Compartilhe Compartilhar no Facebook Compartilhar no Twitter Compartilhar no Linkedin
Lean Manufacturing: o que é e como funciona

Lean Manufacturing: o que é e como funciona

Curta Duração
Lean Manufacturing: o que é e como funciona

3 meses atrás 5 min de leitura

Aplicado por muitas empresas que visam aumentar sua produtividade e reduzir desperdícios, o Lean Manufacturing, conhecido no Brasil como manufatura enxuta, é um modelo de gestão desenvolvido pela Toyota, em 1950.

Focada em eliminar as etapas de produção que não agregam valor aos processos, e principalmente, aos clientes, a produção enxuta transformou a realidade da Toyota e a tornou referência em Lean Manufacturing.

E não para por aí. Muitas empresas de sucesso mundial também mudaram o jeito de pensar os seus processos através da produção enxuta, obtendo diversos resultados. Afinal, a alta competitividade do mercado exige a eliminação de desperdícios e o aumento da qualidade e produtividade.

Diante de tudo isso, você deve estar se perguntando: como o Lean Manufacturing funciona na prática? Como aplicá-lo à realidade da minha empresa?

Neste texto, abordaremos tudo o que você precisa saber sobre o Lean Manufacturing, desde a motivação do seu surgimento, até como implementá-lo no seu empreendimento. Boa leitura!

Como surgiu o Lean Manufacturing?

Para entender o surgimento dessa filosofia, precisamos compreender o seu contexto.

Após a 2ª Guerra Mundial, o Japão precisou se reconstruir social, política e economicamente. Diante desse cenário, a indústria apostava na produção em massa para dar conta da demanda que era enorme para muitos segmentos, como a construção civil, confecções e a indústria automobilística.

Contudo, a produção em massa para fabricar transportes demandava alto investimento financeiro e de espaço físico para estocar os automóveis. Além disso, era pautada na concepção do mesmo produto em grande escala. Ou seja, a produção em série não era vantajosa para a indústria automobilística. Foi aí que a Toyota inovou com um novo sistema produtivo, o Sistema Toyota de Produção (STP), conhecido hoje como Lean Manufacturing.

Nesse novo processo de produção não havia mais a necessidade de altos estoques, o que mantinha o fluxo curto e o foco na eficiência da produção, sem abrir mão da qualidade. Se deu certo? Não só a Toyota adotou o sistema de produção enxuta, mas também diversas empresas dos mais variados segmentos em todo o mundo. Inclusive, a metodologia está mais atual do que nunca e tem forte presença no mercado.

Os princípios do Lean Manufacturing

Entre os principais objetivos da manufatura enxuta, estão: a melhoria contínua; a redução de custos; a agilidade na produção; a maior capacidade produtiva; e aplicar melhorias no ambiente de trabalho para os colaboradores.

Para que esses objetivos sejam atingidos existem 5 princípios básicos, através dos quais é possível aplicar o Lean Manufacturing. Conheça:

Valor

O valor do seu produto ou serviço é definido sob o ponto de vista do cliente. Para isso, é preciso definir quais são as atividades que agregam valor ao produto e o cliente está disposto a pagar a mais por isso (por exemplo, o que torna o seu produto a melhor escolha); as atividades essenciais para a entrega do produto, mas que não agregam valor a ele (como por exemplo, as funções administrativas); e por último, as atividades que além de não agregarem valor para o cliente, podem ser eliminadas dos processos.

Fluxo de valor

Após definir o valor do seu produto, é possível mapear as atividades indispensáveis desde a concepção do projeto e seu lançamento no mercado, como também as atividades do fluxo produtivo, que vão desde a matéria-prima até a entrega ao público-alvo.

Com o mapeamento dessas atividades, é possível visualizar os processos de forma macro e identificar os desperdícios em todo o fluxo de valor do seu produto ou serviço. Assim, são levantadas as fragilidades e os pontos fortes da sua empresa. Para te ajudar a fazer essa análise, o fluxo de valor é composto por: fluxo de informações, materiais e de pessoas.

Fluxo contínuo

Com o fluxo contínuo a produção evita interrupções e segue o ritmo da demanda. Assim, reduz o tempo de espera entre as atividades e entrega com mais rapidez para o cliente.

Produção puxada

Diferente de uma produção empurrada, onde a demanda é produzida para depois ser vendida, o que gera estoques, na produção puxada o produto será fabricado a partir da demanda do cliente. Ou seja, a partir do pedido é que o produto será produzido, evitando a produção em excesso e o acúmulo de estoques. 

Perfeição

Além de reduzir os desperdícios, o foco do Lean Manufacturing está no compromisso do controle de qualidade para oferecer o melhor produto possível. Reduzindo os desperdícios que não agregam valor ao seu produto para o cliente, sua empresa foca nos pontos fortes para entregar o melhor.

Os 8 desperdícios

Como você viu, reduzir o desperdício dos processos que não agregam valor para os clientes é um dos maiores objetivos do sistema de produção enxuta. Mas, quais seriam esses desperdícios? 

  1.   – Transporte: tempo perdido com a logística ineficiente dos processos, produtos e estoque.
  2.   – Estoque: armazenar produtos em excesso significa dinheiro parado.
  3.   –  Movimentação: diz respeito ao deslocamento dos colaboradores que poderiam ser evitados.
  4.   – Espera: desperdício de tempo quando ocorrem pausas no trabalho, seja por problemas técnicos, documentos a espera de assinaturas ou funcionários ociosos.
  5.   –  Produção excessiva: produzir além do que o cliente precisa.
  6.   – Processo desnecessário: produzir além do necessário para os processos, como relatórios que nunca serão lidos.
  7.   – Defeitos: produtos que não serão aproveitados, ou processos que precisam ser refeitos.
  8.   – Conhecimentos: desperdiçar o conhecimento e capacidades dos colaboradores.

 

Ferramentas do Lean Manufacturing 

Até agora, passamos pelo básico da teoria do sistema enxuto, mas na prática, como ele funciona? Existem algumas ferramentas que foram desenvolvidas para alcançar os resultados previstos: menos desperdício e mais qualidade.

Quais ferramentas implementar vai depender do perfil e objetivos da sua empresa, mas é importante que elas façam parte da cultura da organização. A filosofia Lean deve ser praticada por todos os colaboradores e envolvidos nos processos para que, de fato, gere resultados.

Métricas Lean

As métricas fornecem dados concretos sobre o desempenho dos seus fluxos, seja com relação a produtividade ou eficiência dos processos. Alguns indicadores a se observar: Cycle time (tempo para executar determinada atividade); Lead time (tempo utilizado desde o início da cadeia produtiva até a entrega do produto para o cliente); Throughput (quantidade de produtos produzidos em um período x).

É importante não colocar muita ênfase em apenas uma métrica. Otimize seu fluxo de trabalho focando em diferentes indicadores.

5S

O 5S consiste em práticas para aplicar no ambiente industrial que estimulam a melhoria contínua de acordo com a cultura Lean. O método remete às iniciais de 5 palavras japonesas: os 5 sensos.

 – Seiri (Senso de utilidade): Diz respeito a utilização correta dos materiais.

– Seiton (Senso de organização): Refere-se a boa disposição e ordem das ferramentas de trabalho, para que sejam acessadas com facilidade e rapidez.

– Seiso (Senso de limpeza): O ambiente de trabalho deve ser higienizado e organizado diariamente.

– Seiketsu (Senso de padronização): Incentivar os bons costumes para que sejam padrões e façam parte da cultura da empresa e dos seus colaboradores.

– Shitsuke (Senso de disciplina): O 5S precisa ser vivido diariamente, para isso, é preciso dedicação e repetição constante das práticas.

Kanban

O sistema Kanban sinaliza e controla os fluxos de produção através de uma gestão visual dos processos. Começou com cartões de papelão e hoje já compõem sistemas automatizados. Mas, independente da sua forma, o Kanban é um dispositivo usado para indicar quando há necessidade de produção de um produto ou compra de determinada matéria-prima. Ou seja, mantém a comunicação entre as etapas de produção, para que seja produzida a quantidade certa, no momento certo. 

Kaizen

A filosofia Kaizen consiste na melhoria contínua. Só o esforço contínuo da equipe proporciona o aumento da produtividade e redução dos custos. Assim, todos os colaboradores devem se envolver para alcançar as melhorias previstas. 

Total Productive Maintenance (TPM)

Sistema que visa prever as causas de possíveis falhas nos equipamentos, reduzindo as paradas e minimizando os custos. A manutenção preventiva nas máquinas potencializa o seu uso e previne acidentes. 

Essa foi uma breve introdução sobre algumas ferramentas, mas existem muitas outras e todas elas abrem caminhos para diferentes implementações do sistema de manufatura enxuta na organização. 

Que empresa não busca se destacar no mercado? Saber implementar técnicas que otimizem os processos e entregue maior valor agregado ao cliente, enquanto reduz desperdícios da cadeia produtiva, elevará o nível da sua carreira profissional e o SENAI pode te ajudar. Conheça os cursos de formação na metodologia Lean Manufacturing, disponíveis nas modalidades Pós-Graduação, Cursos Rápidos e Extensão Profissional.