Compartilhe Compartilhar no Facebook Compartilhar no Twitter Compartilhar no Linkedin
Caçador Sem Frestas: projeto une Educação de Jovens e Adultos do SESI à comunidade

Caçador Sem Frestas: projeto une Educação de Jovens e Adultos do SESI à comunidade

Meio Ambiente
Caçador Sem Frestas: projeto une Educação de Jovens e Adultos do SESI à comunidade

7 meses atrás 3 min de leitura

No último sábado (14), os alunos da Educação de Jovens e Adultos (EJA) do SESI Caçador protagonizaram uma ação solidária e sustentável no município. Com a reciclagem de caixas de leite vazias, eles revestiram o forro e as paredes de uma casa precária na região, trazendo mais conforto térmico para a família e protegendo o lar do vento e da chuva.

O projeto surgiu na aula de Linguagens e Códigos e foi desenvolvido sob a orientação do professor Wagner Severgnini. Em sala de aula, os estudantes prepararam placas de revestimento com caixinhas impermeáveis de leite e perceberam a importância de se aplicar em sociedade o que é aprendido na escola.

O Projeto Caçador Sem Frestas

A ideia de vedar as frestas de casas de madeira surgiu da professora Maria Camozzato, do Rio Grande do Sul. Envolvida desde cedo no trabalho social, ela desenvolveu essa solução enquanto via o granizo e a tempestade destruindo residências da população mais pobre de Passo Fundo.

Em Caçador, Santa Catarina, foi um educador da rede SESI quem decidiu promover o projeto: “Observamos que as empresas de reciclagem de Caçador não aceitavam caixas de leite e as excluíam juntamente com o lixo orgânico, pois tinham muita dificuldade em separar as 3 partes que compõem a caixa: o plástico, o alumínio e o papel”, conta Wagner.

Diante desse cenário, o professor desafiou os alunos a encontrar formas de reutilizar o material. Ele explica que “os alunos encontraram o isolamento térmico como uma das principais características das caixas. Então, existiam 2 possibilidades: produzir água quente, utilizando o calor do sol, ou forrar as casas com frestas”. Pensando no bem-estar das pessoas, o grupo definiu que a forração seria a melhor ação a ser realizada.

Durante 4 meses, os 23 alunos da turma 8 do EJA arrecadaram quase 1.500 caixas de leite. Os números expressivos demonstram a preocupação em fazer a diferença na localidade, e evidenciam como a educação do SESI integra conhecimento e prática para um mundo melhor.

A educação SESI unida à comunidade local

De acordo com o IBGE, 29,2% da população de Caçador tem rendimento nominal mensal per capita de até ½ salário mínimo. Com isso, a população mais pobre da cidade tem suas condições agravadas a cada vendaval ou tempestade, pois a recuperação dos estragos muitas vezes é inviável financeiramente.

Nesse cenário, a Supervisora de Educação no EJA SESI de Caçador, Odete Aparecida, ressalta: “É muito importante que nossos alunos coloquem em prática, através de projetos entregues para a comunidade, toda a aprendizagem adquirida em sala de aula”.

Com a ajuda da Secretaria de Assistência Social de Caçador (SASC), a turma 8 do EJA SESI conseguiu encontrar a família que seria beneficiada com as placas de revestimento recicladas. Residentes no Bairro Martello em Caçador, esses moradores precisavam de maior proteção térmica em sua casa. Diante da situação, o Diretor de Habitação Admar Nhoatto e a Secretária Graziela Bender também cederam madeiras para ajudar a fortalecer a estrutura do imóvel e facilitar o revestimento.

Benefícios para sociedade e educação

Família beneficiada com o forro reciclado unida aos alunos e docentes do projeto. Foto: Odete Pereira

Os benefícios do projeto, para o professor, passam as fronteiras da sala de aula: “Os alunos conheceram a realidade de dificuldades econômicas e de saúde de uma família caçadorense, o que os motivou a auxiliar na arrecadação de forma carinhosa e espontânea”. Além disso, o profissional evidencia que “o projeto reforçou a campanha de reciclagem e trouxe essa discussão à tona, fazendo com que a prática fosse efetivamente concretizada na residência dos alunos e seus familiares”.

Assim, com apenas 1 encontro presencial por semana, o professor motivou os estudantes constantemente e envolveu a todos nas decisões. Por meio desta didática, o projeto fluiu e fez com que os alunos recebessem a ideia com entusiasmo, promovendo o bem tanto para suas próprias famílias, quanto para a comunidade. A aluna Viviane Macedo diz ao professor nas redes sociais: Nós agradecemos por ter nos motivado a ser alguém melhor. O dia foi muito especial, hoje nós vimos o que é uma equipe de verdade, uma equipe dedicada a ajudar alguém. Agradecemos por você ter acreditado em cada um de nós“.

O projeto foi uma experiência tão gratificante para os alunos, que a turma se mobilizou espontaneamente para contribuir não só com o forro reciclado, mas também com a doação de roupas e alimentos para a família do Bairro Martello. 

Realmente inspirador, não é? Conheça mais da Educação de Jovens e Adultos do SESI: aqui nós resolvemos problemas do dia a dia com tecnologias sustentáveis e transformamos o mundo do trabalho.