos de carreira, cada uma exerce uma função e conta com um determinado tempo de duração. Sendo assim, é importante atentar-se ao tipo de graduação antes de escolher o seu curso, pois assim ele será condizente com o desenvolvimento da sua carreira. Entenda a seguir:  Bacharelado Se você ainda não conhece o mercado de trabalho na área escolhida ou está em dúvidas sobre o que fazer, o bacharelado pode ser a sua opção. Isso porque em um curso desse tipo, é possível aprender sobre a futura profissão de forma ampla, conhecendo todos os percursos pelos quais você poderá atuar. Depois, ainda existe a alternativa de se especializar em um assunto específico, por meio da pós-graduação. Aqui, os cursos têm duração aproximada de 4 a 6 anos. Licenciatura A licenciatura é para quem deseja ministrar aulas dentro da área de formação. Durante o curso, você terá carga horária considerável com matérias de cunho pedagógico. Em sua maioria, esse tipo de graduação dura de 3 a 4 anos. Tecnólogo Se você já fez um curso técnico ou tem experiência dentro da área de atuação escolhida, o curso tecnólogo pode ser a sua alternativa. Embora muita gente confunda o tecnólogo com o técnico, as duas titulações têm diferenças. No tecnólogo, o estudante precisa ter concluído o Ensino Médio e fazer o vestibular - assim como nas demais graduações, pois ele é, propriamente, um curso superior. Neste tipo de graduação, o conhecimento é mais aprofundado, mas também focado na profissão que você escolheu. Por isso, a duração costuma ser mais curta que o bacharelado e a licenciatura, ficando entre 2 e 3 anos. A graduação e a empregabilidade De acordo com uma pesquisa do Instituto SEMESP¹, existe uma relação muito próxima entre a educação e a empregabilidade. Isso quer dizer que, quanto maior o nível de escolaridade do trabalhador, menor é a chance dele ser afetado em tempos de crise no mercado, como agora na pandemia. Entenda a seguir: Demanda por mão de obra qualificada Com a crescente transformação da indústria e suas tecnologias, é preciso que existam profissionais com qualificação adequada para o exercício das funções. E, quanto maior a complexidade dos trabalhos, maior é a capacitação exigida e, por consequência, maior é a dificuldade de encontrar pessoas qualificadas.  Na graduação, o estudante consegue obter um conhecimento aprofundado e com base científica. É nela que o acadêmico obtém habilitação para gerir e desenvolver projetos complexos e, assim, atender às demandas desse tipo no mercado. Salários podem triplicar para quem tem ensino superior Além disso, os graduados têm a possibilidade de ingressar em profissões que exigem maior qualificação e aperfeiçoamento e, portanto, maiores salários. Segundo pesquisa divulgada pelo IBGE em 2018, a renda de quem concluiu o ensino superior é praticamente o triplo daqueles que têm apenas o ensino médio². O piso salarial de engenheiros em Santa Catarina, por exemplo, é de 8,50 salários mínimos para 8h de dedicação diária, conforme a Lei 4.950-A/66 de 22 de abril de 1966. E aí, conseguiu ter uma visão geral sobre as graduações no Brasil? Neste momento de crise, é essencial procurar se reinventar e obter uma capacitação que atenda às exigências que o mercado propõe. E a Faculdade SENAI pode te ajudar com isso! Saiba como: CONHEÇA A FACULDADE SENAI